25.9.15

Os Homens Que Não Amavam as Mulheres, de Stieg Larsson

Os Homens Que Não Amavam as Mulheres, escrito por Stieg Larsson

Editora: Companhia das Letras
Páginas: 522
ISBN: 8535913246
Livro cedido pela editora em parceria com o blog.
Em 1966, Harriet Vanger, jovem herdeira de um império industrial, some sem deixar vestígios. No dia de seu desaparecimento, fechara-se o acesso à ilha onde ela e diversos membros de sua extensa família se encontravam. Desde então, a cada ano, Henrik Vanger, o velho patriarca do clã, recebe uma flor emoldurada - o mesmo presente que Harriet lhe dava, até desaparecer. Henrik está convencido de que ela foi assassinada, e que um Vanger a matou. Quase quarenta anos depois, o industrial contrata o jornalista Mikael Blomkvist para conduzir uma investigação particular. Mikael, que acabara de ser condenado por difamação contra o financista Wennerström, preocupa-se com a crise de credibilidade que atinge sua revista, a Millennium. Henrik lhe oferece proteção se o jornalista consentir em investigar o assassinato de Harriet. Mikael descobre que suas inquirições não são bem-vindas pela família Vanger, e que muitos querem vê-lo pelas costas. Com o auxílio de Lisbeth Salander, que conta com uma mente infatigável para a busca de dados, ele percebe que a trilha de segredos e perversidades do clã industrial recua até muito antes do desaparecimento ou morte de Harriet.

Um jornalista condenado por difamação, personagens femininos fortes, uma família com segredos intensos e um crime ainda não solucionado. São esses os principais elementos que permeiam a história do primeiro livro da trilogia Millenium, Os Homems Que Não Amavam as Mulheres. Escrito por um jornalista sueco, Stieg Larsson, o livro nos apresenta uma trama fenomenal com muita investigação e tensão, nos expondo a um enigma às cegas, praticamente sem solução. Tudo focado na elite sueca da história.

A história começa com Mikael Blomkvist, jornalista econômico e dono da revista Millenium, sendo condenado por difamação após publicar uma matéria denunciando um financista importante. Ganhou uma pena de 3 meses de prisão, não recorreu e ainda decidiu se afastar da revista por um tempo.

Henrik Vanger reside em uma ilha próxima à Estocolmo e na data do desaparecimento de Harriet, sua amada sobrinha-neta, as pessoas mais diferentes que estavam presentes na região eram os integrantes da própria família Vanger, que se juntavam anualmente para uma reunião familiar. Essa família, por sinal, era conhecida por nunca ser completamente unida. Um membro se desentende com outro, os descendentes repassam o comportamento e por aí vai.. Por esse conjunto de motivos, Henrik Vanger tem a certeza de que o responsável pelo desaparecimento de Harriet é algum familiar.

É nesse cenário que o industrial Henrik Vanger, após realizar uma pesquisa muito profunda, procura Mikael para um possível trabalho investigativo em uma última tentativa de busca. Henrik então, além de pedir que o jornalista se mude temporariamente para a ilha, propõe dois trabalhos à Mikael: escrever uma crônica sobre a família Vanger e tentar desvendar o mistério do desaparecimento de Harriet. Sendo esta última proposta um segredo dos dois que não será exposto à princípio para os outros curiosos moradores da ilha. Aceitando e cumprindo as tarefas, Mikael ganharia em troca uma informação bombástica que o ajudaria a salvar a Millenium e a se reerguer como profissional. As propostas eram perfeitas para o momento e, após relutar, Mikael aceita o desafio.

Em paralelo, conhecemos Lisbeth Salander, uma mulher com muitas tatuagens, muitos segredos, muitas roupas pretas, mas muito habilidosa, corajosa e armada com seus próprios mecanismos de defesa. Ela é uma hacker profissional que consegue invadir o sistema mais bem protegido existente no mercado tecnológico. Com personalidade fria e fechada, Lisbeth Salander cresceu em um ambiente familiar abusivo, possui tendências violentas e comportamento anti-social e foi internada em uma clínica psiquiátrica desde cedo, passando a adolescência e a vida adulta orientada por um tutor. E é com um deles que ela sofreu cenas profundas de abuso e muita violência. Mas Lisbeth Salander se recusa a ser uma vítima e utilizará seus mecanismos secretos para se defender.

Os caminhos de Lisbeth e Mikael irão se cruzar quando o jornalista necessita de uma investigação mais ampla e profunda, e a hacker é a pessoa perfeita para tal tarefa. O ódio de Lisbeth contra mulheres injustiçadas e a sede de Mikael para resolver o mistério da família Vanger são os principais elementos para formar uma ótima dupla investigativa. E apesar das histórias e conflitos pessoais de cada um serem narrados separadamente, o comportamento dos dois se completam. Mikael é íntegro e o que Lisbeth pensa sobre ele é exatamente o que o leitor também pensa. E vice-versa.

Além de Lisbeth, todas as mulheres apresentadas na narrativa exercem um papel ou ideias relevantes. Erika, a companheira de trabalho e também sócia da Millenium, desempenha um papel importantíssimo dentro da revista, comandando e tomando decisões por todos. Erika é vista de forma respeitável, sem sair do surreal, simplesmente sendo ela mesma. Boa parte das reflexões mais profundas da obra, foram ditas e pensadas pelas fortes personagens femininas e esse é um ponto extremamente positivo.

A escrita de Stieg Larsson, como qualquer livro policial, deixa um clima de expectativa. Mas o autor vai além. Sem rodeios, enrolação e vocabulários difíceis, o autor traz experiências pessoais como jornalista para dar vida ao Mikael. Ele consegue transitar em perspectivas diferentes com muita facilidade, sem deixar o leitor perdido na trama. E, por fim, mas não menos importante, Larsson consegue dois diferenciais: fazer uma crítica aos fanáticos religiosos e à sociedade machista. Duas questões de extrema importância.

A história é fechada, ou seja, nenhum mistério dessa missão impossível ficou no ar para ser resolvido no próximo livro da série. Mas isso não é um ponto negativo, pelo contrário, só deixa o leitor mais ansioso para descobrir quais mistérios instigantes nos aguarda em A Menina que Brincava com Fogo.

0 comentários:

Postar um comentário

Obrigado por visitar e comentar no Literature-se.
Assim que puder, visitarei o seu blog. Caso não tenha um, deixe twitter, Facebook ou e-mail para que eu possa respondê-lo :)
Dicas, sugestões e críticas construtivas? Comentários abertos para isso e muito mais, só contando com aquela boa dose de bom-senso necessário, né? ;)

 
Literature-se © Todos os direitos reservados :: Ilustração por Prih Mizuh (@pri_mizuh) :: voltar para o topo