22.1.14

Resenha: O Lobo do Mar

O Lobo do Mar, escrito por Jack London.
Editora: Zahar
Páginas: 367
ISBN: 9788537811221

Resgatado pela escuna Ghost, o náufrago Humphrey van Weyden logo descobre que seu pesadelo estava apenas começando: o capitão por quem foi salvo, Wolf Larsen, em vez de deixá-lo no porto mais próximo o obriga a integrar a tripulação de seu navio, onde impõe uma estranha forma de ordem, na qual a violência ganha ares de filosofia e conhecimento do mundo. No peculiar embate entre os dois homens - entre a concepção de mundo primitiva do capitão e a civilidade e o moralismo de seu refém -, Jack London ultrapassa o romance de aventura, fazendo de O lobo do mar uma reflexão sobre o bem e o mal, sobre os determinismos darwinianos da vida e a condição humana.

Sobre o que se trata?

Humphrey van Weyden é um nobre crítico literário que vive da renda de sua família e, num dia rotineiro, o barco no qual estava acaba naufragando, deixando-o à deriva por horas a fio até ser resgatado pela escuna de caça às focas Ghost. Ali ele conhece o capitão Wolf Larsen que, após perguntar qual era a sua profissão, impede-o de voltar ao continente, obrigando-o a permanecer em sua embarcação para a temporada de caça.

Com o passar do tempo, van Weyden descobre que Wolf Larsen não é uma pessoa qualquer: permeado por atos de selvageria, o capitão do Ghost é um materialista egoísta. Ele pensa que a sociedade é um punhado de fermento e que cada indivíduo tem que lutar e englobar o próximo para sobreviver e crescer. Ou seja: individualista no sentido mais extremo da palavra. 

E é na presença desta pessoa atípica, e na de uma tripulação grosseira e nada amigável, que o nobre terá que aprender a trabalhar duramente. À bordo do Ghost e durante as caçadas, van Weyden também conhece uma outra realidade (esta grotesca e cruel) que sempre lhe fora poupada, já que ele vivia basicamente no mundo fácil e acessível da nobreza.

Durante a temporada, Wolf Larsen acaba resgatando outros náufragos e, desta vez, uma mulher surge no dia-a-dia do Ghost: Maud, escritora e também integrante da nobreza. Sua presença em meio a marujos selvagens traçará várias reviravoltas e fará surgir um romance antes inimaginável

Minhas impressões

O Lobo do Mar foi uma grande surpresa para mim. Eu já esperava uma história repleta de aventuras à bordo de um navio, mas eu não esperava que seria uma aventura aliada a muitas passagens filosóficas. A experiência que tive com este livro foi além da imaginada de antemão: depreendi muitas lições de vida que me fizeram refletir por um bom tempo.

Com uma escrita cativante e tranquila, Jack London nos transporta para a vida de um marinheiro de primeira viagem tão vivamente, que é difícil não imaginar como seria estar à bordo de uma escuna no meio do Pacífico e rodeado por focas. 


A narrativa acrescenta e encanta, sendo os personagens o que o livro tem de melhor: o autor cria um elenco tão único e completo, que é difícil não gostar deles, até mesmo do vilão. Wolf Larsen é o melhor personagem com o qual tive contato na literatura. Muito bem construído, sua personalidade, seus pensamentos e seu físico são expostos de uma forma crua ao leitor. Seu físico, através de situações e atitudes cruéis. Já seus pensamentos e a sua personalidade (além de confirmarem a brutalidade de sua aparência), por meio de diálogos que Wolf Larsen trava com van Weyden. 



Os diálogos possuem citações de obras e autores que contribuem para o sucesso da história, pois nela contextualizados, servem como base argumentativa para as filosofias do capitão e do Humphrey. Inclusive, várias passagens me deixaram com muita vontade de ler alguns autores, como Shakespeare.

A edição que li é a comentada da Editora Zahar. Ela possui, além de capa dura com uma arte lindíssima, um prefácio, notas de rodapé (que, aliás, ajudam o leitor a entender as citações), glossário de termos náuticos e cronologia do autor.
Prefácio.
Notas de rodapé.
Glossário de termos náuticos
Cronologia do Jack London

O único ponto possivelmente negativo foram os termos náuticos que podem ser um empecilho à leitura no início. Depois de acostumada à escrita, e com a ajuda do glossário, eu rapidamente venci esse obstáculo, que tornou-se parte do ensinamento, da "ambientalização" da história.

E o final do livro é muito bom! As personagens têm seus destinos justificados e percebemos o quanto Humphrey mudou, sobretudo depois que conhece Maud.

Abaixo está o vídeo-resenha que fiz para o canal do blog no Youtube:

23 comentários:

  1. ESSE LIVRO É MUITO AMOR ♥
    MUITO MUITO MUITO!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahaha Amo a sua empolgação com esse livro, Ra! Ele também foi um desses que mudam a vida (ou a visão de vida...)

