resenha 1

resenha 1
Ensaio sobre a cegueira Saramago

resenha 2

resenha 2
Uma duas Eliane Brum

resenha 3

resenha 3
ao farol virgínia woolf

resenha 4

resenha 4
mulheres de cinzas mia couto

resenha 5

resenha 5
Extraordinário Luandino Vieira

resenha 6

resenha 6
Luuanda Luandino Vieira
9.10.17

Uma Duas, escrito por Eliane Brum


Editora: BestBolso
Páginas: 352
Tradutor: Alves Calado
ISBN: 9788577994830

Emma Corrigan tem alguns segredinhos... Mas quem não tem? Durante uma viagem de avião bem turbulenta, Emma acredita que não sobreviverá aos solavancos, e acaba contando todos – mas todos! – os seus segredos para o homem sentado na poltrona ao lado. Quando a aeronave pousa em segurança, ela pede desculpas ao companheiro de voo pelo desabafo, pensando que nunca mais veria aquele estranho bonitão.
No dia seguinte, no entanto, ela descobre que seu colega de viagem era ninguém menos que Jack Harper, um dos fundadores da grande Corporação Panther, empresa na qual Emma trabalha como assistente de marketing. E que seu encontro desajeitado com o milionário a colocaria na maior confusão.

Sophie Kinsella é uma atriz consagrada no universo do chicklit. Esse foi o primeiro romance que ela escreveu com esse pseudônimo em 2003.

A sinopse acima traduz bem as primeiras páginas do livro. Percebemos que Emma é uma mulher cheia de 'segredinhos' que escondem como ela realmente é, do que realmente gosta e o que realmente pensa. Além disso, ela é uma daquelas pessoas que parece que tem um imã para atrair situações nas quais tudo dá errado.

E logo no começo, essas características fizeram com que, ao invés de eu me aproximar da personagem, ou me identificar com ela, ela me irritasse um pouco.

Depois de pensar, acho que o que me irritou um pouco em Emma era o vitimismo e a anulação dela. Era ela se culpar por essas coisinhas, lidar com elas como se fossem grandes pecados ou se colocar em último na lista de prioridades. Pelo menos, é o que eu consegui racionalizar dessa irritação.

Mas é bom deixar claro que não foi nenhum grande ódio. Emma me irritava um pouco, me dava um pouco de vergonha em algumas situações, mas também me mostrou um lado muito bom, criativo e divertido.

Voltando à história, depois de revelar seus segredo para Jack, os dois passam a conversar mais. Jack se lembra de tudo que Emma contou e ela fica bem envergonhada ao notar que ele sempre percebia quando ela estava mentindo.

Claro que isso vira um romance. Os dois formaram um lindo casal, mas eu achei que não desenvolveu muito bem. Na minha opinião, o foco do livro ficou muito mais para a comédia do que para o romance. Apesar de os dois interagirem bastante durante o livro, eu fiquei querendo mais.

Gostei muito da parte que mostrava a família de Emma. Dos problemas no relacionamento, mas também de como eles se gostavam.

A história é leve e divertida. Ri muito com algumas atitudes e pensamentos de Emma. A narrativa flui com facilidade e logo chegamos ao fim do livro.


continue lendo »
8.10.17

A princesa e a bloguista, de Lobato Magalhães
Editora: Trivio
Páginas: 184
Cultura Skoob
Após colocar a perder mais de doze tentativas de matrimônio, Sua Alteza Marie Claire está prestes a contrair núpcias com o Príncipe da Prússia, quando este, desiludido com o jeito de ser da Princesa, se encanta pela doce bloguista Nívea, a moça que organiza reuniões literárias na taberna da aldeia. O affair entre o nobre e a plebeia, no entanto, não tarda a chegar ao conhecimento da Família Real.
Por se tratar de uma sátira de várias coisas, principalmente de blogueiras de livros/do booktube no geral, o livro foi, aos poucos (conforme paulatinamente me mostrava esta sua premissa) me conquistando por me despertar interesse e curiosidade, sem contar o riso.

Nós temos uma das protagonistas, a Marie Claire, que é a princesa de Bergamota, filha única de pais super atenciosos e desde sempre muito amorosos com ela. Portanto, ela cresce como uma menina mimada, esnobe e intensa - intensa porque, apesar de ter sido criada segundo os costumes da corte, ela é extremamente sincera e escrachada. Passa a maior parte do tempo fazendo suas necessidades no banheiro, o que não tem vergonha nenhuma em dizer para todos, todos mesmo) e cortando as pessoas, dando respostas secas e malcriadas (ela realmente não tem papas na língua!). 
continue lendo »
4.10.17

História da Menina Perdida, escrito por Elena Ferrante



Editora: Biblioteca Azul/Editora Globo
Páginas: 480
ISBN: 852506310X
Tradução: Mauricio Santana Dias

Autora finaliza a série napolitana que já vendeu mais de 100.000 exemplares no Brasil. A história de vida de Lenu e Lina e de todos os personagens do bairro de Nápoles agora caminham da maturidade à velhice. "História da menina perdida" é o final que o leitor esperava, com a dureza e a força que aprendemos a identificar nas personagens de Ferrante - sem rodeios.



Esta é uma resenha para os íntimos!
Explico-me: para aqueles que já estão íntimos da escrita de Elena Ferrante e da Teatralogia Napolitana, para os que já leram A AmigaGenial, História do Novo Sobrenome e História de Quem Foge e de Quem Fica, para aqueles que, como eu, ficaram íntimos e apegados a Lenu e Lina, as protagonistas dos livros.

O primeiro volume acaba quando ambas têm 16 anos; o segundo volume, em torno dos 20 anos; o terceiro volume, entre 30 e 35 anos. Inevitavelmente, é o quarto volume que traz a vida adulta e a velhice, o episódio do desaparecimento exagerado de Lila que abre a história em A Amiga Genial, é nele, inevitavelmente também, que encontramos os fins - da narrativa que havia sido tão bem construída por tantas páginas e, consequentemente, o fim da vida das personagens que só podem existir dentro da ficção. Por saber tudo isso, acrescido pela maneira drástica e problemática como o terceiro livro havia terminado, somente ter o quarto volume nas mãos já começa causar um misto de tristeza e nervoso, aquela sensação que Ferrante sabe produzir de que tudo é horrível e mesmo assim você não consegue parar de ler.

continue lendo »