7.10.14

Resenha: Fama & Loucura


Fama & Loucura, escrito por Neil Strauss.
Editora: BestSeller
Páginas: 523
ISBN: 9788576846031
Em Fama & Loucura, Neil Strauss (que já trabalhou por mais de vinte anos em algumas das maiores publicações do mundo — como o jornal The New York Times e a revista Rolling Stone) revela 228 entrevistas com alguns dos maiores nomes da música, do cinema e da TV que nunca chegaram a ser publicadas, mostrando os momentos mais insanos e as experiências mais incomuns que já teve com pessoas famosas. Acompanhe as aventuras do autor, enquanto ele bebe com Bruce Springsteen, janta com Gwen Stefani, entra na mesma banheira que Marilyn Manson, fala sobre fama com David Bowie e muito mais. 
Fama & Loucura é uma coletânea de entrevistas reunidas em capítulos que imitam cenas e atos a fim de suscitar uma reflexão do leitor acerca das personalidades retratadas ali. O jornalista estadunidense, Neil Strauss, publica, através deste livro, passagens de entrevistas e fragmentos de conversas que teve com famosos e que, por terem uma dose muito grande de sinceridade e de loucuras, foram de alguma forma recusados por editores. 
Atirei com Ludacris, fui sequestrado por Courtney Love, fiz Lady Gaga chorar, comprei Pampers com Snoop Dogg, saí para beber com Bruce Springsteen, tentei impedir o Mötley Crue de ser preso, recebi lições sobre cientologia de Tom Cruise, andei de helicóptero com Madonna, aprendi a ler mentes com a CIA, entrei em uma hidromassagem com Marylin Manson, fui repreendido por Prince e coloquei Christina Aguilera pra dormir. Esse é o meu trabalho. (Neil Strauss, na abertura do livro.)
Apesar de transparecer certo ímpeto sensacionalista, o livro expõe o que provavelmente, a princípio, não nos vem à cabeça quando pensamos em nossos fãs, ou, de modo geral, nesses artistas. Isso porque tanto fãs podem ficar incomodados pela realidade do livro, como pessoas indiferentes (como eu era em relação à Madonna) se surpreendem. 
Lady Gaga: Como artistas, estamos eternamente de coração partido.
Isso é muito Rilke.
Lady Gaga: Isto aqui é Rilke (mostra a tatuagem no braço com uma passagem de "Cartas a um jovem poeta", de Rainer Maria Rilke). (pág. 64)
Eu era meio nerd quando me mudei para Nova York e adorava ler. Nunca se sabe quando vamos ficar presos em uma sala ou no metrô sem nada para fazer - e eu detesto perder tempo. Então eu sempre levava livros a todo lugar que ia para o caso de haver um atraso ou as coisas ficarem entediantes. A primeira boate que fui na vida se chamava Pete's Place. Era tipo um restaurante-bar-discoteca. E eu me senti muito sem graça. Como estava meio envergonhada, sentei no meu canto e fiquei lendo um livro.
Que livro era?
Madonna: Era um livro do F. Scott Fitzgerald, "Seis contos da era do jazz". Pensei: "OK, eu não me encaixo. Não sei o que fazer. Não estou vestida de acordo. Não há nada de descolado em mim. Vou ler um livro". (pág. 23)
A alegação: Eu vi Manson tirar pintinhos, vários filhotes de cachorro e de gato de um saco e jogá-los para a platéia (...) Então Manson (...) não começa o show até os animais estarem mortos.Manson: Eu gosto de cachorros. Eu tenho um cachorro. Não tenho nenhuma razão para querer matar animais. Além de ser inútil e ridículo, se eu estivesse fazendo coisas como essa, não estaria no palco. Estaria na prisão. (pág. 190)
Apesar de eu ainda achar que a Lady Gaga é alucinada e uma não habitante do planeta Terra, e de eu especular sobre a veracidade dessa afirmação acima sobre a Madonna, a leitura serviu para me fazer entender que eles também são como nós, possuem seus problemas pessoais, mas que estão inseridos numa realidade que, na maioria dos casos, é avassaladora e "devora seus jovens", como confessa Cher ("Se essa indústria não matar você, então pode voltar e esperar ser a melhor pessoa que vai ser, porque é a única indústria que devora seus jovens" pág. 278).
Crahan (Slipknot): Apareci diante de 60 mil pessoas e me senti isolado delas. (pág. 264)
Também serviu para quebrar muitos paradigmas que eu tinha sobre a maioria dos famosos. Se antes eu tinha certo preconceito em relação ao Marilyn Manson, hoje já não o julgo apenas através de boatos e afirmações macabras. Mas, é claro, certas imagens já criadas previamente (poucas, eu diria) foram justificadas e reforçadas, como é o caso de Paris Hilton. Portanto, o leitor de Fama & Loucura irá se surpreender positiva e negativamente, passando por experiências muitas vezes paradoxais, especialmente se for um apreciador do mundo da música e de Hollywood. 
Paris Hilton: Não suporto negros. Nunca tocaria em um. É nojento.
Quão negro um cara tem de ser?
Hilton: Um por cento já é o suficiente para mim. (pág. 392)

