9.1.14

Resenha: Jogos Vorazes

Jogos Vorazes, escrito por Suzanne Collins.
Editora: Rocco
Páginas: 397
ISBN: 9788579800245
Após o fim da América do Norte, uma nova nação chamada Panem surge. Formada por doze distritos, é comandada com mão de ferro pela Capital. Uma das formas com que demonstram seu poder sobre o resto do carente país é com Jogos Vorazes, uma competição anual transmitida ao vivo pela televisão, em que um garoto e uma garota de doze a dezoito anos de cada distrito são selecionados e obrigados a lutar até a morte! Para evitar que sua irmã seja a mais nova vítima do programa, Katniss se oferece para participar em seu lugar. Vinda do empobrecido distrito 12, ela sabe como sobreviver em um ambiente hostil. Peeta, um garoto que ajudou sua família no passado, também foi selecionado. Caso vença, terá fama e fortuna. Se perder, morre. Mas para ganhar a competição, será preciso muito mais do que habilidade. Até onde Katniss estará disposta a ir para ser vitoriosa nos Jogos Vorazes?


Jogos Vorazes é uma distopia, ou seja, uma história narrada num futuro marcado por uma realidade opressiva e um governo controlador. Ambientalizada no que hoje é os Estados Unidos, a narração nos leva até o continente Panem, dividido por uma Capital e 13 distritos. Porém, o décimo terceiro distrito foi riscado do mapa há 74 anos por conta de uma rebelião fracassada, esmagada pela Capital e seu governo dominador. Por conta desses anos de guerra, a Capital criou os Jogos Vorazes... Todo ano seriam sorteados dois tributos (um masculino e outro feminino) de cada distrito para que matassem uns aos outros até sobrar um: o vitorioso. Como um símbolo do fracasso da rebelião, os Jogos Vorazes existem para entreter a população da Capital e, sobretudo, para demonstrar aos distritos quem é que detém o poder.

E é no caos do distrito 12 que mora Katniss Everdeen, uma garota de 16 anos que caça ilegalmente na floresta para fornecer comida à sua família depois que seu pai, um trabalhador das minas de carvão do distrito, morreu numa explosão quando ela tinha apenas 11 anos de idade. Sua maior preocupação já não era mais encontrar comida para sua mãe e sua irmã, mas sim a Colheita daquele ano. A Colheita é o dia em que os tributos são sorteados e vão para os Jogos. Seu nome já estava inscrito várias vezes (até porque você pode se inscrever mais de uma vez em troca de alimento), mas aquele era o primeiro ano de sua irmã menor Prim. E ela sabia o efeito que isso causava na menina: pânico.

Pois Prim é sorteada para ser o tributo feminino daquele ano e, num ato desesperado e espontâneo, Katniss se voluntaria no lugar da irmã. Ela iria para uma arena matar e ser morta... Em nome de que?



O grande mérito do livro é ter uma leitura fácil e envolvente, mas ao mesmo tempo tratar de um assunto tão tenso e reflexivo. A história realmente dá viés para várias discussões. O livro é para entreter, tem 400 páginas e mesmo assim pode ser lido em um dia. Mas o que ele conta ressoa de tal maneira na cabeça do leitor que não perde pontos por ser mais um best-seller no mercado literário e cinematográfico.

O mundo criado por Suzanne Collins e único. Tudo ali possui um motivo de ser e contribui para a história; nada é escrito em vão. Cada distrito é especializado num ramo: o 12 é das carvoarias, o 7 é da madeira, o 4 é da pescaria... E todos fornecem seu material para a Capital. Bacana perceber como é a dinâmica entre os distritos e a Capital, pois é parte da essência da história, e compreendê-la solucionará alguns pontos da trilogia. 

Os personagens são maravilhosamente bem construídos. Tanto psicologicamente, quanto visualmente. Como o livro é descritivo (sem nunca ser tedioso), o leitor é introduzido muito bem ao meio externo e ao interno: ao ambiente, ao funcionamento daquela sociedade e à cultura, ao psicológico dela.

Também há a parte em que os Jogos Vorazes são narrados. Metade do livro conta como Katniss chegou até a arena, explicando o processo pelo qual os tributos passam até enfim entrarem em ação: os treinamentos, o reconhecimento dos outros tributos, a formação de alianças e de patrocinadores, a descoberta de uma plano tático... E a outra metade conta como foi os Jogos Vorazes em si.

