17.2.14

Resenha: A Última Carta de Amor

A Última Carta de Amor, por Jojo Moyes

Editora: Intrínseca
Páginas: 381
ISBN: 9788580571738 
Londres, 1960. Ao acordar em um hospital após um acidente de carro, Jennifer Stirling não consegue se lembrar de nada. Novamente em casa, com o marido, ela tenta sem sucesso recuperar a memória de sua antiga vida. Por mais que todos à sua volta pareçam atenciosos e amáveis, Jennifer sente que alguma coisa está faltando. É então que ela descobre uma série de cartas de amor escondidas, endereçadas a ela e assinadas apenas por “B”, e percebe que não só estava vivendo um romance fora do casamento como também parecia disposta a arriscar tudo para ficar com seu amante.
Quatro décadas depois, a jornalista Ellie Haworth encontra uma dessas cartas endereçadas a Jennifer durante uma pesquisa nos arquivos do jornal em que trabalha. Obcecada pela ideia de reunir os protagonistas desse amor proibido — em parte por estar ela mesma envolvida com um homem casado —, Ellie começa a procurar por “B”, e nem desconfia que, ao fazer isso, talvez encontre uma solução para os problemas de seu próprio relacionamento.
Com personagens realísticos complexos e uma trama bem-elaborada, A última carta de amor entrelaça as histórias de paixão, adultério e perda de Ellie e Jennifer. Um livro comovente e irremediavelmente romântico.

O livro traz duas histórias que se desenrolam ao longo de quase quarenta anos. Ellie é uma jornalista de vinte e poucos anos que enfrenta uma situação complicada: está em um relacionamento com um homem casado. Apesar de todos os seus amigos lhe dizerem que tudo não passa de um passatempo, Ellie acredita que seu amante irá abandonar a sua esposa para ficar com ela. A relação consome e ocupa tanto espaço em sua vida que a jovem passa a negligenciar seu lado profissional, não comparecendo à reuniões de pauta e deixando de sugerir matérias. Ao se dar conta disso, Ellie decide impressionar a sua chefe e se provar capaz de ocupar o seu espaço no jornal.

Para desenvolver uma reportagem sobre as diferenças entre os anos 1950 e a atualidade, Ellie vai até o arquivo do jornal em que trabalha à procura de reportagens que evidenciassem o comportamento da sociedade no passado e acaba encontrando uma carta. Na verdade, uma carta escrita por um homem à sua amada, pedindo-lhe que, se ainda o amasse, que o fosse encontrar no local e na hora indicados por escrito. Curiosa a respeito do paradeiro daquelas pessoas e sobre o destino que tiveram, Ellie resolve investigar o assunto e transformá-lo em uma reportagem. Com a ajuda de Rory, um rapaz que trabalha no arquivo, a jornalista começa a juntar as peças de uma conturbada história de amor.

Paralelamente, o leitor acompanha também a história de Jennifer, uma mulher que, após sofrer um acidente de carro, acorda em um hospital sem nenhuma memória recente a respeito de sua vida. Aos poucos e com a ajuda de familiares e amigos, Jennifer começa a descobrir quem é: casada com um homem muito rico, é bastante influente na alta sociedade da qual faz parte e é conhecida por sua beleza e por suas festas. Desconfiada das pessoas ao seu redor, suas lembranças começam a ficar ainda mais confusas quando encontra uma carta de amor escondida em seu armário; uma carta que não fora escrita por seu marido.



O livro é dividido em três partes, que são narradas de diferentes pontos de vista (ao todo são quatro) e de forma não-linear; estes dois aspectos contribuem bastante para aguçar a curiosidade do leitor e, ao mesmo tempo, mantê-lo preso à leitura.

Serei sincera, até o fim da primeira parte não me senti muito atraída pelo enredo. Atribuo este fato à narrativa de Jojo Moyes que é muito cinematográfica (cheia de expressões que indicam que as ocorrem no presente; exemplos: "ela chega", "ela entra e abre o envelope") e que, às vezes, parece estar implorando para que a história seja adaptada para a telona.

Outro problema que encontrei em algumas partes da narrativa foi o excesso de descrição desnecessária, como, por exemplo, um parágrafo para explicar o ato de colocar chá em uma xícara. Isso não acontece com frequência, mas durante as poucas partes em que ocorreu, fiquei bastante incomodada. Passada esta primeira impressão, as coisas começaram a melhorar e, de repente, não conseguia abandonar a leitura. O que mais me chamou atenção foi o elenco de personagens bem desenvolvidos e bastante críveis. Adorei cada um deles, até aqueles que poderiam ser chamados de "os vilões da história".

