11.7.14

Literalmente falando #05 - Sobre best-sellers



Hoje quero falar um pouco com vocês sobre best-sellers. Mais precisamente sobre o que eu penso a respeito deles e do preconceito que algumas pessoas direcionam a esse tipo de livro. Preparados? Então vamos lá!

Antes de começar, acho interessante apresentar uma definição de best-seller: termo em inglês para se referir a um livro que atingiu um número elevado de vendas, superando as vendas de outros do mesmo gênero. Então, de uma forma geral, podemos afirmar que um livro best-seller é um livro que alcança um grande público e, consequentemente, é um sucesso de vendas. E isso quer dizer que esses livros são literatura da melhor qualidade? Não. Mas também não quer dizer que são livros mal escritos e feitos apenas com o intuito de vender e garantir uma grande quantidade de dinheiro para as editoras e o autor.

Particularmente, não costumo levar em consideração o fato de um livro ser um best-seller ou não antes de decidir se quero lê-lo. Se a história for atraente e estiver de acordo com o meu gosto, há sim uma grande chance de me interessar pela leitura, coisa que pode acontecer com qualquer livro dentro das características já citadas. Sendo assim, busco encarar best-sellers como encaro qualquer livro: apenas uma história que pode ou não me agradar, independentemente do número de cópias vendidas. Claro que há sim muita coisa nas livrarias que foi escrita apenas com o intuito de lucrar, logo, não traz qualidade alguma em seu conteúdo. Mas falta de qualidade não é exclusividade de best-seller e é definida de forma bastante subjetiva. Afinal, o que eu posso considerar incrível pode não ser tão maravilhoso para outra pessoa e vice-versa.

Com isso em mente, não entendo o preconceito da parte de muita gente em relação a livros que são listados entre os mais vendidos. Não consigo deixar de encarar a ação de descartar uma leitura, sem nem ao menos saber do que a história trata, apenas por esta ter vendido milhares de cópias ao redor do mundo como uma perda para o leitor. Sempre fico pensando que se tanta gente está lendo um determinado livro, alguma coisa este livro deve ter e, por isso, resolvo pesquisar mais para saber se eu também posso me interessar pela história. Dessa forma, descartei muitas coisas, mas também pude conhecer muitos livros dos quais gostei bastante, como A sombra do vento (Carlos Ruiz Zafón), a trilogia Jogos Vorazes (Suzanne Collins) e O Palácio de Inverno (John Boyne). Se não tivesse visto tais livros nas estantes de mais vendidos das livrarias, talvez nunca os tivesse conhecido e teria perdido ótimas experiências como leitora.

Também é preciso considerar o fato de que muitos leitores são formados por meio dos best-sellers. Quando tinha 11 anos fui apresentada ao universo de Harry Potter e por causa da série de livros do bruxinho me tornei a leitora que sou hoje. E jamais teria conhecido Harry Potter se o trabalho de J.K. Rowling não tivesse se transformado em um best-seller. Vejam bem, no início dos anos 2000 não era tão fácil se comunicar com pessoas - principalmente aos 11 anos - para obter recomendações literárias, então, a gente dependia muito das livrarias e das listas em revistas e jornais.

Hoje, me pergunto quantas pessoas devem ter se interessado pela leitura de A menina que roubava livros, por exemplo, por conta da adaptação para os cinemas que, por sua vez, só foi possível graças ao sucesso de vendas que é a obra de Markus Zusak. Essas pessoas abriram a porta para um mundo novo e cheio de possibilidades. Pode ser que quem começou a ler com best-sellers, continue apenas a ler esses livros - o que de forma alguma é algo negativo - , mas também pode ser que essas pessoas resolvam conhecer outros mundos e outras épocas através de leituras diferentes que hoje não figuram entre as mais populares ou figuram como clássicos.

Falando de clássicos, é preciso lembrar também que alguns autores que hoje consideramos grandes nomes da literatura escreveram best-sellers. Alguns desses livros, inclusive, foram best-sellers em seu tempo, como Grandes esperanças, O retrato de Dorian Gray, Memórias póstumas de Brás Cubas e Jane Eyre. E aí, lhe pergunto, você simplesmente descartaria a leitura de um livro escrito por Charles Dickens simplesmente porque ele figurava na lista dos mais vendidos?

Eu não descartaria, assim como não pretendo descartar nenhuma leitura que possa me interessar, sendo ela best-seller ou não. E vocês, o que fariam? O que pensam de best-sellers? Contem nos comentários que a gente que saber.

18 comentários:

  1. Ola td bem? Passando pra avisar q o layout ta com algum problema... Tem imagens q tão cobrindo o texto...

    ResponderExcluir
  2. Raimundo Ferreira11 de julho de 2014 17:26

    Ótima postagem, Michas! Assim como você eu também "fico pensando que se tanta gente está lendo um determinado livro,alguma coisa este livro deve ter...". Hoje estou lendo outros títulos, mas antes dava uma atenção maior aos best-sellers. E concordo também com essa questão do preconceito, best seller ou não, todo livro deve ser lido.


    Abraço!


    Blog: legereoculis.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Concordo com a sua opinião. Costumo ficar curiosa para ler os best-sellers para saber por que eles fizeram tanto sucesso, mas na maior parte do tempo só leio aqueles que me interessariam desde o começo, sendo bem vendidos ou não. E a mesma coisa acontece com os clássicos: quero ler para saber o porquê de serem tão importantes, mas se não é meu estilo ou algo assim deixo para depois sem problema nenhum.

    ResponderExcluir
  4. Adorei Michas, concordo com o que você disse!

