10.10.14

Resenha: Voos e sinos e misteriosos destinos

 Voos e sinos e misteriosos destinos, escrito por Emma Trevayne

Editora: Seguinte (Companhia das Letras)
Páginas: 312
ISBN: 9788565765435
Livro cedido pela editora em parceria com o blog.

Nesta fábula moderna, com gosto das aventuras clássicas que encantam os jovens leitores há tantos anos, conhecemos a história de Jack Foster, um garoto de dez anos que, como qualquer um da sua idade, sonhava viver grandes aventuras. Ele morava em Londres mas estudava em um colégio interno, voltando para casa apenas nas férias, quando ficava completamente entediado.

Mas, um certo dia, Jack atravessa uma porta mágica e, do outro lado, encontra uma cidade ao mesmo tempo muito parecida e muito diferente daquela que conhecia. Em Londinium, apesar de reconhecer as ruas e prédios, ele encontra um cenário steampunk, com engrenagens e fuligem por todos os lados.

Por ali era raro encontrar alguém que não tivesse nenhuma parte do corpo feita de metal. E era justamente isso que a Senhora - uma mulher rígida e temperamental que governava a cidade desde sempre - buscava: um filho de carne e osso.
Jack logo descobre que aquele lugar era extremamente perigoso, e que voltar para casa não seria tão fácil quanto tinha sido chegar até ali...

SOBRE O QUE SE TRATA

Voos e sinos e misteriosos destinos, de Emma Trevayne, traz uma história ambientada na Londres vitoriana e apresenta o leitor a Jack Foster, um garoto de 10 anos que sonha com o momento em que viverá suas aventuras.

Com um pais ausentes, sempre ocupados com o trabalho ou jantares para os vizinhos, Jack vive sempre isolado e sob os cuidados da Sra. Pond, a governanta, ou em um colégio interno. Se sentindo muito solitário, Jack tem sempre a impressão de que a mãe não o ama e não tem muita paciência para ele, sempre o castigando quando ele escutava suas conversas escondido.

Um dia, escapando da Sra. Pond, Jack resolve seguir o estranho espiritualista de sua mãe por Londres e acaba descobrindo uma porta mágica no Big Ben. Curioso, o menino atravessa a porta e vai parar em uma Londres alternativa, cheia de engrenagens, fuligem e poluição. Londinum, como é chamada a cidade, é a capital do império da Senhora - uma mulher eterna e temperamental que está sempre à procura de um filho para mimar -, habitada por fadas, pássaros e bonecas mecânicas e pessoas que, para respirar, precisam ter seus corpos transformados com a inserção de metais.

MINHAS IMPRESSÕES

Apesar de não achar o enredo de Voos e sinos e misteriosos destinos muito original, gostei da maneira como a autora conduziu a história. Londinum é um lugar que, mesmo sujo, me despertou o fascínio, tanto por sua peculiaridade, quanto por seus personagens excêntricos.

Jack Foster é um garotinho esperto e curioso, de fácil identificação por parte do leitor. Apesar de ser o herói da história, não é difícil condená-lo por muitas de suas ações. Jack pode ser teimoso, egoísta e sem ambição. É um personagem bastante humano e, por isso, também muito realista. Seus amigos de Londinum - dr. Cataplasma, a boneca Beth e Xeno - foram responsáveis por me fazer rir durante a leitura, e também por me deixarem interessada pelo cenário steampunk e fantasioso criado por Trevayne. 

Os vilões também tem seu brilho. A Senhora, rainha de Londinum, é uma mulher de temperamento oscilante e cheia de caprichos. Seu império enfrenta uma ameaça de guerra - ou pelo menos é o que ela acredita estar acontecendo -, mas ela vive alienada e desesperada para ter um novo filho. Por ter vivido milhares de anos em um mundo onde as pessoas precisam ser modificadas para sobreviver, a Senhora sempre busca um filho perfeito, 100% humano, vindo do nosso mundo. Quando este cresce, ela o descarta e vai atrás de uma nova criança. Seu principal servente, Sir Lorcan consegue ser ainda mais assustador que ela. Praticante de magias malignas, Lorcan é capaz de tudo para agradar a senhora, seja sequestrar uma criança, seja matar muitos inocentes para conseguir essa criança.

