2.3.14

Resenha: Um estudo em vermelho

Um estudo em vermelho, escrito por Sir Arthur Conan Doyle.

Editora: Zahar
Páginas: 190
ISBN: 9788537810873

O cadáver de um homem, nenhuma razão para o crime. É a primeira investigação de Sherlock Holmes, que fareja o assassino como um “cão de caça”. Lamentava-se de que “não há mais crimes nem criminosos nos nossos dias”, quando, nesse instante, recebe uma carta a pedir a sua ajuda — o cadáver de um homem foi encontrado numa casa desabitada, mas não há qualquer indício de roubo ou da natureza da morte. Sherlock Holmes não resiste ao apelo, mas sabe que o mérito irá sempre para a Polícia.
Um Estudo em Vermelho (1887), de Arthur Conan Doyle (1859- 1930), é a estreia de Holmes. A história foi editada pela primeira vez na revista Beeton’s Christmas Annual e logo fascinou inúmeros leitores, para quem o endereço do detective — 221B Baker Street, Londres — se tornou uma das ruas mais famosas da literatura. As deduções do investigador são narradas pelo seu amigo, o Doutor John Watson, uma espécie de Sancho Pança de Holmes. 

Sobre o que se trata?

Um estudo em vermelho é o primeiro livro narrado pelo dr. Watson sobre a sua convivência com Sherlock Holmes. Narra, assim, como eles se encontraram e o porquê de terem decidido dividir um apartamento. Watson acaba de retornar a Londres de uma temporada servindo ao exército no Afeganistão quando encontra com um antigo assistente de laboratório. Para ele, reclama de sua pensão ser escassa para continuar pagando o hotel em que estava hospedado (ele retornou da guerra ferido e, portanto, estava desempregado e vivendo sob os "cuidados" do Estado) e de precisar de alguém com quem dividir as despesas de um apartamento. Coincidentemente, o assistente lembra de que naquela mesma manhã o "pseudo-químico" (porque aparentemente o homem não era formado em medicina nem em química) do laboratório do hospital havia lhe dito a mesma coisa. Decide, então, apresentá-los. E é assim que Watson conhece Sherlock: diante de uma praticidade incrível. Os dois se conhecem, Sherlock faz a surpreendente - e repentina - observação de Watson ter passado um tempo no Afeganistão, combinam de irem conhecer o apartamento e só. Tudo, é claro, pautado por um mistério envolvendo a personalidade de Holmes, já que sabemos tudo o que precisamos saber sobre Watson.


Eles fecham o negócio e passam a dividir o apartamento da famosa rua Baker Street (número 221B). Depois de ficar dias e mais dias intrigado quanto à ocupação de Holmes, já que seu colega recebia a visita de tipos sociais totalmente diversos sob a alegação de "trabalho", Watson descobre através do próprio Sherlock que há um único cargo de detetive consultor no mundo, e que Sherlock Holmes é, na verdade, um exímio detetive. Depois de apresentar a sua teoria da dedução (que ele utiliza na solução de seus casos), da qual Watson duvida de certa forma, chega uma carta para Holmes com um pedido de ajuda: dois detetives pedindo auxílio na resolução de um caso muito suspeito e difícil.

O livro é dividido em duas partes. Na primeira, é apresentado ao leitor os personagens principais, o caso e a cena do crime e, surpreendentemente, a própria resolução do mistério. Já a segunda parte destina-se à apresentação do caso num contexto geral, a partir dos primeiros motivos para o crime ocorrer, sob a perspectiva de um narrador em terceira pessoa: aqui é contada a história por detrás do crime, história essa que se passou há anos e bem longe de Londres, nos Estados Unidos.

Minhas impressões

A experiência que tive com Um estudo em vermelho foi das mais prazerosas possíveis. Como primeiro romance policial que li, não sei dizer ao certo sobre o merecimento desta obra dentro do gênero do qual faz parte, mas creio que comecei a ler policiais com o pé direito, pois não encontrei falha alguma na obra (com os meus olhos leigos, claro).

