26.3.14

Quote da semana #15 - Orlando


Este é um livro da escritora Virginia Woolf que narra de forma fictícia a biografia de Orlando, alguém que vive mais de 200 anos e ultrapassa barreiras, inclusive a do sexo (nascido homem, um dia ele acorda no corpo de uma mulher). Com a peculiar escrita de Virginia, o livro está me conquistando a cada parágrafo. É a minha atual leitura e devo dizer que não me contive: já postei frases do livro pelo Twitter e não pude deixar de trazer para essa coluna as passagens que mais gostei até o momento. É claro que há muitas outras (e essas abaixo possuem partes a mais que deixei de lado, mas que são igualmente excelentes), porém selecionei algumas para compartilhar aqui com vocês.

O gosto pelos livros vinha de cedo. Quando criança, era às vezes encontrado à meia-noite com uma página por terminar.

Mas o pior estava por vir. Uma vez que a doença da leitura se apodera do organismo, ela o enfraquece de tal modo que o torna presa fácil para o outro flagelo que reside no tinteiro e grassa na pluma. O infeliz passa a escrever.

Nunca nenhum menino implorou mais por maçãs do que Orlando por papel, nem implorou mais por doces do que ele por tinta.

Agora, mais uma vez, ficou parado, e pela brecha assim aberta entraram de um salto a ambição, aquela megera, a poesia, uma bruxa, e o desejo de fama, a marafona; todas se deram as mãos e fizeram do coração de Orlando sua pista de dança. De pé, sozinho do quarto, jurou que seria o poeta-mor de sua raça e traria glória imortal a seu nome. Disse (recitando os nomes e os feitos de seus antepassados) que Sir Boris derrotara os pagãos e os matara; Sir Gawain, os turcos; Sir Miles, os poloneses; Sir Andrew, os francos; Sir Richard, os austríacos; Sir Jordan, os franceses; Sir Herbert, os espanhóis. Entretanto, o que restara de todas essas matanças e campanhas militares, dos excessos de bebida e de sexo, dos gastos, caçadas, cavalgadas e banquetes? Um crânio, um dedo. Enquanto, disse ele, voltando à página de Sir Thomas Browne aberta sobre a mesa... e mais uma vez parou. Como um encantamento vindo de todas as partes do quarto, do vento noturno e do luar, subiu a divina melodia daquelas palavras que, para não empanarem esta página, deixaremos onde jazem sepultadas, não mortas, mais exatamente embalsamadas, tão viva é sua cor, tão forte sua respiração - e Orlando, comparando tal façanha com a de seus antepassados, declarou que eles e seus feitos eram pó e cinzas, mas aquele homem e suas palavras eram imortais.

Cedo, no entanto, se deu conta de que as batalhas que Sir Miles e os demais haviam travado contra cavaleiros de armadura para se apoderar de um reino não foram nem de longe tão árduas quanto a que agora empreendia contra a língua inglesa para conquistar imortalidade.

Orlando é um personagem totalmente peculiar, assim como a própria narrativa. Porém, com a paixão dele pela leitura e pela escrita, o livro aborda temas que sempre estiveram na minha mente enquanto leitora, sobretudo a de que um autor se imortaliza através daquilo que escreve. E achei essa colocação da autora incrível! Quem também é apaixonado pela literatura (e por escrever, por que não?) ficará intrigado pela trajetória de Orlando assim como estou no momento...

6 comentários:

  1. Wow, que quotes incríveis! Não conheço o livro, só lembro de já ter sido citado em algum lugar haha vou aguardar pela resenha! ;)

    ResponderExcluir
  2. Interessante como as frases mais marcantes são diferentes de uma pessoa para a outra! Eu acho isso tão mágico e especial! Uma que gosto muito e que tem relação com a literatura é: "Orlando ficou imensamente decepcionada. Todos aqueles anos pensara na literatura (o que a reclusão, a categoria social, o sexo tornam desculpável) como alguma coisa selvagem como o vento, ardente como o fogo, rápida como o raio; uma coisa errante, incalculável, insólita, e eis que a literatura era um senhor de idade, vestido de cinzento e falando de duquesas."


    Beijos!!!
    (ansiosa por ler/ver sua resenha sobre Orlando!)

    ResponderExcluir
  3. Oi, Mell!

    Faz tempo que quero ler algo da Virginia. Eu até a citei naquela tag 12 livros para 2013, mas acabou que não consegui ler nada dela no ano passado. :( Que bom que está curtindo a leitura. Espero conseguir ler algo dela esse ano. Gostei dos quotes que selecionou pra mostrar pra gente nesse post. A identificação que um leitor (ou escritor) vão sentir com essas frases é quase imediata.



    Beijos e boas leituras!
    Amanda,
    Lendo & Comentando

    ResponderExcluir
  4. Estou adorando o livro, Rafa! Quero terminar logo para comentar o que achei com você :)

    ResponderExcluir
  5. Siim, Fran! Zafón disse uma vez: "Cada livro, cada volume que você vê, tem alma. A alma de quem o escreveu, e a alma dos que o leram, que viveram e sonharam com ele. Cada vez que um livro troca de mãos, cada vez que alguém passa os olhos pelas suas páginas, seu espírito cresce e a pessoa se fortalece." Acho que isso traduz bem o que você disse. Para cada leitor, a leitura será diferente, as lições/experiências serão diferentes...
    Adorei essa quote, também! Meu livro está totalmente marcado rs 19 marcações e faltam 100 páginas ainda ;)
    Beijão!

    ResponderExcluir
  6. Ler Virginia é algo único, descobri isso agora com o segundo livro dela que leio. Quem gosta do estilo de escrita irá se apaixonar facilmente. Acho que deve se esforçar mais para ler, sim, é realmente gratificante!
    Espero que goste se um dia chegar a ler ;)
    Beijão!

    ResponderExcluir

Obrigado por visitar e comentar no Literature-se.
Assim que puder, visitarei o seu blog. Caso não tenha um, deixe twitter, Facebook ou e-mail para que eu possa respondê-lo :)
Dicas, sugestões e críticas construtivas? Comentários abertos para isso e muito mais, só contando com aquela boa dose de bom-senso necessário, né? ;)

 
Literature-se © Todos os direitos reservados :: Ilustração por Prih Mizuh (@pri_mizuh) :: voltar para o topo