25.9.15

Sobre Meninos e Lobos, de Dennis Lehane

Sobre Meninos e Lobos
Editora: Companhia das Letras
Páginas: 344
ISBN: 9788535921052
Livro cedido pela editora em parceria com o blog.

Sobre Meninos e Lobos me deu uma vontade de relê-lo antes mesmo de terminar o epílogo. Há algo especial nesse livro. Eu já esperava por uma boa história, mas ele conseguiu ir além do que eu imaginava.

Quando fiz a solicitação, pensava que se tratava de um bom romance policial, e só. Acreditava que haveria um crime misterioso e um detetive extraordinário para solucioná-lo usando raciocínios incríveis, sobre-humanos quase. Ou seja, romance policial padrão. O livro de Lehane, porém, consegue ir muito além disso, embora haja sim um crime misterioso e um investigador com muito talento.

O começo do romance é bastante arrastado, não nego. Até acontecer o crime a ser investigado, há um pouco de demora. E o início da investigação se arrasta bastante. O livro só começa a ter um ritmo mais intenso para lá da metade. Mas não se engane, isso acaba não sendo uma coisa ruim, como seria de imaginar.

O livro se inicia com uma espécie de grande prólogo em que são narrados acontecimentos da infância dos três personagens principais: Sean, Jimmy e Dave. Eles eram meninos normais com idades por volta dos 12 anos, brincavam na rua, brigavam por bobagens, enfim, coisas de garotos. Porém eram bastante diferentes entre si. Sean era de uma parte da cidade mais segura, de gente mais abastada, enquanto Jimmy era da parte mais violenta, de pessoas mais humildes. Só tinham contato um com o outro porque seus pais, em 1975, eram colegas de trabalho. Sean era um garoto mais tranquilo, enquanto Jimmy era mais do tipo problemático, que age antes de pensar, se deixa levar pelo momento. E Dave era um menino meio esquisito que vivia atrás de Jimmy, concordando com tudo o que ele fazia e falava. 

Certo dia, quando os três brincavam em uma rua próxima à casa de Sean, Jimmy cismou que tinham que roubar um carro. Ficaram imaginando como seria boa a sensação de dirigir pelo bairro. Só que Sean acabou percebendo quão estúpida era aquela ideia, e uma briga começou entre os garotos. Nesse momento, um carro se aproximou deles, e eles foram abordados por dois homens que pareciam ser policiais. Os homens perceberam que não conseguiriam levar Sean e Jimmy facilmente no carro, então pegaram Dave e disseram que o levariam para a mãe, para relatar que ele ficava arrumando confusão na rua. Pois bem, os homens não eram policiais de verdade, e Dave ficou desaparecido por quatro dias, até que conseguiu fugir do cativeiro onde foi mantido, procurar ajuda e voltar para casa. Esse acontecimento terá consequências enormes durante todo o enredo.

Em 2000, esses três personagens acabam tendo suas histórias entrelaçadas novamente. Sean se tornou policial. Jimmy fez muita besteira na vida, passou um tempo na cadeia, mas há mais de uma década vive uma vida tranquila e normal, cuidando de sua esposa e de suas filhas. E Dave agora é casado e tem um filho pequeno. Tudo está aparentemente acontecendo de maneira normal na vida desses três homens, até que um acontecimento inesperado surge: a filha mais velha de Jimmy é assassinada. Eis então o caso policial central do livro, o crime a ser investigado. E é o acontecimento que também faz as histórias dos três personagens voltarem a se cruzar. Jimmy, o pai da vítima; Sean, o policial responsável pela investigação junto a Whitey, seu superior; e Dave, alguém que vem tendo atitudes estranhas ultimamente e ainda luta para conseguir lidar com os traumas do sequestro que sofreu quando criança.

É a partir desse ponto que o livro parece começar de verdade. Porém, não devemos achar que tudo o que vem antes é sem importância, pois seria um grande equívoco. Quase nada nesse livro é gratuito. Os detalhes são importantes, os conflitos psicológicos e emocionais dos personagens, mais importantes ainda. Assim como, logicamente, tudo o que foi moldando suas personalidades.

Eu disse que a primeira metade do livro é lenta e que isso não é necessariamente ruim. E quem ler essa obra vai entender o porquê de eu dizer isso. É porque aí está justamente o que faz dessa obra diferente, o que a leva para um nível além de um simples romance policial de fórmula. Há todo um background dos personagens. Lehane se preocupa com eles; os fatores psicológicos são mais importantes do que o caso criminal em si, então o autor não economiza páginas na construção e apresentação de seus personagens, que parecem pessoas reais.

A obra traz muitas reflexões de caráter moral, porém sem ser pedante. Faz pensar sobre as consequências dos atos de algumas pessoas sobre outras, o poder destruidor das mentiras, mesmo que não sejam mal-intencionadas. E isso faz dele um livro duro, que muitas vezes causa desconforto. Embora a violência física seja algo marcante dessa história, é a violência psicológica que mais mexe com o leitor.

A narrativa do livro é cinematográfica. E a gente pensa mesmo que daria um ótimo filme enquanto lê. E, na verdade, parece que deu realmente um ótimo filme, embora eu não o tenha visto ainda para dar a minha opinião. Mas, pelo que li, a adaptação cinematográfica foi indicada em seis categorias no Oscar de 2003, incluindo melhor filme e melhor enredo adaptado, e ganhou duas estatuetas pelas atuações de Sean Penn como Jimmy e Tim Robbins como Dave.

Recomendo Sobre Meninos e Lobos para todos aqueles que gostam de histórias fortes e de textos bem escritos. Para quem gosta de romances policiais, há um caso intrigante e um desfecho interessante, embora não totalmente imprevisível para quem prestar atenção aos detalhes desde o início. E é interessante também o fato de que o trabalho policial no livro parece bastante verossímil, por isso não há algo tão extraordinário na solução do caso como em um livro da Agatha Christie, por exemplo. Para quem gosta de romances existencialistas, há ótimas reflexões sobre a natureza humana. Afinal, você, sem dúvida, vai se esquecer rapidamente do corpo sem vida de uma jovem em um parque, mas vai passar um bom tempo pensando sobre os homens, os meninos e os lobos.

0 comentários:

Postar um comentário

Obrigado por visitar e comentar no Literature-se.
Assim que puder, visitarei o seu blog. Caso não tenha um, deixe twitter, Facebook ou e-mail para que eu possa respondê-lo :)
Dicas, sugestões e críticas construtivas? Comentários abertos para isso e muito mais, só contando com aquela boa dose de bom-senso necessário, né? ;)

 
Literature-se © Todos os direitos reservados :: Ilustração por Prih Mizuh (@pri_mizuh) :: voltar para o topo