A escrita é prática e objetiva. Gostei bastante dessa característica pois na resolução de um crime creio que isso deixe tudo mais palpável e real. Seria um tanto quanto entediante o narrador dar voltas e mais voltas sobre a história, mesmo que fosse um artifício para o mistério. Porém, Doyle conseguiu aplicar uma leitura ágil, mas ao mesmo tempo repleta de mistérios.


O caso solucionado pelo Sherlock Holmes é outro ponto positivo. Surpreendente e amparado por muitas pontas soltas (que, óbvio, nosso protagonista une com maestria), oferece ao leitor momentos de diversão. Achei bem bacana tentar entender o que aconteceu e, depois, descobrir que estava errada em todos os palpites, isso inclusive atestando a genialidade do detetive-consultor.

Participação especial do Cookie: ele também gostou de tentar desvendar os mistérios ;)

a construção de Sherlock Holmes é impecável. Ele é permeado em todo o livro por genialidade bruta e uma personalidade além de peculiar. Até pensei certa vez "como eu queria ter tido a ideia antes do Conan Doyle, viu?" ;) Já o Watson foi feito para contrastar explicitamente com o detetive: uma pessoa extremamente normal, até desinteressante ao lado de Sherlock, que possivelmente caracteriza o ser humano comum (leia-se "não como Sherlock Holmes"). Tudo na história e na apresentação dos personagens participa da construção da obra como um todo: os fatos estão ali para serem usados, por uma razão; a personalidade dos personagens diz muito sobre o contexto e reforça a característica de cada um.

Sobre o autor

Sir Arthur Ignatius Conan Doyle nasceu em Edimburgo, no dia 22 de maio de 1859 e morreu em Crowborough, em 7 de julho de 1930. Ele foi um escritor e médico britânico, mundialmente conhecido por suas 60 histórias sobre o detetive Sherlock Holmes. O seu registro de batismo na Catedral de Santa Maria em Edimburgo afirma que "Arthur Ignatius Conan" é seu nome cristão, e apenas "Doyle" é seu sobrenome. Na literatura, foi muito influenciado por Edgar Allan Poe e Walter Scott.
Entre 1876 e 1881, ele estudou medicina na Universidade de Edimburgo e começou a escrever pequenas histórias. A sua primeira obra notável foi Um Estudo em Vermelho, publicada no Beeton’s Christmas Annual de 1887, e que foi a primeira vez em que Sherlock Holmes apareceu. Holmes era parcialmente baseado em seu professor de sua época na universidade, Joseph Bell, a quem Conan Doyle escreveu: "É mais do que certo que é a você a quem eu devo Sherlock Holmes… Com base no centro de dedução, na interferência e na observação que ouvi você inculcar, tentei construir um homem". As futuras histórias a apresentar Sherlock Holmes foram publicadas na inglesa Strand Magazine. O que é interessante é que, mesmo na distante Samoa, Robert Louis Stevenson foi capaz de reconhecer a forte similaridade entre Joseph Bell e Sherlock Holmes. "Meus parabéns às geniais e interessantes aventuras de Sherlock Holmes… Seria este meu velho amigo Joe Bell?". Outros autores ocasionalmente sugerem influências adicionais, como o famoso personagem de Edgar Allan Poe, C. Auguste Dupin.
Conan Doyle se mudou para Londres em 1891 como oftalmologista. Conforme diz a sua autobiografia, nenhum paciente sequer passou pela porta de seu consultório, o que lhe deu mais tempo para escrever. Em novembro de 1891, ele escreveu para sua mãe: "Acho que vou assassinar Holmes… e lhe dar fim de uma vez por todas. Ele priva minha mente de coisas melhores". Sua mãe respondeu dizendo "Faça o que achar melhor, mas o público não aceitará essa atitude em silêncio". Em dezembro de 1893, ele fez o que pretendia para dedicar mais tempo a obras que ele considerava mais "importantes" – os seus livros históricos.  Mas a manifestação de desagrado do público fez com que o escritor trouxesse o personagem de volta.

