5.9.14

Resenha: A vida secreta das abelhas

A vida secreta das abelhas, escrito por Sue Monk Kidd

Editora: Paralela
Páginas: 232
ISBN: 9788565530576
Livro cedido pela editora em parceria com o blog.

A adolescência de Lily Owens tem sido complicada. Ela não se lembra da morte da mãe, há mais de dez anos, e sua relação com o pai é mais que difícil. Em 1964, quando completa catorze anos, ela decide fugir junto com sua babá Rosaleen. Lily sai a caminho de Tiburon, a cidade que parece esconder alguma resposta sobre a vida de sua mãe. Chegando lá, ela e Rosaleen são acolhidas por três irmãs. Aos poucos, Lily descobre um mundo mágico de abelhas, mel e da Madona Negra. Com a ajuda das irmãs Boatwright - August, May e June -, Lily tenta desvendar sua história. Será que ela conseguirá enfrentar os demônios de seu passado e se tornar uma jovem independente?

SOBRE O QUE SE TRATA

 Ambientado em uma pequena cidade no sul dos Estados Unidos na década de 1960, A vida secreta das abelhas traz a história de Lily Owens, uma adolescente de catorze anos órfã de mãe, maltratada pelo pai e que encontra em Rosaleen, sua babá negra, a única pessoa que lhe demonstra algum tipo de afeto. 

Sem conseguir se lembrar do dia da morte de sua mãe e com a certeza de que sua vida foi profundamente marcada pela tragédia, Lily decide fugir para Tiburon, uma cidade vizinha que acredita que lhe trará as respostas para as dúvidas que tem a respeito de sua mãe. Rosaleen, após ser atacada por homens brancos e presa, foge junto com Lily e, juntas, elas irão conhecer as irmãs August, May e June Boatwright, as produtoras do mel da Madona Negra.

Na companhia e com a ajuda dessas três irmãs, Lily irá compreender melhor o contexto em que vive, assim como passará a questioná-lo. Com August irá aprender sobre o mundo das abelhas e do mel e será apresentada à Madona Negra. 

MINHAS IMPRESSÕES

Quando comecei a leitura de A vida secreta das abelhas, não sabia muito bem o que iria encontrar. Como evitei ler a sinopse, acabei por me surpreender com a história e a me apaixonar pelos personagens a cada virada de página. A primeira parte do livro, com a fuga de Lily e Rosaleen, me lembrou bastante As aventuras de Huckleberry Finn, clássico de Mark Twain e um dos meus favoritos.

 A narrativa é feita em primeira pessoa por Lily que, ao mesmo tempo em que age como uma adolescente normal, se mostra à frente de sua época e apresenta reflexões bastante maduras. Em um contexto em que as mulheres não tinham voz, Lily é bastante segura sobre o que quer para si: sair de perto de seu pai e ir para a faculdade. Mesmo que seu sonho pareça impossível, é quando ela conhece as irmãs Boatwright que ela começa a acreditar que tudo pode se tornar realidade.

Através dos olhos de Lily, o leitor é transportado para um período e para um local marcados pelo racismo e pelo machismo. É impossível não se revoltar com alguns acontecimentos. Com ela, somos levados também a refletir sobre a vida e a morte, sobre fé e sobre o ser humano.

"A centrífuga separa o mel. Tira a parte ruim e deixa a parte boa. Eu sempre achei que seria ótimo ter centrífugas assim para os seres humanos. Era só jogá-los aí dentro e pôr a máquina para funcionar". (P.62)

As irmãs Boatwright são fascinantes: August com suas palavras calmas e sábias, May com seu jeito meio infantil e June com seu orgulho e personalidade forte. Cada uma desperta no leitor algum tipo de sentimento, seja de paz, de impotência ou de raiva. A forma como elas descrevem a religião da Madona Negra me despertou tanto interesse, quanto estranhamento.

"As histórias devem ser contadas, senão morrem; e, quando morrem, não nos lembramos quem somos nem porque estamos aqui". (P.84)

Gostei de como a autora relaciona os acontecimentos nas vidas de Lily, Rosaleen e das Boatwright com a vida das abelhas e de como estas e o mel desempenham, de certa forma, um papel na história. Sue Monk Kidd apresenta uma história forte e marcada por muita dor, tristeza e injustiça; mas, ao contrário do que imaginei, ela o fez de forma leve. Lily, mesmo com todos os motivos para desistir de tudo, se mostra sempre muito otimista e pronta para enfrentar o que a vida colocar em seu caminho.

Não vou mentir: o livro foi bastante previsível, ainda que em determinado momento eu tenha me surpreendido. Mas mesmo com certa previsibilidade, gostei da leitura e achei a experiência válida. É uma história sobre a vida, o poder do amor, o poder feminino. Sobre aprender a perdoar, a aceitar e seguir em frente. Leitura recomendada!

4 comentários:

  1. Acho que tem um filme sobre esse livro, né?
    Enfim, a história parece ser bem interessante! Gosto de livros que trazem questões sociais como esse.

    ResponderExcluir
  2. Oi, Maira

    Tem uma adaptação para o cinema sim. Ainda não assisti.
    É uma leitura bem agradável. Também gostei das reflexões que o livro me fez levantar :)

    ResponderExcluir
  3. Maria Beatriz Costa7 de setembro de 2014 13:26

    Olá Michas! :)
    Também acabei de ler este livro há pouco tempo e tal como tu também recomendo, é um livro que nos leva a reflectir.
    Meninas vejam o filme, é lindo! Chorei muito ao vê-lo, vale a pena :)

    ResponderExcluir
  4. silas nunes ferreira28 de setembro de 2014 18:56

    Olá! Vi a resenha do filme e pensei ''deve ser um filme em que qualquer coisa será mais interessante'', mas agora vendo a resenha fiquei com muita vontade de conhece-lo. Estou com vontade ler um livro forte e espero que ele seja.

    ResponderExcluir

Obrigado por visitar e comentar no Literature-se.
Assim que puder, visitarei o seu blog. Caso não tenha um, deixe twitter, Facebook ou e-mail para que eu possa respondê-lo :)
Dicas, sugestões e críticas construtivas? Comentários abertos para isso e muito mais, só contando com aquela boa dose de bom-senso necessário, né? ;)

 
Literature-se © Todos os direitos reservados :: Ilustração por Prih Mizuh (@pri_mizuh) :: voltar para o topo