30.5.16

Essa Menina - De Paris a Paripiranga, Tina Correia

Essa Menina - De Paris a Paripiranga, escrito por Tina Correia

Editora: Alfaguara
Páginas: 271
ISBN: 9788556520036
Livro cedido pela editora em parceria com o blog
Romance de estreia de Tina Correia, Essa Menina traduz a cultura popular nordestina numa narrativa comovente
Durante muito tempo, ninguém soube o verdadeiro nome de Esperança. Para todos, ela era Essa Menina. Decidida a reunir num livro as memórias de sua infância, ela desperta a criança curiosa que vivia a escutar a conversa dos adultos. Ao descrever as festas, as comidas e as brincadeiras no quintal, revela ao leitor, ainda que sob a perspectiva infantil, os anseios, fragilidades e sonhos dos que estavam à sua volta.
Os grandes eventos políticos dos anos 1930 a 1960 são o pano de fundo dessas dramáticas e emocionantes histórias. Ora testemunha, ora protagonista, é a menina de olhos grandes e curiosos quem nos conduz por essa narrativa quase mítica, ambientada no interior do Nordeste.

O livro de estreia professora Tina Correia nos conta em primeira pessoa a história de Esperança no sertão nordestino a partir da década de 30. Apelidada de Essa Menina, por acreditar que esse era seu verdadeiro nome de tanto ouvir seu avô tratá-la dessa forma com os demais, sua vida simples e pacata de menina nordestina tem sua rotina alterada devido aos fatos políticos da época.

- Essa Menina, minha vida daria um romance. Se eu te contasse as coisa que acontece comigo...

Essa frase sempre era dita por sua amiga Das Dores. Embora acreditasse que sua vida monótona e sem importância não daria material para um livro quando criança, Essa Menina conta a sucessão de fatos que a levaram a Paris.

Os fatos mais bonitos narrados por Esperança são os que constituem sua relação familiar, sendo seu avô o principal alvo de ternura. A inocência da infância, as fantasias de menina, tudo isso constitui um relato muito bonito e emocionante de uma menina que cresceu numa realidade dura num período de grande repressão.

Uma das passagens mais bonitas do livro é quando Essa Menina descobre que o doce "feito de estrelas", que ela realmente acreditava que sua tia colhia estrelas do céu para servi-la, era na verdade feito de carambola.

Era tanta ternura à minha volta que no dia em que flagrei minha tia cortando as carambolas para fazer o doce, em vez de desapontamento, senti que meu amor por eles aumentava. Naquela noite, olhando o céu cheio de estrelas, chorei emocionada, fazendo jus à pecha de "manteiga derretida". Percebi que só mesmo as pessoas com o estofo do carinho seriam capazes de transformar o ato prosaico de cortar carambolas em um conto de fadas, preenchendo com fantasia os espaços vazios da minha cabecinha. 

Essa Menina nos conta seu dia a dia na escola, sua relação com os amigos do seu vilarejo e um pouco da dura e triste realidade de cada um deles. Apesar da fome sempre à espreita e da miséria fazer parte do cotidiano daquela cidadezinha, existe uma ajuda mútua, uma comunidade que realmente se ajuda e faz com que a existência se torne suportável.

Contra as perspectivas da maioria das crianças do sertão Esperança consegue ter uma melhoria de vida através dos estudos. Depois de completar seu Ensino Médio consegue ingressar no Magistério para se tornar professora, talvez a única profissão acessível às mulheres da época.

Apesar da melhoria no orçamento da casa uma situação não mudava na sua vida: o fato do seu pai ser constantemente preso. Sem saber o por quê e o quê significavam aquelas prisões na época, a constante presença de homens estranhos e soldados rondando a casa da família era o principal motivo de preocupação da família. Somente mais tarde Essa Menina compreendeu o motivo que assombrou a sua infância: seu pai era comunista.

A perseguição aos comunistas durante o governo Vargas constitui grande parte da narrativa de Esperança embora ela não soubesse exatamente o que acontecia. Não só seu pai foi perseguido, mas diversos homens da pequena cidade eram silenciados, espancados e mortos sem que a população entendesse o que acontecia, afinal eram homens bons, pais de família.

Esse fato foi de fundamental importância na vida de Esperança. Cada vez mais engajada politicamente e lhe deu a determinação para que ela não se conformasse em levar uma vida comum no sertão nordestino. Graças aos amigos do seu pai aprendeu latim, francês e italiano, e esse incentivo na infância para que adulta ela estudasse Letras e conseguisse se mudar para Paris.

Toda a história de Essa Menina é muito bonita e simples. Emociona e revolta em alguns momentos, mas, infelizmente, sinto que algo falta na sua narrativa para que esse fosse um grande livro.

Uma das minhas decepções foi com o fato de no início da narrativa a narradora dissesse que sua realidade, por vezes, se assemelhava ao "realismo mágico", mas não existe nada no livro que evoque ao realismo mágico, os acontecimentos são comuns, sem qualquer toque de fantasia. Além disso sinto que o final do livro foi um pouco apressado. Percorremos sem pressa a infância de Esperança, mas a conclusão de sua história, sua adolescência, seu início da vida adulta, incluindo sua viagem à Paris, é feita às pressas.

É um bom livro que proporciona uma boa leitura, mas infelizmente peca em alguns momentos. A emoção transmitida pela menina na sua infância vai se esvaindo conforme sua idade avança.

0 comentários:

Postar um comentário

Obrigado por visitar e comentar no Literature-se.
Assim que puder, visitarei o seu blog. Caso não tenha um, deixe twitter, Facebook ou e-mail para que eu possa respondê-lo :)
Dicas, sugestões e críticas construtivas? Comentários abertos para isso e muito mais, só contando com aquela boa dose de bom-senso necessário, né? ;)

 
Literature-se © Todos os direitos reservados :: Ilustração por Prih Mizuh (@pri_mizuh) :: voltar para o topo