resenha 1

resenha 1
a amiga genial elena ferrante

resenha 2

resenha 2
só garotos patti smith

resenha 3

resenha 3
ao farol virgínia woolf

resenha 4

resenha 4
mulheres de cinzas mia couto

resenha 5

resenha 5
Extraordinário Luandino Vieira

resenha 6

resenha 6
Luuanda Luandino Vieira
18.8.17

Uma Duas, de Eliane Brum

Uma Duas, escrito por Eliane Brum


Editora: Leya
Páginas: 176
ISBN: 9788580441239
Em seu romance de estreia, Eliane Brum - conhecida no jornalismo pela sensibilidade e força do seu texto - mergulha num novo, mas não menos delicado desafio: transformar em palavra a intrincada relação entre mãe e filha. De que material são feitos os laços que as amarram? Como é tecida a trama de ódio e afeto entre duas mulheres (des)unidas pela carne? Uma duas é um retrato expressionista tão dramático quanto nauseante que foge de clichês e eufemismos que costumam cercar o tema. Dotada de um humanismo visceral, a autora entrelaça os narradores do mesmo modo que o acaso embaralha integrantes de uma família numa teia de subjetividades.
Como começar a falar desse livro? Talvez com um alerta, não se engane pelas poucas páginas e pelas cores alegres da capa. A história é mais densa que muitos calhamaços e muito mais sombria que essas cores.

Em Uma Duas, temos a história de uma mãe e uma filha com um relacionamento BEM difícil. Ambas estão tão ligadas quanto afastadas uma da outra. A mágoa e o ódio permeiam tanto essa relação quanto a necessidade e o amor.

Inicialmente, a filha, que possui o hábito de se cortar, precisa ir até o apartamento da mãe, que não está abrindo a porta, para ver o que aconteceu. E a cena que ela encontra no apartamento é bem feia, a ponto de provocar náuseas no leitor. Sua mãe está caída em estado deplorável e o gato acabou comendo um pedaço de seu pé para se alimentar. As imagens criadas são tão fortes e surreais que cheguei a pensar que era uma metáfora ou interpretação da filha, mas não. Isso realmente aconteceu.

Depois disso, a filha precisa cuidar da mãe e ambas decidem escrever sobre suas experiências. A filha conta tudo que sua mãe lhe fez, a forma estranha e até cruel como ela a tratava. A mãe conta sobre sua história antes da filha nascer e não é nem um pouco mais fácil ou mais bonito.

A escrita do livro é excelente. Como eu já comentei, capaz de provocar nojo e chocar o leitor. Palavras duras e diretas, imagens fortes, situações pesadas, tristes e constrangedoras. É uma leitura densa, que incomoda.

É uma história muito humana, muito próxima de um relato jornalístico (apesar das situações quase surreais). Personagens cheias de falhas e defeitos, fraquezas, sentimentos, reflexões e até amor e esperança.

Não é uma leitura que eu recomende a qualquer leitor. Não é uma leitura para relaxar ou entreter. Mas definitivamente é um livro muito bem escrito com um conteúdo diferente do que estamos acostumados e que vai mexer com a maioria de nós.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por visitar e comentar no Literature-se.
Assim que puder, visitarei o seu blog. Caso não tenha um, deixe twitter, Facebook ou e-mail para que eu possa respondê-lo :)
Dicas, sugestões e críticas construtivas? Comentários abertos para isso e muito mais, só contando com aquela boa dose de bom-senso necessário, né? ;)