resenha 1

resenha 1
Ensaio sobre a cegueira Saramago

resenha 2

resenha 2
Uma duas Eliane Brum

resenha 3

resenha 3
ao farol virgínia woolf

resenha 4

resenha 4
mulheres de cinzas mia couto

resenha 5

resenha 5
Extraordinário Luandino Vieira

resenha 6

resenha 6
Luuanda Luandino Vieira
22.1.18

Quatro vidas de um cachorro, de W. Bruce Cameron

Quatro vidas de um cachorro, escrito por W. Bruce Cameron


Editora: HarperCollins
Páginas: 285
Tradutor: Regina Lyra
ISBN: 9788569514718


Esta é a inesquecível história de um cão que — após renascer várias vezes — imagina que haja uma razão para seu retorno, um propósito a cumprir, e que, enquanto não o alcançar, continuará renascendo. Narrado pelo próprio animal, Quatro vidas de um cachorro aborda a questão mais básica da vida: Por que estamos aqui? Emocionante e com boas doses de humor, Quatro vidas de um cachorro é um livro para todas as idades, que mostra o olhar de um cão sobre o relacionamento entre as pessoas e os laços eternos entre os seres humanos e seus animais. 
A história começa com o nascimento de um cachorrinho de rua que depois de ser resgatado passa a se chamar Toby. Ele vai nos contando suas experiências, descobertas e aprendizagens. Desde disputar um espaço com seus irmãos para mamar até aprender a se relacionar com outros cachorros e com humanos.

Depois de alguns capítulos, Toby morre e renasce como Bailey, o cachorro do menino Ethan. Dessa vez, podemos acompanhar o cachorro ainda mais de perto, o quanto ele vai aprendendo e como interpreta diversas situações vividas com seus donos.

Assim, acompanhamos o cachorro por 4 vidas diferentes. Cada uma numa raça, numa situação, com donos diferentes e novos aprendizados.

Para o cachorro, o fato de morrer e nascer de novo só pode ser justificado pelo fato de ele ter um propósito a cumprir. 

Com Ethan, aprendi sobre o amor e o companheirismo e senti estar realmente cumprindo o meu propósito, meramente por acompanhá-lo em suas aventuras diárias.
(...)
Mas... e agora? O que poderia acontecer agora para justificar meu renascimento como filhote?

O livro é narrado pelo próprio cachorro, o que é bom e ruim. Bom, porque é uma visão muito original, com isso o autor faz com que vejamos situações corriqueiras pela visão do animal, como ele interpreta algumas atitudes dos humanos, o que entende em determinadas falas e situações. Ruim, porque o texto ficou um pouco repetitivo e um pouco superficial, o que fez com que eu não fosse realmente fisgada pela história.

A narrativa é divertida em algumas partes e tocante em outras (como muitas das histórias de cachorros). Não tem como não se apaixonar por Bailey e por sua relação com Ethan.

Assisti ao filme no ano passado e achei a adaptação bem próxima ao livro, mas, dessa vez, preferi o filme.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por visitar e comentar no Literature-se.
Assim que puder, visitarei o seu blog. Caso não tenha um, deixe twitter, Facebook ou e-mail para que eu possa respondê-lo :)
Dicas, sugestões e críticas construtivas? Comentários abertos para isso e muito mais, só contando com aquela boa dose de bom-senso necessário, né? ;)