Felizmente, é muito mais fácil e menos doloroso aprender com os erros dos outros do que com os seus. E as pessoas que estão nestas páginas e cometeram praticamente todos os erros que existem. Ler as histórias delas é um lembrete da importância de se distanciar da nossa vida cotidiana - e das nossas ansiedades, obrigações, arrependimentos e paixões - e ter certeza de que estamos fazendo a coisa certa sob a perspectiva adequada com o pouco de tempo que nos resta. (...) É terrível chegar ao final de sua vida e perceber que você estava só um pouquinho fora de curso e que suas prioridades estavam erradas. (Neil Strauss no epílogo.)

8 comentários:

  1. Natália Rafaele Macedo16 de outubro de 2014 03:50

    Oi... A questão da desmistificação do seu ídolo é um pouco pesado para alguns , mas é sempre bom saber oque o quem nós idolatramos... aí tudo isso leva-nos a refletir sobre o nosso apego com tais e a importância que muitos deles não nos dão... Será lido por mim algum dia, a premissa parece ser muito boa!!!
    E parabéns ótima resenha!!

    ResponderExcluir
  2. A resenha é ótima, sem dúvida, mas o livro, não faz meu tipo rsrsrsrs. Eu leria algumas entrevistas , porém acho, ops! Não, tenho certeza que não conseguiria ler esse livro todo. Não tenho muita paciência pra ler coisas de famosos, ainda mais quando não curto o artista, e eu, não curto nenhum desses artistas que teve sua entrevista relatada no livro. Mell, igual a vc, acho a Lady gaga um ser de outro mundo rsrsrsrs Fiquei alegre em saber, que Madonna levava um livro onde fosse. *_*

    ResponderExcluir
  3. A resenha é ótima, sem dúvida, mas o livro, não faz meu tipo rsrsrsrs. Eu leria algumas entrevistas , porém acho, ops! Não, tenho certeza que não conseguiria ler esse livro todo. Não tenho muita paciência pra ler coisas de famosos, ainda mais quando não curto o artista, e eu, não curto nenhum desses artistas que teve sua entrevista relatada no livro. Mell, igual a vc, acho a Lady gaga um ser de outro mundo rsrsrsrs Fiquei alegre em saber, que Madonna levava um livro onde fosse.*_*
    quelitasena@hotmail.com

    ResponderExcluir
  4. A resenha é ótima, sem dúvida, mas o livro, não faz meu tipo
    rsrsrsrs. Eu leria algumas entrevistas, porém tenho certeza que não conseguiria
    ler este livro todo. Não tenho muita paciência pra ler coisas de famosos, ainda
    mais quando não curto o artista, e eu, não curto nenhum desses artistas que
    teve sua entrevista relatada no livro. Mell, igual à vc, acho a Lady gaga um
    ser de outro mundo rsrsrsrs Fiquei alegre em saber, que Madonna levava um
    livro pra todo lugar que ia.*_*

    quelitasena@hotmail.com

    ResponderExcluir
  5. A resenha é ótima, sem dúvida, mas o livro, não faz meu tipo
    rsrsrsrs. Eu leria algumas entrevistas, porém tenho certeza que não conseguiria
    ler este livro todo. Não tenho muita paciência pra ler coisas de famosos, ainda
    mais quando não curto o artista, e eu, não curto nenhum desses artistas que
    teve sua entrevista relatada no livro. Mell, igual à vc, acho a Lady gaga um
    ser de outro mundo rsrsrsrs Fiquei alegre em saber, que Madonna levava um
    livro pra todo lugar que ia.*_*

    quelitasena@hotmail.com

    ResponderExcluir
  6. Exatamente, por isso que digo que esse livro pode incomodar muitas pessoas. Também acho importante refletir sobre isso!
    Muito obrigada pelo elogio =)
    Bjs

    ResponderExcluir
  7. Muito obrigada pelo elogio quanto à resenha, Quelita =)
    Esse livro não necessariamente precisa ser lido do começo ao fim, você pode ser o que quiser a hora que quiser, como quiser. Eu não li tudo, pulei as partes que não me interessavam, tipo bandas que não conheço nem quero conhecer rs Algumas li por interesse em descobrir quem são.
    Bjs

    ResponderExcluir

Obrigado por visitar e comentar no Literature-se.
Assim que puder, visitarei o seu blog. Caso não tenha um, deixe twitter, Facebook ou e-mail para que eu possa respondê-lo :)
Dicas, sugestões e críticas construtivas? Comentários abertos para isso e muito mais, só contando com aquela boa dose de bom-senso necessário, né? ;)

 
Literature-se © Todos os direitos reservados :: Ilustração por Prih Mizuh (@pri_mizuh) :: voltar para o topo