5.12.14

Resenha: Onde deixarei meu coração

Onde deixarei meu coração, escrito por Sarra Manning
Editora: Galera Record
Páginas: 333
ISBN: 9788501095169
Simples, careta e sem graça. É assim que Bea se vê. Então quando a super descolada Ruby e seu bando de populares passam a se interessar por sua opinião, isso só pode ser uma pegadinha. Certo? Pelo menos é assim que sempre acontece nos filmes... Mas o convite para passarem as férias em Málaga parece pra valer. E com um bônus: Bea pode se afastar da mãe irritante e controladora. No entanto, depois de apenas 48 horas na Espanha, Bea se flagra mudando o itinerário. A menina decide visitar Paris para encontrar o pai que nunca conheceu. Afinal, a cidade luz pode emprestar um pouco de clareza a um período nebuloso de sua vida familiar. No caminho, ela conhece Toph, um estudante americano mochilando pela Europa. Enquanto procuram pelo pai dela nos cafés e boulevards de Paris, ela perde a cabeça em vez disso. Será que Bea é a garota de Toph ou a boa menina que sua mãe espera que ela seja? Ou será esse o verão mágico em que Bea finalmente torna-se dona do próprio nariz?

Sobre o que se trata

Bea é uma típica garota londrina em plenos 17 anos. Aliás, ela é típica até demais, para seu gosto. Sua mãe a teve com também 17 anos, abandonada pelo suposto pai francês em intercâmbio na Inglaterra, e justamente por isso é que a protege de uma vida normal de adolescentes, ou seja, a proíbe de ir a festas, de namorar, de sequer sair debaixo de seu olhar atento. Bea, resignada, faz tudo o que a mãe lhe pede: cuidar de seus irmãos gêmeos (frutos do novo relacionamento da mãe) no sábado à noite, trabalhar durante o dia de sábado numa loja de roupas cafona, cozinhar para a família... Enfim, ela se acha sem graça e sem vida social, sobretudo por conta das imposições de sua mãe. A única coisa que ela considera empolgante - ou quase isso - em sua vida é o fato de seu pai ser francês. Mas nem o nome dele ela sabe, e esse mistério move a sua vida, inclusive seus gostos, já que Bea é uma fã confessa de tudo o que é francês (seu filme preferido é "O fabuloso destino de Amélie Poulain").

Mas a vida dela muda quando Ayesha repentinamente decide retomar a amizade com Bea, pois anos antes ela a traiu para mudar de amigas e se tornar uma popular. Agora, ela a convida para fazer parte de seu grupo de amigas, que depois de alguns meses planejam as férias de verão numa praia da Espanha junto da Bea. Após muitas artimanhas para convencer sua mãe, Bea acaba viajando para Málaga e lá se decepcionando, o que a faz embarcar para a França num trem solitariamente. Sua impulsividade custa a ira de sua mãe, quando descobre que a filha fugiu para conhecer o pai, e também um romance de verão e amizades divertidas. Em busca de sua verdadeira identidade, a garota londrina cerceada pela mãe viaja sozinha e conhece parte de um mundo antes apenas idealizado.

Minhas impressões

Escrever sobre um YA (Young Adult = Jovem adulto) pode ser mais simples e divertido, porém isso não se aplica quando o livro é o melhor do gênero que se leu até o momento. Gostei bastante da forma como a autora conduziu a história, dos clichês atenuados pelas exceções e da química que envolveu todos os relacionamentos de Bea.

Algo que pode dar muito errado em YAs diz respeito aos personagens e, sobretudo, a como eles interagem. Muitas vezes os diálogos e a relação que se cria entre dois deles simplesmente não saem como desejado e o leitor não se convence. Em "Onde deixarei meu coração" isso jamais aconteceu, e não só o romance é verossímil, como também o relacionamento de Bea com a mãe, com as amigas - e as supostas amigas -, e com todos os outros personagens são condizentes com o contexto. No começo, imaginei que a mãe seria trágica e inflexível de forma exagerada, mas não foi isso o que aconteceu; eu entendi até mesmo o lado dela, e gostei do desenvolvimento da personagem. 





Embora um livro YA que se passa parte em Paris com um romance no ar tenha, com certeza, muitos clichês - como o próprio romance na cidade luz, e o fato da personagem principal se apaixonar logo de cara pelo mocinho -, algumas exceções da história tornam a leitura não algo de nos fazer revirar os olhos e vomitar arco-íris (ok, a fofura aparece em alguns momentos do livro), mas de envolver o leitor, que muitas vezes aproveita a viagem como um turista também. Por exemplo, a Bea, apesar de resignada no começo, logo nos surpreende como uma garota forte, firme no que diz e disposta a aprender com os seus erros. Ela erra, como não poderia deixar de ser para uma menina recém saída da barra da saia da mãe, mas tem que crescer rapidamente por se encontrar sozinha em países desconhecidos. Ela ama Paris, tem seus sonhos românticos clichês, mas nem por isso deixa de gostar de bandas, livros e filmes interessantes. Se no começo ela era sem graça, durante a história ela se transforma e, no final, acaba sendo alguém com quem se quer passar um tempo em Paris, conversando, e conhecendo bairros nem tão turísticos assim. Outra coisa que foge do clichê é que a autora soube esperar pelo momento certo de realmente concluir o romance, ou de concretizá-lo de fato. Antes disso, há todo um desenvolvimento, a criação de uma amizade e de uma cumplicidade. Isso torna o livro mais verossímil sob nossos olhos, apesar de todo o contexto de sonho de fadas.

A edição publicada pela Galera Record é linda, a capa é realmente de chamar a atenção, mas me incomodou bastante o fato deles terem "traduzido" "Nobody's Girl" (título original) para "Onde deixarei meu coração", um dos títulos mais bregas que já vi na vida. É até vergonhoso contar para alguém o que está lendo. De resto, a história me cativou, me emocionou e me fez relembrar do tempo que eu amava ler YA, e perceber que eu ainda posso, mesmo com 21 anos, amar um livro do gênero, como aconteceu com este escrito pela Sarra Manning.

3 comentários:

  1. Eu gosto bastante também, e o público do gênero é imenso =)

    ResponderExcluir
  2. Ja virei fã do seu blog e do seu canal
    Vontade imensa de ler esse livro :*

    ResponderExcluir
  3. Mell fiquei bastante interessada no livro, eu sinceramente já estou um pouco farta dos YA, mas a sua resenha fez com que eu ficasse curiosa sobre o livro, sem dúvida que quero ler :D

    Beijos,

    Daniela RC
    Blog: Doce Sonhadora

    ResponderExcluir

Obrigado por visitar e comentar no Literature-se.
Assim que puder, visitarei o seu blog. Caso não tenha um, deixe twitter, Facebook ou e-mail para que eu possa respondê-lo :)
Dicas, sugestões e críticas construtivas? Comentários abertos para isso e muito mais, só contando com aquela boa dose de bom-senso necessário, né? ;)

 
Literature-se © Todos os direitos reservados :: Ilustração por Prih Mizuh (@pri_mizuh) :: voltar para o topo