Holmes apareceu em um total de 56 pequenas histórias e quatro livros, escritos por Conan Doyle (ele apareceu em vários livros e histórias por outros autores). [Fonte]

24 comentários:

  1. Apaixonada pela capa e pela diagramação! Muito lindas!

    Pelo que você falou o livro parece ser muito interessante.

    Beijão

    Sun Rises Here

    ResponderExcluir
  2. Sherlock <3 <3
    Cresci lendo suas histórias. Conan Doyle é genial!
    Adoro toda a obra, todos os contos do Holmes. O bom é que como são muitos, dá pra reler várias vezes ao longo da vida. Muitas vezes eu esqueço a solução de um ou outro crime, aí nunca perde a graça haha
    Adoro Um Estudo Em Vermelho, principalmente por ser o primeiro de todos. E também um dos únicos romances que ele escreveu. O Conan era mais de contos e só deixou quatro romances do Holmes.
    Sempre erro em quase todas as soluções kkk Isso quando eu tenho algum palpite. Geralmente fico só voando na solução mesmo hehe
    Ele e o Poirot, da Christie, são meus queridinhos de todos os tempos. Se você gostou de Sherlock é praticamente certo que também irá adorar os livros maravilhosos da Agatha.
    Beijos, Mell!

    ResponderExcluir
  3. Eu já li a história e achei simplesmente incrível! Agora quero comprar essa edição porque acho ela muito bonita, um ótimo trabalho da Zahar

    danilobesteti.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Oi, Mell! Td certo?

    Eu já li alguns livros do Sherlock, mas este ainda não. Fiquei mega curiosa (até acho que tenho ele em algum lugar, vou procurar), super a fim de ler!

    Não comecei pelo início, mas vou continuar por ele haha

    Beijos

    http://arrastandoasalpargatas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Adorei a resenha, amo romances policiais.
    Você deveria ler Agatha Christie ela é incrível! Os livros dela são daqueles que te prendem na leitura e são cheios de suspense e ação, e o melhor são os finais, que são surpreendentes!
    Nunca li nenhum livro sobre o Sherlock Holmes até hoje, mas adoro os filmes!
    Mais uma edição linda da Zahar <3.



    Beijão :*

    ResponderExcluir
  6. Aiiii... Sir Arthur Conan Doyle :)

    Jura que é o primeiro livro policial que você lê? Preciso te dar umas dicas, já que é meu gênero favorito!!!

    E que edição linda, não?? Quero na minha estante!!

    Beijos

    Meu Meio Devaneio

    ResponderExcluir
  7. Juro, So, e adorei :) Me dê dicas de livros bons do gênero, irei adorar ;)
    Lindíssima, amo tê-la na estante, vale a pena :)

    ResponderExcluir
  8. Agatha Christie está nas minhas metas de 2014 :))
    Leia, sim, eu adorei esse primeiro livro. Tudo bem que não sou nenhuma especialista, mas creio que seja uma história muito boa do gênero.

    ResponderExcluir
  9. Oi, Rafa, tudo certo e contigo? :)
    Procure, sim, é uma obra muito boa! Ainda mais por ser o início do relacionamento dos dois..
    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Sim, é uma ótima edição para colecionadores e para fãs de Sherlock :) O início de tudo o/

    ResponderExcluir
  11. Só por esse livro já percebi isso, Duda. Preciso ler outros dele...
    Imagino que não perca mesmo, deve ser bacana poder ler por anos a fio, se apegar aos personagens... :)
    Obrigada pela dica, agora não vejo a hora de ler algo sobre o Poirot ;)
    Beijos <3

    ResponderExcluir
  12. E foi um ótimo início, só estou esperando o dinheiro aparecer para comprar haha

    ResponderExcluir
  13. Olá, Mel!


    Sherlock é um livro que eu sempre quis ler. Antigamente eu costumava ler alguns livros da Agatha Christie, que também são policiais, mas sempre tinha alguém que dizia "você devia ler Sherlock, é bem melhor". Interessante você pegar esse livro, que é justamente o que inspira a primeira temporada (ou o primeiro episódio) da série Sherlock, da BBC. Acho que você gostaria de ver a série, é bem interessante (:


    O Sherlock é realmente um personagem à parte e talvez por isso qualquer pessoa que fique perto dele se torne uma pessoa normal. Por mais que seja John Watson, um veterano de guerra, médico e tudo mais (sou defensora do Watson, kkkk)


    Beijos!