      Excluir
  2. Deu uma vontade imensa de ler, sem falar que a Zahar está sendo um empecilho para a minha promessa de não comprar livros este ano ein.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então leeeia! Sério, é desses livros que deixam a gente pensando por um bom tempo. E acrescenta muito ao leitor :) Acho que iria gostar. Mas, é, ficar lendo resenhas e críticas só faz aumentar a minha lista hahaha

      Excluir
  3. Deve ser ótimo mesmo. Pena que essa edição custa R$ 45,00 na Saraiva. Se fosse pra mim, compraria a da Martin Claret, mas pra presente é furada. Contudo, ótima resenha e ótimas fotos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha, Fellipe, eu não acho um preço absurdo por um livro tão bem diagramado. É desses livros que tanto o visual quanto o conteúdo são sensacionais. Se fosse uma edição capa normal e tudo o mais, até vai lá (essa sou eu que quero comprar a biografia de Salinger - a que a Intrínseca está lançando esse mês -, que é de capa normal e custa 50,00)
      A da Martin cumpre o papel, mas é... São edições diferentes.

      Excluir
  4. Pela sua empolgação, o livro deve ser ótimo mesmo! hahaha Fiquei muito curiosa, achei a sinopse e o tema bem original e adoro livros mais reflexivos. Achei a capa magnífica, ótimo trabalho da editora!

    Beijos
    aquelaborralheira.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Gente, sempre gostei de livros com muitíssimas aventuras, a sua resenha maravilhosa me deu vontade de ler ele! D: Beijos darling!

    cartas-e-poesias.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Engraçado, eu estava vendo ontem um site de filmes e vendo uma lista de adaptações literárias. Até comentei com meu namorado sobre O Lobo do Mar, pois tinha várias adaptações. Hoje eu entro no seu blog e é o tal livro que encontro ^^ Pareceu muito interessante e bem diferente do que eu imaginava que seria, não imaginei que era algo puxado para a filosofia e reflexões.

    http://refugiorustico.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Adoro esse livro. um clássico must read sem duvidas

    ResponderExcluir
  8. Mell, esse livro deve ser uma graça, fiquei morrendo de vontade de ler! No começo de fevereiro vou fazer umas compras literárias e pretendo sim comprá-lo! Estou super ansiosa! *-*

    Beijão,
    Caroline, do criticandoporai.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. Oi!! Nossa, não conhecia esse livro, mas pelo jeito vou ter que ler, ainda mais com a nota máxima! Hahaha
    Te indiquei lá nos melhores da semana!
    Beijos

    Meu Meio Devaneio

    ResponderExcluir
  10. Nossa Mel, que resenha booa! Fiquei com mais vontade ainda em ler esse livro! Adorei seu vídeo e as fotos que você tirou também!
    Parabéns e sucesso sempre!
    Beijos,
    Renata

    ResponderExcluir
  11. Oie :D

    Adorei a edição desse livro, muito bem feita e trabalhada. Quero um dia te-lo em minhas mãos para me deliciar nessa aventura em auto mar assim como você.

    Beijus

    Renata Sara

    amordelivros.blogspot.com

    ResponderExcluir
  12. Que edição linda! To morrendo de vontade d ler

    ResponderExcluir
  13. Adorei a resenha!!
    Me deixou muitíssimo curiosa pra fazer a leitura e conhecer a escrita do Jack London , até agora só li comentários mega mega positivos , com certeza não vou me decepcionar , eu devo é me surpreender muito.

    Beijão!

    ResponderExcluir
  14. Muito legal, Mel!

    O livro já me chama pela capa. Assim como cartazes de filmes, as capas de livro têm ficado cada vez menos criativas. Isso acaba sendo um atrativo a menos, já que o que chama a atenção de primeira é a capa. Enfim, adorei as cores, a fonte, a ilustração e, após ler a sua resenha, me interessei pela história. Vou colocar na minha lista de livros pra ler e, quem sabe, depois de uma boa leitura eu me inspiro pra fazer uma resenha também (:

    Beijos,

    Mari
    caixadamari.com

    ResponderExcluir
  15. Não conhecia esse livro, mas amei a resenha
    Parece ser um livro realmente muito bom
    Ainda mais por tirar do comodismo
    Já estou seguindo ;)

    Beijos
    @pocketlibro
    http://pocketlibro.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, sim, é realmente muito bom, Angela :)
      Obrigada!
      Beijos

      Excluir
  16. Ok, fiquei mais interessada no livro, principalmente pela sua descrição do Wolf, ainda mais por vc ter dito que não era muito difícil de ler :)
    No projeto 1001 livros para ler antes de morrer que eu comecei tem um livro do mesmo autor "Chamado Selvagem", então logo acabarei lendo também.

    Bjs!

    ResponderExcluir
  17. Queria achar algum livro no estilo As Aventuras de Robinson Crusoé, podes me sugerir algum título?

    ResponderExcluir
  18. Nunca li Robinson Crusoé para te indicar precisamente. Você gosta de clássicos e de aventuras?

    ResponderExcluir
  19. Marina Rocha Daros15 de março de 2014 05:11

    Adorei a sua resenha, tanto que comprei o livro por causa dela. Fiquei muito interessada pela história, pois li O Garoto no Convés, de John Boyne, e adorei! Estou ansiosa para leitura de O Lobo do Mar!
    Beijos!

    ResponderExcluir

Obrigado por visitar e comentar no Literature-se.
Assim que puder, visitarei o seu blog. Caso não tenha um, deixe twitter, Facebook ou e-mail para que eu possa respondê-lo :)
Dicas, sugestões e críticas construtivas? Comentários abertos para isso e muito mais, só contando com aquela boa dose de bom-senso necessário, né? ;)

 
Literature-se © Todos os direitos reservados :: Ilustração por Prih Mizuh (@pri_mizuh) :: voltar para o topo