13.8.15

Espera, de Maggie Stiefvater

Espera, escrito por Maggie Stiefvater.


Editora: Agir Now
Páginas: 359
ISBN: 9788522015290
Livro cedido pela editora em parceria com o blog.
Em Espera, Grace e Sam devem lutar para ficar em juntos. Para ela, isso significa desafiar seus pais e manter um segredo muito perigoso a respeito de seu próprio bem-estar. Para ele, isso significa lutar contra seu passado de lobisomem… e descobrir uma maneira de sobreviver no futuro. Adicione a essa mistura um novo lobo chamado Cole, cujo passado tem o potencial de destruir toda a matilha, e Isabel, que já perdeu seu irmão para os lobos, e, apesar disso, se sente atraída por Cole.

Segundo livro da trilogia Os Lobos de Mercy Falls. Cuidado, esta resenha contém spoilers para quem ainda não leu o primeiro livro!

Após os acontecimentos chocantes do final de Calafrio, primeiro livro da série, Sam não se transformou mais em lobo e a missão de Grace e Isabel foi concluída com sucesso. Sam finalmente poderá passar o resto da vida como humano ao lado de sua amada e tudo ocorrerá bem? Errado. As coisas entre o casal começam a fugir do controle e um novo membro da alcateia, antigamente liderada por Beck, aparece em Mercy Falls e Sam precisa lidar com isso, uma vez que Beck sumiu do mapa sem deixar pistas.

Cole, líder de uma banda de rock famosa, aparece em Mercy Falls depois de uma temporada no Canadá, onde conheceu Beck e escolheu ser transformado. Cole é aquele personagem impulsivo, bad boy, encrenqueiro e sarcástico, que acha graça em ser transformado em lobo e com isso, ficar longe dos seus problemas. Mas parece que o lobo dentro dele não quer aparecer. Em uma de suas primeiras paradas na cidade, Cole logo conhece Isabel, que passa a maioria dos capítulos negando uma atração pelo novato.

Aliás, essa é a novidade do segundo livro da série. Em Espera, ganhamos novos capítulos narrados não apenas por Sam e Grace, mas por Isabel e Cole também. São os capítulos mais divertidos e descontraídos, trazendo mais ação e vida para a história. Acompanhamos os quatro personagens e conhecemos um pouco mais do passado e expectativas de cada um; autora apenas escreveu o essencial para a compreensão de acontecimentos futuros. Aqui, o passado também importa para entendermos o presente e planejarmos o futuro.

Enquanto Calafrio era focado em Grace, Espera foca nas relações interpessoais do Sam, que continua um poeta. Isso não significa que Grace não passa por dramas na história. Temos dois pontos altos que mudam o rumo da história como por exemplo o flagra dos pais de Grace. Sam é visto pelo pai na cama de Grace, a rotina dela se torna um inferno e ele é expulso quase que completamente da vida de Grace.

"Meus pensamentos supuravam em mim. Não consegui dormir. Minha mente desviou-se do lugar vazio ao meu lado na cama e transformou meus pensamentos em letras de música, meus dedos imaginando as cordas que precisavam dedilhar para achar a melodia."

Por outro lado, Sam não imagina que os sintomas de dores de cabeça, febres e resfriados de Grace sejam tão suspeitos e que estejam agravando tanto sua saúde mental e física. Grace e Isabel desconfiam que uma transformação está a caminho. Sam e Cole não fazem nem ideia, pois estão lidando com suas diferenças. Mas será que nessa altura do campeonato Grace fará sua primeira transformação? O que Sam poderá fazer para ajudar, já que os pais da garota proibiram qualquer aproximação? Sim, essas e outras dúvidas surgem novamente no final do livro. A autora consegue resolver algumas questões em aberto do primeiro livro, mas planta outras perguntas em Espera.

Os capítulos não são mais acompanhados com a temperatura local, como no primeiro livro, e faz falta pois transformações e a vida dos lobos não são assuntos que sumiram completamente e a temperatura é um detalhe crucial para entendermos o clima da história. Outro ponto negativo foi a demora para uma arrancada boa na história. Se tratando de personagens, se não fosse por Isabel e Cole, o livro seria mais arrastado ainda e dificultaria ainda mais a continuação. Lembram das amigas da Grace? Elas mal aparecem e mal são mencionadas também.

Mas, em se tratando da escrita, a autora não escreve capítulos maçantes e consegue escrever de uma forma leve e gostosa, fazendo com que 359 páginas passem muito rápido mesmo a história demorando para ganhar ação. Qualquer autora que consegue isso, merece um prêmio. E ela ainda deixa a ansiedade pela continuação se perpetuar, outro ótimo ponto positivo. Maggie consegue mesmo fazer sua mente viajar para responder as perguntas sem mesmo começar a ler o livro final ainda.

0 comentários:

Postar um comentário

Obrigado por visitar e comentar no Literature-se.
Assim que puder, visitarei o seu blog. Caso não tenha um, deixe twitter, Facebook ou e-mail para que eu possa respondê-lo :)
Dicas, sugestões e críticas construtivas? Comentários abertos para isso e muito mais, só contando com aquela boa dose de bom-senso necessário, né? ;)

 
Literature-se © Todos os direitos reservados :: Ilustração por Prih Mizuh (@pri_mizuh) :: voltar para o topo