30.7.15

Especial Jane Austen: Emma

Emma, escrito por Jane Austen

Emma foi escrito entre 1814 e 1815 e publicado no final do mesmo ano. Muitas cópias lançadas não conseguiram ser vendidas até alguns anos após a publicação, o que pode explicar o porquê de Austen não ter ganhado muito dinheiro com esse livro durante sua vida. Esse romance foi o último lançado antes da morte da autora em 1817.

O Príncipe Regente do País de Gales era um admirador de Austen. A autora foi convidada a dedicar um de seus romances a ele, então, foi com "Emma" que Jane, muito contrariada, o fez.

Existem muitas séries e filmes baseados nessa obra. O filme de 1996, em que Gwyneth Paltrow vive Emma, é muito famoso. Há também uma adaptação moderna de 1995: "As Patricinhas de Beverly Hills" (Clueless), com a atuação de Alicia Silverstone como Cher, que seria Emma.


Emma Woodhouse é uma mulher linda, intelectual e de espírito elevado. Sua mãe faleceu quando ela ainda era muito jovem e esta assumiu o papel da administradora da casa, já que sua irmã mais velha havia se casado. De certa forma, ela é muito madura, apesar de cometer sérios erros: mesmo jurando que nunca se casaria, encontra diversão em arrumar casamentos para outros; aparentemente incapaz de se apaixonar, é através do ciúme que ela descobre seu amor por Mr. Knightley.

O livro traz a história de Emma, uma jovem de 21 anos, bonita, inteligente e que faz parte de uma família rica e respeitada. Sua mãe morreu, sua irmã mais velha já é casada e Emma vive com seu pai, que já é um senhor. Emma não tem a menor intenção em casar, talvez por influência do pai que não quer viver sozinho ou pelo fato de ser rica, já que naquela época era o casamento quem introduzia a mulher na sociedade, que dava status, e ela já era da sociedade. Emma é uma menina egocêntrica, bem metida. O ponto da história é que ela adora dar uma de cupido para cima de suas amigas e acaba arranjando muitas confusões por isso.

Por ser uma comédia de costumes, que retrata o cotidiano, a história é um pouco parada. Não há grandes reviravoltas, não há uma grande trama. Mesmo tendo humor e ironia, esse é um livro bem diferente dos demais da autora.
"A heroine whom no-one but myself will much like."* - Jane Austen
É bem difícil escutarmos alguém falando de Emma como falam de Lizzie Bennet. Quando falam, as opiniões a respeito desse romance são bem divergentes: uns adoram a história e defendem um amadurecimento da personagem principal; outros não gostam tanto assim e veem Emma como uma personagem chata e que não cresce no desenvolver do enredo.

Mesmo não sendo um livro tão discutido e tão amado quanto "Orgulho e Preconceito", vale a pena lê-lo. Afinal, é Jane Austen. É interessante ler todas as suas obras e depois avaliar o que cada uma diverge da outra, o que elas têm em comum, qual a melhor heroína e por aí vai. Além do mais, nada melhor do que ter uma opinião baseada no que você leu de fato. Então, leia a história e decida se a personagem principal merece credibilidade ou se Jane Austen teve razão ao dizer que apenas ela iria gostar tanto de Emma.


* Tradução livre: 
"Uma heroína de quem ninguém, além de mim mesma, irá gostar muito."


Links relacionados:

0 comentários:

Postar um comentário

Obrigado por visitar e comentar no Literature-se.
Assim que puder, visitarei o seu blog. Caso não tenha um, deixe twitter, Facebook ou e-mail para que eu possa respondê-lo :)
Dicas, sugestões e críticas construtivas? Comentários abertos para isso e muito mais, só contando com aquela boa dose de bom-senso necessário, né? ;)

 
Literature-se © Todos os direitos reservados :: Ilustração por Prih Mizuh (@pri_mizuh) :: voltar para o topo