Quem narra é Katniss em primeira pessoa, o que poderia deturpar um pouco a visão de como os Jogos transcorrem. Porém, achei uma forma muito válida da autora passar como é o sentimento de sobrevivência, e também os pensamentos de alguém que é extremamente contra o sistema e contra a desnecessária brutalidade que envolve a realidade. Com um narrador imparcial, seria muito pouco provável que o livro transmitisse ao leitor a sua intenção, a sua mensagem.

Gosto muito do símbolo do tordo. Ele é uma variante do Gaio Tagarela, um bestante (animal artificial criado pela Capital, geralmente mortal) utilizado nos tempos da rebelião para transmitir as vozes dos rebeldes e, assim, a Capital ter acesso aos planos do adversário. Depois de sufocada a rebelião, os Gaios foram soltos na natureza e, para sobreviverem, cruzaram com outra espécie de pássaro, surgindo assim o tordo. Não possuindo mais a habilidade de transmitir vozes, os tordos conseguem reproduzir os sons de uma música/um assobio etc. Aqui na história ele transmite a mensagem de boas notícias, de sobrevivência: além de ser fruto da sobrevivência dos Gaios, ele também é utilizado pela Katniss para informar ao seu aliado que ela estava viva. Também há a personagem Rue que transmitia aos seus companheiros de trabalho o final do expediente (que consistia em horas e horas debaixo de um sol escaldante num pomar - o distrito 11 é especializado na agricultura).

Também acho válida a mensagem de superação. Somos acostumados a nos subestimar sempre que estamos diante de algum desafio que apresente um obstáculo maior. A Katniss enfrentava ali nos Jogos oponentes muito mais fortes e bem treinados, o que sempre repercutiu de uma forma negativa em seus pensamentos.

Já o romance não é tão desenvolvido nesse livro, pois a tática dentro dos Jogos impediu isso num primeiro momento, que é esse primeiro livro. Aqui desenvolve-se mais o romance entre Katniss e Gale (o melhor amigo dela), que particularmente acho sem graça. Prefiro mais o romance que depois será construído entre Katniss e Peeta (o outro tributo do distrito 12), apesar de nesse primeiro livro ter alguns momentos bregas com estes dois (e esse é o motivo de eu tirar 0,5 pontinho da nota do livro). Mas fora isso, não tenho nenhuma ressalva para fazer contra a história.

Eu amei esse livro (apesar de Em Chamas, o segundo dessa trilogia, ser o meu preferido), e é muito difícil escrever sobre um livro tão diferente e bom. 

Fiz um vídeo-resenha do livro onde talvez eu explique melhor a história e os motivos de eu gostar dela :)

17 comentários:

  1. Que incrível, Mell! Adoro seu jeito de resenhar, espero um dia resenhar assim haha! Beijão =)

    www.universoliterarioblog.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Claro que vai, sim, Ju! Só ir lapidando e caprichando na escrita. ;)

      Excluir
  2. O romance entre Peeta e Katniss nunca é bem desenvolvido :(
    A Kat é muito durona para perder tempo pensando nisso. Por sinal, Mell, você gosta da Katniss?
    Beijos e claro, adorei a resenha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ahhh, sério que não acha? No segundo achei que foi, apesar de ser daquele jeito recatado da Katniss. Mesmo assim, gostei disso no segundo livro.

      Eu gosto, sim. Uma das melhores personagens para mim. Apesar dela ser bem teimosa... Mas eu também sou hoho
      Beijos <3

      Excluir
  3. Oi, Mell!!! Mais uma resenha linda!
    Eu amo essa trilogia, sou louca pela Katniss!
    Eu me animando com seus vídeos de novo hahaha
    Adoro assistir as suas resenhas, parece que estou conversando contigo kkk.
    Beijos

    Meu Meio Devaneio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem que se animar, mesmo! Bora gravar vídeos! Estou ansiosa pelos seus :)

      Excluir
  4. Eu recém li esse livro, venci o preconceito com best-sellers rs. Adorei também, ele vale os burburinhos que o sustentam.
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho uma bobagem pura esse preconceito com best-sellers hahaha Que bom que venceu :)
      Vale mesmo, muito bom!

