27.6.14

Resenha: Cartas de amor aos mortos

Cartas de amor aos mortos, escrito por Ava Dellaira


Editora: Seguinte
Páginas: 344
Lançamento: 5 de julho/2014

Cópia antecipada cedida pela editora em parceria com o blog.

Tudo começa com uma tarefa para a escola: escrever uma carta para alguém que já morreu. Logo o caderno de Laurel está repleto de mensagens para Kurt Cobain, Janis Joplin, Amy Winehouse, Judy Garland, Elizabeth Bishop...apesar de jamais entregá-las à professora. Nessas cartas, ela analisa a história de cada uma dessas personalidades e tenta desvendas os mistérios que envolvem suas mortes. Ao mesmo tempo, conta sobre sua própria vida, como as amizades no novo colégio e seu primeiro amor: um garoto misterioso chamado Sky.
Mas Laurel não pode escapar de seu passado. Só quando ela escrever a verdade sobre o que se passou com ela e com a irmã é que poderá aceirar o que aconteceu e perdoar May e a si mesma. E só quando enxergar a irmã como realmente era - encantadora e incrível, mas imperfeita como qualquer um - é que poderá seguir em frente e descobrir seu próprio caminho.



Sobre o que se trata?

Narrado em primeira pessoa e de forma epistolar, Cartas de amor aos mortos traz a história de Laurel, uma garota de 14 anos prestes a iniciar o Ensino Médio e que tenta superar o divórcio dos pais e a morte de sua irmã mais velha, May. Após ser abandonada por sua mãe, que partiu para a Califórnia com o intuito de superar a perda da filha, Laurel passou aos cuidados de seu pai e de sua tia Amy e faz de tudo para conseguir se sentir normal e se adaptar à sua nova vida, começando pela mudança de colégio.

Sem saber ao certo como se comportar com novas pessoas, Laurel se inspira em May, que sempre foi uma menina extrovertida, simpática e que iluminava os lugares em que entrava, fazendo amigos com muita rapidez. Para Laurel, May era incrível, descolada, um espírito livre e cheio de criatividade. May era a sua melhor amiga e a sua heroína, sempre pronta para protegê-la de todo o mal. Aos poucos, Laurel começa a se ajustar ao novo colégio, a fazer amigos - a quem jamais conversa sobre sua irmã -  e a se interessar por um garoto misterioso, envolto em muitos mistérios e que sabe quem ela é: a irmã de May. 

Um dia, na aula de inglês, a professora pede a todos que escrevam uma carta a alguém que morreu e Laurel decide escrever a Kurt Cobain, vocalista do Nirvana que cometeu suicídio em 1994 e por quem May era completamente fascinada. Após concluir a tarefa, Laurel resolve não entregá-la à professora e continua escrevendo em seu caderno cartas a diversas personalidades que já morreram. A cada uma delas conta os acontecimentos de sua vida e conversa sobre as pessoas que dela fazem parte.

Minhas impressões

Deixem-me contar uma coisa para vocês: quando eu era adolescente, tive uma fase rebelde e era completamente viciada nas músicas do Nirvana e, assim como May, era fascinada pela imagem de Kurt Cobain. Logo, quando descobri que a protagonista e narradora de Cartas de amor aos mortos escrevia para ele, pensei: "Meu Deus! Preciso ler esse livro para ontem!". 

Assim que recebi o livro, comecei a leitura e, mesmo com uma ótima fluidez, confesso que durante boa parte da história fiquei "enrolando" para terminar. Não queria que acabasse, não queria me despedir de Laurel e muito menos de seus amigos. Ava Dellaira construiu adolescentes muito cativantes e realistas, além de uma história envolvente. Gostei de como só podemos "enxergar" May através dos olhos de Laurel e como essa visão vai mudando conforme a protagonista amadurece. A relação entre as duas irmãs é, provavelmente, a minha parte preferida de todo o livro.

A causa da morte de May não é apresentada logo no início, então, cabe ao leitor ficar tentando adivinhar o que teria acontecido com ela durante boa parte da leitura. Por meio de suas cartas, Laurel tenta entender o que passava pela mente de sua irmã nos últimos meses de sua vida e começa a questionar se realmente a conhecia. 

