resenha 1

resenha 1
Ensaio sobre a cegueira Saramago

resenha 2

resenha 2
Uma duas Eliane Brum

resenha 3

resenha 3
ao farol virgínia woolf

resenha 4

resenha 4
mulheres de cinzas mia couto

resenha 5

resenha 5
Extraordinário Luandino Vieira

resenha 6

resenha 6
Luuanda Luandino Vieira
6.4.18

A grande jogada, de Molly Bloom


A grande jogada, escrito por Molly Bloom



Editora: Intrínseca
Páginas: 272
Tradutor: Renato Marques
ISBN: 9788551002896

Livro que deu origem ao filme de Aaron Sorkin, com indicações ao Globo de Ouro e ao Critics Choice Awards de melhor atriz (Jessica Chastain) e melhor roteiro (Aaron Sorkin)
Com pouco mais de 30 anos, Molly Bloom ganhou as manchetes dos jornais ao ser presa pelo FBI por operar fora da legalidade uma das mais milionárias mesas de pôquer do mundo. Bonita e atraente, cortejada por homens poderosos, com um guarda-roupa de grife e montanhas de dinheiro no banco, a Princesa do Pôquer, como ficou conhecida, parecia mais uma estrela de Hollywood que uma criminosa confessa.
E foi em Hollywood mesmo que ela começou, do zero, a promover as mesas pelas quais passariam, nos anos seguintes, centenas de milhões de dólares, em partidas que aconteciam em luxuosas suítes de hotéis, para uma seleta lista de convidados dispostos a desembolsar quantias que partiam dos seis dígitos. Entre eles, astros como Leonardo DiCaprio, Tobey Maguire e Ben Affleck, mandachuvas da indústria do entretenimento, líderes estrangeiros, grandes magnatas e até mesmo a máfia russa.
Memórias de excessos, glamour e ganância narradas por uma mulher que cruzou a linha que separa o legal do ilegal. Uma história única, perigosa e surpreendente.
Nesse livro, Molly Bloom nos conta sua história desde a infância. Seu relacionamento com os pais e irmãos, o quanto o pai forçava que ela sempre se dedicasse 100% e o quanto ela sempre buscou elogios e reconhecimento.

Depois de ir para Los Angeles, Molly acaba comandando uma mesa de pôquer e fazendo parte de um universo do qual só ouvimos falar. Muito dinheiro, poder e fama. 

Molly nos conta como os jogos eram organizados, o que ela fazia para garantir que os jogadores precisassem dela e não a substituíssem, as enormes quantias perdidas na mesa, o conflito de interesses, o jogo de poder. Pela narrativa, espiamos o que acontecia nesses encontros, quem comparecia e como se comportava. Acompanhamos as mudanças de Molly, o quanto essa nova realidade muda suas atitudes, sua personalidade, sua perspectiva, o modo como enxerga e reage às situações. Vemos sua ascensão e sua queda.

A narrativa é muito semelhante a uma conversa informal, como se Molly tivesse puxado uma cadeira ao seu lado e tivesse te contando o que viveu ao longo desses anos. Ao mesmo tempo que é bem fácil de ler, as partes do pôquer em si e a quantidade de nomes que aparecia me deixava um pouco confusa. (Falando em nomes, ver Leonardo DiCaprio, Tobby Maguire, Ben Affleck, Alex Rhodes, entre outros nomes bem conhecidos, dá uma "apimentada" na história - principalmente o Tobby Maguire que tem um papel muito mais importante para a história que os outros que só aparecem brevemente). 

O que mais gostei do livro foi o fato de ser uma história real que nos mostra uma realidade que existe agora mesmo em algumas partes do mundo, mas com a qual não temos nenhum contato (eu, pelo menos). Ele mostra todo o glamour do dinheiro e da fama. Apesar dos problemas que teve, Molly curtiu muito o dinheiro e os benefícios que ele trazia. Mas ao mesmo tempo que esse ângulo nos encanta, há um outro um pouco mais "feio" que nos mostra um mundo no qual não existem relações verdadeiras de amor e amizade, tudo é guiado e movido pelo dinheiro, por interesses e pelo poder.

Também tive a oportunidade de assistir ao filme e acho que ele funcionou muito bem como complemento do livro. Há muitas informações do livro que não estão no filme, mas também há muitas informações do filme que não estão no livro. Vale a pena ir às duas fontes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por visitar e comentar no Literature-se.
Assim que puder, visitarei o seu blog. Caso não tenha um, deixe twitter, Facebook ou e-mail para que eu possa respondê-lo :)
Dicas, sugestões e críticas construtivas? Comentários abertos para isso e muito mais, só contando com aquela boa dose de bom-senso necessário, né? ;)