23.10.16

Mary Poppins, de P. L. Travers

Mary Poppins, escrito por P. L. Travers

Editora: Harper Collins
Páginas: 192
ISBN: 9780007286416
A história se passa em Londres, na Rua das Cerejeiras. A família Banks procura desesperadamente uma babá para seus filhos Michael, Jane e os gêmeos John e Bárbara, que são temperamentais e teimosos. Eis então que os ventos do Leste sopram e Mary Poppins chega para por ordem na bagunça, com seu jeitinho muito especial.
Mary Poppins é um clássico da literatura infantil inglesa que vem conquistando crianças (e adultos) por mais de 80 anos. 

A história que virou musical da Broadway, musical da Disney e que vai ser relançada no cinema ano que vem, nos traz uma babá nada convencional que chega com o vento do leste e promete trazer muita fantasia e situações inexplicáveis para as crianças da família Banks.

Cada capítulo traz uma personagem nova e inusitada que já conhece Mary Poppins de algum lugar e que encanta as crianças, como um tio que flutua quando está feliz, animais que falam e parecem humanos e uma das estrelas da constelação das Sete Irmãs. Ao final do capítulo, as crianças nunca sabem se aquilo de fato ocorreu ou se foi só um sonho, e Mary Poppins nunca confirma nada.

O livro foge bem da realidade, é preciso estar com a razão desligada e a imaginação a postos para aceitar as personagens e situações que aparecem na narrativa.

Apesar de trazer tanta magia para a vida das crianças, Mary Poppins não é aquela babá boazinha, meiga e carinhosa que eu estava esperando. Pelo contrário, ela fala pouco e na maioria das vezes está chamando a atenção das crianças, nunca responde as perguntas que eles lhe fazem e ainda fica brava quando eles perguntam muito. 

Fiquei pensando o que fez com que Michael, Jane e os bebês gêmeos gostassem tanto dela e cheguei à conclusão de que ela trouxe vida ao mundo deles. As crianças pouco se relacionavam com os pais (muito pouco mesmo), ficavam totalmente entregues às babás. Mary Poppins fez com que elas se divertissem com momentos mágicos e foi isso que as conquistou.

Além disso, apesar do que é dito no livro, não achei as crianças terríveis. A não ser em uma situação ou outra, achei que elas eram bem obedientes e seguiam as regras estabelecidas.

Vale a pena conhecer esse clássico infantil que nos faz acreditar no impossível ao longo de suas páginas.

0 comentários:

Postar um comentário

Obrigado por visitar e comentar no Literature-se.
Assim que puder, visitarei o seu blog. Caso não tenha um, deixe twitter, Facebook ou e-mail para que eu possa respondê-lo :)
Dicas, sugestões e críticas construtivas? Comentários abertos para isso e muito mais, só contando com aquela boa dose de bom-senso necessário, né? ;)

 
Literature-se © Todos os direitos reservados :: Ilustração por Prih Mizuh (@pri_mizuh) :: voltar para o topo