    ResponderExcluir
  5. Achei bem interessante o seu ponto de vista! Também aprovei a iniciativa de falar sobre isso no blog! Enfim, concordo com você. Sou do tipo que procura do que se trata o livro antes de lê-lo, ao invés de me deixar levar pela "modinha". Alguns livros que estavam em alta, e que eu busquei informações, realmente me encantaram, como Jogos Vorazes (que você citou). E Harry Potter? Meu Deus, sempre fico em êxtase quando vejo outros blogs citando Harry Potter <3

    Adorei conhecer seu blog! Seguindo aqui, seu cantinho é uma delícia (amei o cabeçalho!).

    Beijos :*
    BLOG >> Kiss of Gloss

    ResponderExcluir
  6. Eu acho que você colocou um ponto final nessa polêmica quando escreveu: "Mas falta de qualidade não é exclusividade de best-seller e é definida de forma bastante subjetiva. Afinal, o que eu posso considerar incrível pode não ser tão maravilhoso para outra pessoa e vice-versa.". Você resumiu tudo, Michas. Escolheu as palavras mais apropriadas para debater um preconceito tão bobo. O que define se uma leitura é pobre ou não, é o gosto pessoal. Grandes vendas não é sinônimo de qualidade e nem de falta dela. Parabéns pelo texto. Beijos, Mariucha

    ResponderExcluir
  7. Concordo com você, Michas. Vejo algumas pessoas descartando a leitura só por que o livro é um best-seller com o argumento de que é "modinha". Como se isso fosse definir a qualidade da obra. Eu leio o que me interessa e me interesso tanto por clássicos, livros independentes, lançamentos e os que estão na lista dos mais vendidos. Para tudo há o seu momento. Parabéns pelo post.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  8. Nossa adorei seu texto Michelle <3 Falou tudo. Acho ridículo esse pessoal que diz que não vai ler best-seller porque é modinha e isso não faz o menor sentido. Michas adoro sua coluna <3
    http://viagem-a-terra-do-nunca.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Concordo plenamente com o seu texto. Quer dizer então que Agatha Christie, Conan Doyle, J.K. Rowling e Michael Crichton são ruins? Não dá, né?
    Claro que entre os best-sellers há muito lixo, mas entre os 'não best sellers' também. Os best sellers são apenas livros que:
    1 - agradam a uma grande parcela da população
    2 - conseguiram por algum motivo (estar no lugar certo na hora certa, companha de marketing, etc) virar 'viral' e ser difundido entre as pessoas. E claro, quanto mais ele fica famoso, mais ele fica famoso, que nem o lema de Tostines!

    ResponderExcluir
  10. Oi, Raimundo :)
    Fico feliz que tenha gostado do post. Pois é, morro de preguiça de quem fala que não vai ler algo só porque é best-seller. Também ando procurando livros diferentes mas, de forma alguma vou deixar de ler alguma coisa que me interesse só porque está entre os mais vendidos hehe!


    Abraço!

    ResponderExcluir
  11. Oi, Marília :)


    Sou parecida com você nesse aspecto! Leio o que me interessa, seja clássico ou best-seller. Se não me atrair, deixo para depois.

    ResponderExcluir
  12. Oi, Stephenie :)


    Fico feliz que tenha gostado do post! :)

    ResponderExcluir
  13. Oi, Alícia :)


    Pois é, não entendo como alguém pode descartar uma leitura simplesmente por esta estar entre os livros mais vendidos. Essa pessoa jamais conheceria Harry Potter :O
    Acho que o que importa é ler o que você gosta, sendo best-seller ou não. Se a história te interessa, leia :)


    Fico feliz que tenha gostado do texto e do blog, que não é meu, hehe. Sou apenas a colunista, a dona do Literature-se e que merece todo esse carinho é a Mell :)


    Beijos

    ResponderExcluir
  14. Oi, Mariucha :)


    Pois é, acho tão chato quando alguém fala que algo é ruim só porque é best-seller, ou que algo é maravilhoso só porque é um clássico e/ou foi escrito por alguém renomado. Ah, por favor, né? Quem decide se algo me agrada ou não, sou eu! E também não vou descartar uma leitura só porque esta está entre os livros mais vendidos, né?


    Fico feliz que tenha gostado do texto! Obrigada pelo carinho :)


    Beijos

    ResponderExcluir
  15. Concordo com você, Nadia! Para tudo há um momento e eu leio o que me interessar, seja best-seller ou não :)


    Fico feliz que tenha gostado do post! Obrigada pelo carinho :)


    Beijos

    ResponderExcluir
  16. Oi, Gabriela :)
    Pois é, também acho bem ridículo esse pessoal. Eles que saem perdendo, né?


    Fico muito feliz que tenha gostado do texto e que goste tanto da minha coluna! Sério! Muito obrigada pelo carinho :)

    ResponderExcluir
  17. Pois é, Thiago! Nem comento sobre esses autores que você citou. Essas pessoas que não leem best-sellers ou nunca leram nada dessas pessoas ou são hipócritas. E se nunca leram, provavelmente descartarão, já que são autores best-sellers...


    Bom, eles é que saem perdendo, né?


    Beijos

    ResponderExcluir
  18. Ah, pois parabéns pra ela também! Kkk
    As duas merecem, pois você também faz parte, criando conteúdo e agradando aos leitores! :)


    Beijão! :*
    Blog >> Kiss of Gloss

    ResponderExcluir

Obrigado por visitar e comentar no Literature-se.
Assim que puder, visitarei o seu blog. Caso não tenha um, deixe twitter, Facebook ou e-mail para que eu possa respondê-lo :)
Dicas, sugestões e críticas construtivas? Comentários abertos para isso e muito mais, só contando com aquela boa dose de bom-senso necessário, né? ;)

 
Literature-se © Todos os direitos reservados :: Ilustração por Prih Mizuh (@pri_mizuh) :: voltar para o topo