23.3.15

Sobre O Pequeno Príncipe, de Antoine De Saint-Exupéry

Quando eu era criança, minha mãe tinha o costume de falar sobre livros que havia lido na tentativa de despertar em mim o gosto pela leitura. Numa dessas vezes, ela me contou sobre o famoso ''O Pequeno Príncipe''. Na ocasião, disse-me que esse livro era um dos seus favoritos e que já havia lido mais de três vezes. Anos mais tarde, fuçando os livros dela, eu finalmente descobri o encanto dele.


A história começa com o narrador falando sobre um desenho que havia feito quando era menor. O problema é que ninguém entendia o que, de fato, era o desenho. Todos achavam que era um chapéu, quando, na verdade, era um elefante dentro de uma jiboia após ser engolido. 

Todos disseram para que ele esquecesse desenhos e começasse a estudar algo de verdade. Então, ele desistiu de ser pintor e, mais tarde, virou piloto.

Num de seus voos, seu avião teve uma pane, que o obrigou a fazer um pouso forçado no Deserto do Saara. Ele estava isolado de tudo. Não poderia pedir ajuda. Então, constatou que teria de fazer o reparo do avião sozinho. Ele adormeceu. Ao amanhecer, foi acordado por uma voz pedindo por um desenho de um carneiro. E, assim, ele conheceu o pequeno príncipe

Com o passar da história, ele descobre várias informações sobre o principezinho. Descobre que ele mora em um asteroide (e o seu drama com os baobás, flores e espinhos, vulcões, outros asteroides e seus habitantes) e como ele parou na Terra (e bem como quem conheceu aqui). Até que o pequeno príncipe cativa o narrador e, principalmente, o leitor.

O autor consegue nos transmitir com clareza como as pessoas ficam quando se tornam adultas, o que importa e o que não importa e como tudo muda para uma perspectiva mais triste, já que os adultos passam a dar importância a coisas que deveriam ter pouquíssima atenção, como números e quantidade; e as pequenas coisas, simples, passam despercebidas. Ao mesmo tempo, transmite-nos a visão da criança sobre o mundo e sobre tudo que acontece ao redor dela. É aí que conseguimos ver que a inocência de uma criança é uma das coisas mais belas que existe, pois ela sempre enxerga a beleza e valor no que é simples,  
" — Tu falas como as pessoas grandes! (...) Tu confundes todas as coisas...Misturas tudo!"
Então, comparando os pensamentos do narrador (adulto) com os do pequeno príncipe (criança), conseguimos enxergar como deixamos muitos valores importantes para trás, na nossa infância. Enxergamos que realmente confundimos e complicamos tudo e, com isso, fazemos a vida perder seu encanto e seu verdadeiro significado.

Por essa razão, esse livro deveria ser lido e relido todo anos por todo mundo: crianças, adolescentes, adultos e idosos, para que ninguém nunca esqueça algo muito simples: ''Só se vê bem com o coração, o essencial é invisível aos olhos."

11 comentários:

  1. Awn como eu amo esse livro! Super concordo, esse livro tem que ser relido sempre por qualquer pessoa de qualquer idade. <3

    ResponderExcluir
  2. Uma das melhores leituras da minha vida, sem dúvida! Sempre recomendo pra todos.

    ResponderExcluir
  3. Oi, Isa! :)
    Adoro esse livro também! Me passa um sentimento tão bom...
    Esse livro é mágico, né?

    ResponderExcluir
  4. Oi Mell, oi Isis!

    Morro de vontade de ler O Pequeno Príncipe, mas ainda não o fiz, acredita?
    Sei que preciso ler urgentemente, porque quase todo leitor que conheço é apaixonado pela história, hihi.

    Um abraço,

    http://www.winterbird.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Que vergonha, amo ler mas nunca li O Pequeno Príncipe... Preciso criar coragem, mas sempre acho que não vou gostar....

    Mas me conta uma coisa: deu certo sua mãe falar de livros para despertar sua paixão? Rs

    Agora que tenho uma filha quero que ela ame ler tanto quanto eu hahaha

    Beijos

    Meu Meio Devaneio

    ResponderExcluir
  6. Oi, Soraya! Deixe de vergonha, rs. Tente ler. Se você gostar, perfeito! Se não, você pelo menos tentou. Você vai ganhar de qualquer jeito! :)

    Olha, ajudou sim. Sempre achei bonita a fascinação que minha mãe tinha pela literatura. Me atrasei um pouco, mas ela me ajudou sim. E ela sempre comprava livros para mim, nunca se negou a me apoiar nisso. Ela fez a diferença, com certeza.

    Influencie sua filha nisso. Leia para ela quando puder, compre livros... Nunca deixe de incentivá-la a ler. Vai ser muito bom para ela!

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  7. Que legal ser uma das melhores leituras da sua vida. Pelo visto, esse livro te cativou mesmo, né? =)

    ResponderExcluir
  8. Isis, vou lê-lo até ficar velhinha e a cada vez ele irá me cativar de uma maneira diferente. <3

    ResponderExcluir
  9. Em cada época de nossas vidas, lemos o livro e temos interpretações diferentes... Como o menino do dedo verde, e etc... São lições que com a idade ( da cabeça) mais madura, enxergamos a vida de forma difernte... Beijos Isis Barreto

    ResponderExcluir
  10. Falou tudo, Mônica! :)
    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Tô contigo! Esse livro vai me acompanhar para o resto da vida! :)

    ResponderExcluir

Obrigado por visitar e comentar no Literature-se.
Assim que puder, visitarei o seu blog. Caso não tenha um, deixe twitter, Facebook ou e-mail para que eu possa respondê-lo :)
Dicas, sugestões e críticas construtivas? Comentários abertos para isso e muito mais, só contando com aquela boa dose de bom-senso necessário, né? ;)

 
Literature-se © Todos os direitos reservados :: Ilustração por Prih Mizuh (@pri_mizuh) :: voltar para o topo