    ResponderExcluir
  14. Oi Mell!

    Ainda não tiver a oportunidade de ler alguma história do Conan Doyle, mas conheço Sherlock pelos filmes e seriado. Inclusive, acompanho um seriado sensacional da BBC que só aumenta a minha vontade de ler os livros!

    Beijos,
    http://www.epilogosefinais.com/

    ResponderExcluir
  15. Eu sou apaixonado por Sherlock Holmes. É um personagem que eu leio desde criança.
    Um Estudo em Vermelho é realmente nota 10, e todo mundo que aprecia mistério, investigação, crime, deveria ler, assim como as outras aventuras dele. Outros que eu gosto muito são O Cão dos Baskerville e O Vale do Terror. São ótimos também.


    Incrível como agora falando nesses livros, eu lembro de eu pequeno comprando junto com meus pais numa livraria aqui da cidade. Era uma ansiedade tremenda para chegar em casa e devorar eles (não literalmente, claro).


    Da Zahar eu tenho As Aventuras de Sherlock Holmes. Espero logo ler mais um pouco e terminar.


    Abraços :)

    ResponderExcluir
  16. Oi Mel, admiro muito como você vem crescendo com o blog. Riqueza nos detalhes, palavras maduras. Parabéns!!!


    Gostaria de vê a Tag: Meus Hábitos de Leituras.
    Sucesso!!

    ResponderExcluir
  17. Mell, nunca li nada de Sherlock, mas tenho curiosidade! Fico feliz de saber que você gostou tanto... A Edição da Zahar como sempre está incrível!


    Bjs, Isabela.

    ResponderExcluir
  18. Oi Mell, tudo bem?

    Conheci seu blog e canal através de uma resenha que você fez sobre Peter Pan, e me encantei.
    Você se expressa muito bem, e escreve lindamente!
    As histórias de Sherlock Holmes já estava na minha lista de livros a ler faz tempo, mas depois dessa sua resenha, com certeza vieram para o topo!

    Convido vc a fazer uma visita ao meu blog também, espero que goste :)

    Beijo grande!

    http://dacarneiro.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  19. Sempre quis muito ler qualquer livro de Sherlock e depois dessa sua resenha ainda mais! Eu já vi os filmes e adorei! Então acho que será uma ótima leitura e depois eu posto uma resenha sobre ela no meu blog.
    Você poderia dar uma olhadinha nele? Seria bem importante :)


    www.biblioteque-se.blogspot.com


    Beijos, bia

    ResponderExcluir
  20. Aaahh, esse eu já li. Foi meu primeiro do Doyle, quero ler todos. Mas minha iniciação na literatura policial foi com uns livros do Pedro Bandeira(serie Os Karas) e posteriormente com a grande Agatha Christie.

    ResponderExcluir
  21. Oi! a série é da BBC mesmo e teve a sua terceira temporada faz pouco tempo, e está tudo no Netflix
    A série é muito boa e tem um roteiro genial, Sir Athur aprovaria certeza !

    ResponderExcluir
  22. obrigado pelo resumo, agora posso fazer a prova de lingua portuguesa dia 21/05/2014

    ResponderExcluir
  23. Oi Mell! gostei muito do resumo! muito obrigada, amanha vou ter uma prova sobre esse livro e não consegui terminar de lê-lo. ;)

    ResponderExcluir
  24. adorei.... continue vc e uma blogueira e tanto... parabens

    ResponderExcluir

Obrigado por visitar e comentar no Literature-se.
Assim que puder, visitarei o seu blog. Caso não tenha um, deixe twitter, Facebook ou e-mail para que eu possa respondê-lo :)
Dicas, sugestões e críticas construtivas? Comentários abertos para isso e muito mais, só contando com aquela boa dose de bom-senso necessário, né? ;)

 
Literature-se © Todos os direitos reservados :: Ilustração por Prih Mizuh (@pri_mizuh) :: voltar para o topo