De uma forma geral, é uma história muito bonita e bastante envolvente, do tipo que faz o leitor torcer pela felicidade de alguns personagens e ficar feliz com as desventuras nas vidas de outros. É uma leitura que recomendo principalmente àqueles que gostam de uma boa história de amor cheia de suspiros.





13 comentários:

  1. Catharina Mattavelli17 de fevereiro de 2014 09:51

    Oi, já li esse livro e adoro a autora, apesar de que esse livro não foi taaaaao bom quanto eu esperava.
    Ótima resenha ;)

    Beijos.
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Adorei a resenha Michas, O início da sinopse me lembrou um pouco do livro para sempre, mas só o início mesmo porque o resto da história parece ser bem diferente. O livro parece ser bem fofinho mesmo, ótimo para passar o tempo lendo algo mais leve :)

    Beijão :*

    http://justonemomentt.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Eu gostei da resenha, apesar de não ser nota 10, acho que é bem o tipo de livro que eu vou gostar.
    beijos

    ResponderExcluir
  4. Muito legal essa resenha =D Eu comprei esse livro e dei de presente de aniversário para a minha amiga. Espero que ela goste da leitura assim como você gostou. Se a opinião dela também for positiva, é capaz de eu também ler. Uma pena que não gosto muito desse tipo de livro, mas parece ser interessante.

    http://refugiorustico.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Maria, também não gosto muito desse tipo de livro, viu? Leio um na vida e outro na morte e olhe lá, haha! Mas este aí é realmente bem envolvente e gostei bastante da minha experiência de leitura :)
    Espero que a sua amiga goste do livro e que, se você decidir ler, também acabe gostando :)

    ResponderExcluir
  6. Oi, Soraya!
    Então, apesar dos pesares e dos aspectos negativos que apontei no texto, a experiência de leitura desse livro foi realmente muito gostosa. Acho que o segredo para gostar é não criar muitas expectativas e se deixar levar pela narrativa :)
    Espero que goste se resolver ler :)
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Oi, Mayara! Fico muito feliz que tenha gostado da resenha :)
    Assisti apenas ao filme de Para Sempre e, pensando no que você disse, há sim algumas semelhanças na questão de perda de memória, hehe. Mas são histórias bem diferentes mesmo! É uma boa leitura para passar o tempo, bem leve e agradável :)
    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Oi, Catharina
    Que pena que não gostou tanto assim do livro. Mas acho que te entendo...não é uma leitura com muita coisa "oh, que maravilha", né? É apenas algo agradável, gostoso de ler quando se procura por algo mais leve e romântico :)
    Fico feliz que tenha gostado da resenha!
    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Eu gosto de histórias pra suspirar, mas são em momentos específicos da vida. Agora to numa fase ficção científica, se eu pegar Jojo Moyes, provavelmente vou ficar enjoada, aehuaehauhe. De qualquer forma, sempre quis ler esse livro. :DDD

    Bjs!

    ResponderExcluir
  10. Raquel, sou como você! Adoro uma bela e melosa história de amor, mas tem que ser no momento certo. Deixe para ler este livro quando estiver procurando algo do tipo. É uma graça :)
    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Oi!
    Eu ando tão lenta nas leituras, essa história me atraiu, acho que vou dar uma chance para um romance e quem sabe voltar ao ritmo normal. Bjs :)
    http://arrastandoasalpargatas.blogspot.com

    ResponderExcluir
  12. Obrigada pela resenha e comentários, cara Michas Borges.Sou a Eliana Moreno e gostaria de pedir um favor: precisaria de uma dessas cartas para um trabalho pedagógico que pretendo fazer com professores (uma discussão sobre gêneros textuais e tipos textuais). Uma carta de amor seria perfeita. Ocorre que não terei tempo de comprar o livro até o dia previsto para o trabalho que estou planejando. Se você, ou o leitor desse blog, que tiver o livro, puder escanear uma das cartas e enviar para eliana.sbc@hotmail.com ficaria eternamente grata. Estará contribuindo para a qualidade do trabalho que pretendo desenvolver com professores. Muitíssimo obrigada!

    ResponderExcluir
  13. Rafa! Não tinha visto esse comentário :O


    Esse livro é bem gostoso de ler, a história evolve e é apaixonante :)
    Se resolver ler, depois me conte o que achou :)


    Beijos

    ResponderExcluir

Obrigado por visitar e comentar no Literature-se.
Assim que puder, visitarei o seu blog. Caso não tenha um, deixe twitter, Facebook ou e-mail para que eu possa respondê-lo :)
Dicas, sugestões e críticas construtivas? Comentários abertos para isso e muito mais, só contando com aquela boa dose de bom-senso necessário, né? ;)

 
Literature-se © Todos os direitos reservados :: Ilustração por Prih Mizuh (@pri_mizuh) :: voltar para o topo