13.6.14

Resenha: O Circo Mecânico Tresaulti

O Circo Mecânico Tresaulti, de Genevieve Valentine

Editora: Darkside Books
Páginas: 320
ISBN-13: 9788566636161


Respeitável público, sejam bem vindos ao Circo Mêcanico Tresaulti, o lugar para quem acredita no mundo mágico que nos rodeia. Permitam-nos conduzi-los por uma viagem através da luz e das sombras onde descobriremos uma forma de ver tudo e a todos. Onde não existe limite entre o picadeiro e a plateia, onde tudo é real e o limite é a nossa vontade de sonhar. Em pleno cenário pós-apocalíptico, 'O Circo Mecânico Tresaulti' ergue sua lona e dá início ao espetáculo. Ambientado sobre a perigosa superfície de um mundo devastado, cheio de bombas e radiação remanescentes de uma guerra pela qual todos já saíram derrotados, este romance nos apresenta uma caravana circense em eterna viagem através de muitas cidades sem país, região ou rota definida. Lugares que podem não mais existir quando o circo retornar. Aqueles que se juntam ao circo procuram segurança, trabalho sem risco de vida ou apenas uma nova forma de recomeçar. Através de imagens, a autora nos conduz por um realismo mágico com um toque da beleza steampunk, uma combinação que cria a atmosfera para personagens comoventes e de força poética.

Sobre o que se trata?

Ambientado em um cenário pós-apocalíptico no futuro e com elementos de mistério, drama, fantasia e steampunkO Circo Mecânico Tresaulti, de Genevieve Valentine, nos apresenta à um mundo destruído pelas guerras no qual a humanidade tenta sobreviver nas ruínas do que um dia foi chamado de civilização. Sem esperanças de uma vida melhor, muitos se juntam ao Circo Mecânico Tresaulti quando este está de passagem. 


Sob a liderança de Boss, a caravana circense viaja eternamente através de cidades sem país e regiões devastadas por bombas, atraindo a atenção de todos. Com atrações que vão desde dançarinos, malabaristas e trapezistas à números que desafiam as lógicas da física, o circo é um sucesso por onde quer que vá, levando um pouco de alegria e paz àqueles que precisam. Porém, há algo de estranho, misterioso e sombrio no Circo Mecânico Tresaulti e seus peculiares integrantes

O grupo se divide em dois: aqueles com os ossos e aqueles sem os ossos. Os primeiros tiveram seus corpos destruídos pela guerra e, pelas mãos de Boss, foram transformados em seres meio humanos e meio mecânicos, dotados de muita força física e habilidades magníficas, além de não poderem morrer. Aqueles que não possuem os ossos são pessoas comuns, mortais e livres para deixar o circo quando quiserem e que não são o foco principal da história. 

De forma linear - mas com alguns trechos de flashback ou flash forward - o livro apresenta duas tramas principais que se desenrolam durante as viagens do circo ao longo dos anos. Uma delas está relacionada às asas de Alec, o Homem Alado (a melhor atração do Tresaulti), e o mistério acerca delas; a outra mostra o ponto de vista do Governo, bem como o seu interesse pelo circo, Boss e suas criaturas mecânicas.

Por meio de três narrativas (em primeira, segunda e terceira pessoa) que se alternam, o leitor acompanha a história de cada um dos personagens principais e passa a conhecer seus medos, angústias e desejos. Little George é o rapaz responsável por atrair o público ao circo e é por meio de sua narrativa que obtemos muitas informações importantes sobre a história do circo e seus integrantes (atuais e antigos); sob a sua perspectiva, formamos uma opinião geral de quem é quem, como se comportam, como tratam uns aos outros, etc. A narrativa em terceira pessoa nos permite compreender o dia-a-dia do Tresaulti, seu funcionamento e o passado de Boss, dos integrantes com os ossos e de Little George. Já a narrativa em segunda pessoa é a mais imersiva, por vezes colocando o leitor na pele de algum personagem ou então de espectador do circo.

Minhas impressões

O Circo Mecânico Tresaulti foi uma leitura estranha. Não achei ruim, só achei bem diferente do que costumo ler, por isso, demorei para conseguir imergir de vez na história. E isso acabou por atrapalhar um pouco a experiência, pois não consegui me apegar aos personagens, logo, não fazia muita diferença o viria a acontecer com eles. Mesmo com a construção e a apresentação de um passado para cada um, encontrei dificuldade para compreender porque se sentiam ou se comportavam de determinada maneira e mesmo quando uma razão me era apresentada, só compreendia porque o narrador dizia "fulano quer isso", "fulano sente raiva por causa disso" ou coisas do tipo. Nunca compreendia o personagem por suas ações, mas pelas explicações do narrador.

Acredito que o principal problema comigo foi não esperar o momento certo para ler e, principalmente, querer devorar cada palavra. O Circo Mecânico Tresaulti é aquele tipo de livro que deve ser lido com calma e fazendo uso de uma certa subjetividade (fez sentido?), deixando que cada palavra te faça mergulhar na narrativa e, consequentemente, naquele universo. A autora não perde tempo fazendo muitas descrições ou oferecendo explicações sobre o contexto político/social/econômico do mundo que criou e isso pode ser considerado um problema para algumas pessoas, pois tudo fica com um ar mais superficial e aleatório; mas também abre margem para o leitor imaginar o que quiser, o que não é de todo negativo.


De uma forma geral, O Circo Mecânico Tresaulti não foi a melhor leitura da minha vida, mas foi uma boa experiência, uma experiência válida. É um livro interessante e bastante criativo, mas que exige o momento ideal para ser lido. Mesmo com as dificuldades que encontrei, penso em reler a história algum dia e a recomendo à todos os que se interessaram pelo enredo.

2 comentários:

  1. Monique Químbely13 de junho de 2014 16:45

    Olá!
    Gostei da resenha bem feita ^^
    Conheço o livro, mas nunca tive muito interesse em lê-lo e agora acho que ele não é mesmo pra mim. Não gosto quando os personagens não conseguem se distinguir pelas suas ações ou quando o cenário futurista é mal explorado numa obra que deixa claro se passar num ambiente do tipo.
    Bjs
    http://sete-viidas.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Oi, Monique!


    Tudo bem?


    Então, "O Circo Mecânico Tresaulti" foi uma leitura bem estranha para mim. E, apesar de ter uma história interessante, achei tudo muito superficial e meio aleatório. Senti falta de mais explicação...
    Ainda assim, achei a ideia bem criativa.


    Fico feliz que tenha gostado da resenha!


    Beijos

    ResponderExcluir

Obrigado por visitar e comentar no Literature-se.
Assim que puder, visitarei o seu blog. Caso não tenha um, deixe twitter, Facebook ou e-mail para que eu possa respondê-lo :)
Dicas, sugestões e críticas construtivas? Comentários abertos para isso e muito mais, só contando com aquela boa dose de bom-senso necessário, né? ;)

 
Literature-se © Todos os direitos reservados :: Ilustração por Prih Mizuh (@pri_mizuh) :: voltar para o topo