22.8.15

Especial Jane Austen: A Abadia de Northanger

A Abadia de Northanger, escrito por Jane Austen

"Susan", como foi intitulado inicialmente, foi o primeiro romance de Jane Austen a ser concluído para publicação. Em 1803, Henry, irmão de Austen, tentou publicar o romance com o consentimento da irmã. Ele até conseguiu vender os direitos do livro, mas, infelizmente, o editor nunca o publicou. Já em 1809, Austen, sob um pseudônimo, escreveu uma carta ao editor, oferecendo uma versão revisada da obra, na tentativa de fazê-lo publicar o romance ou para fazer com que o livro voltasse às suas mãos. O editor afirmou que nada foi acordado sobre a data de lançamento e disse que se Austen quisesse o livro de volta, teria de comprar os direitos, o que não aconteceu, já que ela não tinha condição financeira para comprá-lo de volta.

Em 1816, seu irmão conseguiu comprar os direitos de "Susan", mudando seu título para "Catherine", devido à alteração feita por Jane no nome da personagem principal. Somente dois anos após a compra dos direitos e um ano após a morte de Austen, Henry finalmente publicou "Catherine" com o título de "A Abadia de Northanger".


A Abadia de Northanger é, sem dúvida, um dos romances mais elaborados da época - uma comédia satírica que aborda questões humanas de maneira muito sutil, tendo como pano de fundo a cidade de Bath. O enredo gira em torno de Catherine Morland, que deixa a tranquila e, por vezes, tediosa vida na zona rural da Inglaterra para passar uma temporada na agitada e sofisticada Bath do final do século XVIII. Catherine é um jovem ingênua, cheia de energia e leitora voraz de romances góticos. O livro faz uma espécie de paródia a esses romances, especialmente os escritos por Ann Radcliffe. Jane Austen faz um eloquente contraste entre a realidade e a imaginação, entre uma vida pacata e as situações sinistras e excitantes que os personagens de um romance podem viver.



Catherine Morland é uma jovem ingênua, de coração bom e considerada comum, já que não tem atributos que a destaquem. Em um belo dia, Catherine é convidada pelo Sr. e a Sra. Allen a passar uma temporada na agitada cidade de Bath. Lá, ela é introduzida na sociedade. Em uma das festas, ela conhece a fútil Isabella Thorpe, que vira sua amiga, e também Henry Tilney, que passa a ser o seu interesse amoroso

Conforme o tempo passa, Catherine desenvolve uma amizade com Eleanor Tilney, irmã de Henry, e acaba sendo convidada a passar um tempo na abadia deles. E o que pode ser melhor para uma fanática por romances góticos do que passar um tempo em uma abadia? A partir disso, Catherine passa a procurar qualquer sinal estranho na residência dos Tilney e começa a confundir realidade e fantasia, começa criar várias situações inusitadas em sua cabeça, chegando até a imaginar que o pai de Henry havia assassinado a esposa. Tudo isso devido à influência que os romances góticos tinham na vida de Catherine.

Como sempre, Jane Austen utiliza muita ironia em sua obra. Em "A Abadia de Northanger", Austen critica e parodia os romances góticos, famosos na época, que eram vistos pelos críticos como um entretenimento raso, vazio. Além dessa paródia, Austen traz diversos temas, como casamento por interesse, oposição entre ricos e pobres e futilidade presente em membros da sociedade.

"A Abadia de Northanger" não foi um livro tão intenso como "Orgulho e Preconceito", mas a leitura foi muito proveitosa. Não gostei de muitos personagens, achei alguns muito chatos, mas creio que isso tenha sido mesmo a intenção de Austen. Foi interessante ler essa obra. Entramos em contato com os costumes e como as pessoas se comportavam naquela época. Foi interessante ver como a autora desenvolveu a história, ver o amadurecimento de Catherine Morland e também como ela acaba descobrindo como a vida é de verdade. Esse não é o meu livro favorito de Jane Austen, mas é, sem dúvida alguma, o mais divertido, o que mais me fez dar risadas


Links relacionados: 

0 comentários:

Postar um comentário

Obrigado por visitar e comentar no Literature-se.
Assim que puder, visitarei o seu blog. Caso não tenha um, deixe twitter, Facebook ou e-mail para que eu possa respondê-lo :)
Dicas, sugestões e críticas construtivas? Comentários abertos para isso e muito mais, só contando com aquela boa dose de bom-senso necessário, né? ;)

 
Literature-se © Todos os direitos reservados :: Ilustração por Prih Mizuh (@pri_mizuh) :: voltar para o topo