      Excluir
  5. Oi, Mell!
    Eu só assisti o filme (q absurdo! rs), pois eu não dava atenção a esse livro, mas de uns tempos para cá, só ouço bons comentários sobre ele e estou querendo ler...

    Ri muito em "tirar 0,5 pontinhos" pela parte brega! hahaaha

    Bjos!

    ResponderExcluir
  6. Adorei a resenha! Transmitiu muito do que eu senti lendo o livro (e toda a trilogia, na verdade).
    Apesar de ser best-seller, essa é uma história que me faz pensar muito sobre como a nossa sociedade é organizada.
    Os personagens são cativantes, apesar de muitas vezes no "A esperança" eu ter tido vontade de bater na Katniss e no Gale rsrs. No fim do último livro chorei muito pela forma como terminou porque a história terminou...eu queria mais rs.

    Você já viu os filmes? Achei bem fiéis; cortam algumas partes dos livros, mas não comprometem a história. Mas sem dúvidas prefiro a leitura :)
    beijos!

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. Juuuuuuuura que você achou o romance brega? HAEHhae, eu achei fofo, até pq eles são personagens novinhos que estão lidando com uma coisa muito muito tensa.

    A trilogia virou uma das minhas favoritas do coração, fiquei realmente impressionada com a escrita da Suzanne e com a forma com que ela amarra as pontas. E isso que você falou de a narrativa em primeira pessoa dar a urgência da sobrevivência é muito, muito real. Senti a mesma coisa.

    Pena que o primeiro filme foi ruim, muito ruim. :/

    Beijo!

    ResponderExcluir
  9. Oi Mell, Jogos Vorazes é um bom livro, mas Em Chamas também é o meu favorito da trilogia. Romance não é o forte dessa trilogia e acredito que a intenção da autora ao introduzir um triângulo, foi tentar amenizar a parte sombria e pesada que era o jogo, as mortes, o sofrimento dos distritos, a opressão, a violência e o poder subjugador.
    Um livro muito bom mesmo.

    Beijos
    Caline- Mundo de Papel

    ResponderExcluir
  10. Eu amo Jogos Vorazes, já li todos os três.
    É um livro muito bom é uma escrita muito viciante da autora!
    Adorei a resenha e o vídeo! :)

    ResponderExcluir
  11. Mell, eu gosto bastante de Jogos Vorazes. Como um todo é ainda melhor, já que tudo é bem explicado na trilogia. Acho que a autora conseguiu amarrar todos os pontos e fiquei contente com o que eu vi no final.
    O romance realmente não é bem desenvolvido, mas... na boa, eu preferiria que ela ficasse com o Gale. Ou que não ficasse com ninguém.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  12. Oi, Mell. Nossa, adorei o seu blog! =)
    Jogos Vorazes é uma das minhas séries favoritas. Fui atrás dos livros depois de assistir ao primeiro filme e, bom... é impossível não se apaixonar. É incrível uma série infanto-juvenil abordando temas tão pertinentes!
    E eu amei a sua resenha!
    Beijos,
    Priscilla
    http://infinitasvidas.wordpress.com

    ResponderExcluir
  13. Nossa ! Este blog é muito bom , parabéns pelo blog , eu amo Jogos Vorazes e amei a resenha, espero que este blog tenha vida longa por muitos e muitos anos , é impossível não amar esta saga tão maravilhosa que é THG, eu tenho todos os livros e estou no livro Em Chamas, eu tenho um blog sobre THG, estou começando agora com a minha amiga e gostaria que vocês seguíssem ele, e que fossemos parceiros, e que dessem uma olhada nas postagens também , tem muito conteúdo bom e novidades : viciadosemthgblog.blogspot.com , bjs e esperem que gostem

    ResponderExcluir

Obrigado por visitar e comentar no Literature-se.
Assim que puder, visitarei o seu blog. Caso não tenha um, deixe twitter, Facebook ou e-mail para que eu possa respondê-lo :)
Dicas, sugestões e críticas construtivas? Comentários abertos para isso e muito mais, só contando com aquela boa dose de bom-senso necessário, né? ;)

 
Literature-se © Todos os direitos reservados :: Ilustração por Prih Mizuh (@pri_mizuh) :: voltar para o topo