7.9.14

Resenha: Lua de Larvas

Lua de Larvas, escrito por Sally Gardner.

Editora: wmfmartinsfontes
Páginas: 291
ISBN: 9788578277987
Standish Treadwell é um jovem disléxico que vê o mundo de maneira diferente da maioria. Graças a essa visão, ele percebe que o mundo lá de fora não tem que ser necessariamente cinzento e opressor. Quando seu melhor amigo, Hector, é de repente levado embora, Standish percebe que cabe a ele, a seu avô e a um pequeno grupo de rebeldes enfrentar e derrotar a opressão permanente das forças da Terra Mãe. Com o pano de fundo de um regime implacável, disposto a tudo para vencer seus rivais na corrida para chegar à Lua. Este impressionante Lua de larvas é o novo livro da premiada autora Sally Gardner.

Sobre o que se trata

Standish Treadwell é um garoto de 15 anos que sofre por ser diferente dos demais. Ele é disléxico e possui olhos de cores diferentes; um azul e outro castanho. O porém se encontra na sociedade em que vive e no modo como ela trata os indivíduos peculiares. O mundo de "Lua de larvas" é pós-apocalíptico e distópico, apresentando uma repressão violenta que controla o cotidiano e os pensamentos da população. Nessa realidade submetida ao governo Terra Mãe, a fome e a miséria são constantes no dia a dia, sendo atenuadas para aqueles que delatam seus vizinhos e conhecidos; há um incentivo explícito a esse tipo de conduta, o que torna tudo ainda mais caótico e desesperançoso. Ainda, tal característica da sociedade se reflete na escola, onde garotos denunciam seus colegas, inclusive praticando o bullying sobre quem se mostra diferente dos demais. E é claro que Standish é vítima disso, principalmente porque a dislexia o torna atrasado em relação à sua classe.

Mas tudo muda quando Hector vai morar na casa ao lado e passa a frequentar a mesma sala de aula de Standish. Numa relação de sobrevivência entre ambas as famílias desses meninos, os dois criam intensos laços fraternais, e de ajuda recíproca. Só que, não bastasse o sumiço dos pais de Standish, Hector e seus pais somem de um dia para o outro, sem nenhuma explicação, como usual. A partir de então, o garoto precisará ultrapassar a barreira de sua própria ingenuidade para descobrir o que acontece neste mundo distópico, a fim de solucionar seus próprios questionamentos que tanto lhe afligem. 

Minhas impressões

"Lua de larvas" é um livro muito bem lapidado. Possui um começo, um desenvolvimento e um fim totalmente harmoniosos. Analisando escrita, enredo e diagramação, vejo que ele é muito bem construído. O livro é perfeito para a sua temática, que envolve governo totalitário, e possui a fantástica capacidade de prender o leitor da primeira até a última página.

Tive a incrível experiência de participar do bate-papo que ocorreu na Bienal do Livro de São Paulo com a autora, Sally Gardner, e a partir de então me apaixonei pela história dela. Também disléxica, ela disse que não foi fácil escrever o livro, e que o dedica a todos os alunos que não brilharam na escola.  Sendo reflexo da dislexia ou não, o fato é que a escrita é concisa e objetiva. Com frases curtas, o impacto é transmitido ao leitor de forma ainda mais intensa, o que colabora para a mensagem do livro. E de forma alguma essa característica pode ser vista como uma facilidade para o leitor, pois é justamente esse choque que torna a experiência de leitura ainda mais tensa.

A narrativa é em primeira pessoa e isso possibilita ao narrador, o próprio Standish, expor seus sentimentos e realizar flashbacks. A exposição é concreta e, novamente, chocante. Não tem como não se apegar ao personagem depois de tudo o que ficamos sabendo sobre o seu cotidiano e sobre toda a miséria que o envolve. Os flashbacks aparecem para explicar o sumiço de Hector e para nos dar uma ideia sobre tudo o que se passa nessa sociedade opressora. Isso porque quem nos narra é um ser totalmente ingênuo, então o leitor só possui informações oriundas de Standish. O que se passa realmente nós precisamos imaginar e tentar descobrir junto do garoto. Essa estratégia é brilhante para a construção do enredo; tornou tudo ainda mais verossímil. 

A diagramação é linda, toda caprichada. A letra é grande e as margens espaçadas, o que torna a leitura ainda mais fluida. Já a dedicação que a editora wmfmartinsfontes destinou às figuras que ilustram o miolo torna o livro ainda mais especial: em quase todas as páginas tem figuras que, com o virar delas, contam uma pequena história de um rato. Essa história possui a essência da mensagem do livro, o que achei genial, pois só fui entendê-la com o passar das páginas, e ainda me proporcionou momentos de reflexão depois de concluir o livro.

4 comentários:

  1. Muito boa a resenha! Adorei tanto a em vídeo quanto esta. To lendo Trono de Vidro e já fui atrás de Lua de Larvas na Leitura da minha cidade. Sempre ótimas indicações! Bjs

    ResponderExcluir
  2. Depois de uma ótima resenha como esta acaba restando somente uma opção: correr para os sites e procurar o local mais barato. Louca para ler!

    ResponderExcluir
  3. hahahaha Que bom saber que está com vontade de ler depois da minha resenha. Dps me conta o que achou? Bjs

    ResponderExcluir
  4. Eba! Fico feliz por isso =)
    Depois me conta o que achou dos livros? Bjs

    ResponderExcluir

Obrigado por visitar e comentar no Literature-se.
Assim que puder, visitarei o seu blog. Caso não tenha um, deixe twitter, Facebook ou e-mail para que eu possa respondê-lo :)
Dicas, sugestões e críticas construtivas? Comentários abertos para isso e muito mais, só contando com aquela boa dose de bom-senso necessário, né? ;)

 
Literature-se © Todos os direitos reservados :: Ilustração por Prih Mizuh (@pri_mizuh) :: voltar para o topo