A narrativa da história é feita em terceira pessoa e de uma forma bastante acessível e divertida, com um pouco de humor e ironia. A edição publicada pelo selo Seguinte traz ainda algumas ilustrações feitas por Glenn Thomas que captam a atmosfera da história sem impedir que a imaginação do leitor trabalhe.  As ilustrações, que não são muitas, não ocupam páginas inteiras, mas ainda assim servem como um bom complemento para a história. O livro traz também alguns erros que a revisão deixou passar; a maioria deles é de digitação - um travessão fora de lugar, a falta de uma letra ou um ponto/vírgula -, mas acho válido mencionar que dois deles são de concordância verbal. Não são erros que atrapalham a leitura, mas acho que a editora poderia ter mostrado um cuidado maior, visto que estamos falando de um livro voltado para crianças que estão iniciando a vida como leitoras e também aprendendo a escrever. Espero que a próxima edição corrija os erros.

Como mencionei acima, não achei o enredo do livro muito original, e a criatividade ficou por conta da ambientação. Por se tratar de uma história para crianças, dá para afirmar que o livro tem aspectos mais sombrios e até traz momentos pesados. Nada impossível de ser compreendido por uma criança, claro. A princípio, o leitor é conduzido por uma narrativa de apresentação do universo fantástico, porém, aos poucos, a história começa a tomar um rumo e mistérios começam a surgir, deixando tudo mais interessante.

Mesmo com a previsibilidade, a leitura foi agradável. A única ressalva que faria é a respeito da superficialidade de alguns personagens. Enquanto lia, aguardava para descobrir algo a mais sobre a Senhora, por exemplo, ou a mãe de Jack; mas ao chegar ao final, algumas dúvidas permaneceram. Não acredito que essa superficialidade seja um empecilho e até acho que a autora deixou as coisas assim intencionalmente. Acredito que, por eu não ser mais o público alvo desse tipo de livro, acabo esperando uma profundidade típica de livros mais adultos, o que não faz sentido algum neste caso, porque é um livro infantil e muito deve ser deixado para a imaginação. Ainda assim, acredito que Voos e sinos e misteriosos destinos seja uma ótima leitura para aqueles com idade entre 8 e 12 anos, ou aqueles que gostam de histórias infantojuvenis. Leitura recomendada!

6 comentários:

  1. Acho que meu primo vai amar a história, vou incentivar o gosto pela leitura ,e aproveitar o dia das crianças. Presente garantido.

    ResponderExcluir
  2. Olá Michas!

    Já recomendei este livro para algumas pessoas, mesmo não tendo livdo. Mas já havia lido algumas resenhas e sabia que era um bom livro para os leitores iniciantes. Fiquei um pouco curiosa para ler, mas não tanto, pois meu foco agora está em livros de romance ou drama. ;)

    http://refugiorustico.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Não sou fã de livro desse gênero, mas, sua resenha é instigante, e acredito que os que lerem sua resenha vão ficar bastante curiosos, a fim de saber mais da estória. Eu fiquei bastante interessada, e se caso me surgir uma oportunidade, vou lê-lo, sem hesitar, aliás, variar de vez em quando, é bom. =D

    quelitasena@hotmail.com

    ResponderExcluir
  4. Estou muito afim de ler Voos e Sinos, ja até comprei e logo vou ler, e a capa e a mais bonita da minha estante. :)

    ResponderExcluir
  5. Ola. Ficou muito legal a resenha, pela capa do livro já me deixa com vontade de ler, tive a impressão que me lembra um pouco o enredo de coraline pelo fato da falta de atenção dos pais com o menino e do mundo paralelo.

    ResponderExcluir
  6. Vi esse livro aqui na minha cidade e a capa me encantou logo de cara, mas tinha ficado um pouquinho receosa se iria gostar ou não da história... Vou ler! Ótima resenha :)

    ResponderExcluir

Obrigado por visitar e comentar no Literature-se.
Assim que puder, visitarei o seu blog. Caso não tenha um, deixe twitter, Facebook ou e-mail para que eu possa respondê-lo :)
Dicas, sugestões e críticas construtivas? Comentários abertos para isso e muito mais, só contando com aquela boa dose de bom-senso necessário, né? ;)

 
Literature-se © Todos os direitos reservados :: Ilustração por Prih Mizuh (@pri_mizuh) :: voltar para o topo