Temas típicos da adolescência - como o primeiro amor, a descoberta da sexualidade e a busca por uma identidade - são abordados no livro e, enquanto isso é parte do encanto, também é um dos fatores que mais me incomodaram durante a leitura. Sinto que Ava Dellaira exagerou na quantidade de drama em sua história, de verdade. Acredito que a história de Laurel superando a morte de May enquanto tenta conhecê-la e se conhecer e, ao mesmo tempo, se adaptar à uma nova vida já era o suficiente.  E essa foi a linha que a autora seguiu durante boa parte da história, porém, quase no final, Dellaira joga uma bomba no colo do leitor e é aí que tudo começa a perder a coerência, pois  não explora o assunto e deixa tudo "resolvido" de forma bem superficial. A sensação que ficou é que a autora queria fazer o leitor chorar. Como se a história toda já não fosse bastante triste e deprimente.

Por ser escrito na forma de cartas, o livro traz uma narrativa em primeira pessoa, o que permite uma maior identificação com a história e a protagonista, mas também pode ser enfadonho para alguns leitores, já que é um monólogo. O fato de Laurel escrever para personalidades mortas é bastante interessante por dois motivos: 1) referências musicais, cinematográficas e literárias; 2) mostra a dificuldade de Laurel em se comunicar com aqueles ao seu redor, fazendo com que prefira conversar com pessoas que a inspiram.

Porém, há algo que me incomodou nas cartas: o fato de Laurel contar à pessoa a quem escreve fatos da vida dele/dela. Não faz sentido, tendo em vista que o morto sabe o que fez, certo? E isso não acontece apenas na primeira carta a cada um deles - o que poderia ser visto como uma forma da autora de contextualizar o leitor -, mas em absolutamente todas. E isso acabou deixando a história meio difícil de acreditar em algumas partes. Ainda assim, isso não chega a ser um empecilho, apenas algo que pode incomodar alguns leitores.

Com os aspectos positivos e negativos do livro devidamente apontados, ainda considero Cartas de amor aos mortos uma leitura interessante e envolvente que deve agradar a muita gente. Por isso, recomendo a leitura, mas esteja avisado: é um livro triste e incoerente em alguns aspectos. Creio que quem gostou de As vantagens de ser invisível, Quem é você, Alasca? e, talvez, O apanhador no campo de centeio, possa gostar dessa história.

Em tempo: Cartas de amor aos mortos chega às livrarias no dia 5 de julho.

6 comentários:

  1. Oi flor,

    Você conseguiu expressar duas coisas em relação ao livro que eu não consegui: a) também senti um exagero no drama e, depois que soubemos o que aconteceu, tudo acabou meio superficialmente. E b) não faz sentido falar pros artistas o que eles fizeram na vida deles. Isso era algo que me incomodava e eu admito que pulava, até pq alguns fatos de suas vidas já eram bem conhecidos e não fazia sentido mesmo.

    Mas a história é legal, gostei do ~motivo~ de tudo acontecer. Achei interessante, sabe, abordar isso. Bem massa.

    Bjs


    Raquel
    www.pipocamusical.com.br

    ResponderExcluir
  2. Oi, td bom?

    Eu li também esse livro e gostei. Achei bastante parecido com As Vantagens de Ser Invisível, porém, não uma cópia.
    Bjs!
    Arrastando as Alpargatas

    ResponderExcluir
  3. Michelle estou completamente louca para ler esse livro. Vi diversos youtubers gringos falando sobre ele. Baixei uma amostra grátis em inglês mesmo e comecei a ler. Vou ver se já consigo comprar em pré-venda. As partes que eu li senti isso de ser bem dramático, porém gostei. Adoro livros que mostram essa coisa sobre adolescência (porque estou passando por isso). Morrendo de ansiedade.
    http://viagem-a-terra-do-nunca.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Michelle... Esse livro ta na minha wishlist desde que lançou fora do Brasil. Apesar de ver muitas resenhas positivas do livro e ainda a capa ser atrativa, não consegui ainda comprar. Tenho medo de não gostar justamente por me lemrar de As vantagens de ser invisível, um livro que não gostei!
    Forever a Bookaholic
    Curta a página do blog

    ResponderExcluir
  5. O livro parece ser muito interessante, com certeza estará na minha lista de leituras ^^

    http://estantesuja.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Eu estou um pouco em duvida quanto a leitura desse livro por conta da Laurel ,eu vi uma resenha dizendo que ela fez uma coisa ridícula para ter atenção e eu não sei o que eu faço se leio ou não .
    http://atraficantedelivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Obrigado por visitar e comentar no Literature-se.
Assim que puder, visitarei o seu blog. Caso não tenha um, deixe twitter, Facebook ou e-mail para que eu possa respondê-lo :)
Dicas, sugestões e críticas construtivas? Comentários abertos para isso e muito mais, só contando com aquela boa dose de bom-senso necessário, né? ;)

 
Literature-se © Todos os direitos reservados :: Ilustração por Prih Mizuh (@pri_mizuh) :: voltar para o topo