11.9.13

Uma prova de amor, de Emily Giffin

Uma prova de amor, por Emily Giffin.

Editora: Novo Conceito.
ISBN: 9788581630212
Páginas: 432
Primeiro vem o amor, depois vem o casamento e depois… os filhos. Não é assim? Não para Claudia Parr. A bem-sucedida editora de Nova York não pretende ser mãe, e até desistiu de encontrar alguém que aceite esta sua escolha, mas, então, ela conhece Ben. O amor dos dois parece ideal. Ben é o marido perfeito: amoroso, companheiro e — assim como Claudia — também não quer crianças. No entanto, o inesperado acontece: um dos dois muda de ideia a respeito dos filhos. E, agora, o que será do casamento dos sonhos? Uma Prova de Vmor é um livro divertido e honesto sobre o que acontece ao casal perfeito quando, de repente, os compromissos assumidos já não servem mais. Contudo, é também uma história sobre como as coisas mudam, sobre o que é mais importante, sobre decisões e, especialmente, sobre até onde se pode ir por amor.

Até que ponto você mudaria suas opiniões e ideais por um amor?

Claudia Parr e Ben Davenport se conheceram num encontro às escuras. Seus amigos arranjaram um jantar para eles se conhecerem e ambos foram sem expectativas muito encorajadoras à respeito de um segundo encontro. O porquê é compreensível: por conta de escolhas próprias, muitos relacionamentos não deram certo na vida deles. Quanto mais primeiros encontros. É que eles não querem ter filhos na vida dele. Nunca. Nunquinha. E na casa dos 30 anos, não é esse balde de água fria que se espera para um relacionamento: as pessoas geralmente têm planos para terem filhos um dia, ou simplesmente não são tão negativos quanto à ideia. O problema é tocar nesse assunto logo de cara, e Claudia está cansada de esconder o jogo e saber que daqui alguns encontros levará um fora. E é por conta disso que já logo diz para Ben, quando o conhece naquele jantar, que ter filhos não é e nunca será um objetivo na sua vida.

Logo percebem que não é só isso que têm em comum. Eles são muito parecidos, têm gostos muito semelhantes e ideais em sintonia. A partir de então, passam a se ver cada vez mais, a desenvolver um relacionamento respeitoso e harmônico... E se casam. O vínculo que criaram é de amizade, respeito, carinho e amor. Os dois foram feitos um para outro.

E dentre os altos e baixos da vida a dois, depois de alguns anos uma reviravolta acontece para mudar o que já estava bem estabelecido: Ben passa a gostar de crianças mais do que já gostava (ao contrário do que se pode pensar, os dois a-do-ram crianças... Inclusive a Claudia tem sobrinhos que ama e mima). Pior ainda: ele passa a querer ter um filho!

Mas Claudia é... cabeça-dura. Ela não arreda o pé: não quer ter filhos. De jeito nenhum! Segundo ela, iria atrapalhar toda a sua carreira profissional, construída com muito suor e muita dedicação (ela é uma bem sucedida editora de Nova York!), sem contar que teria que deixar para trás todas as suas fantásticas viagens e, claro, passar a se preocupar mais com a vida de outro serzinho do que com a sua própria. Para muitos, isso é medo, receio de ser mãe. Para outros tantos, é um "trauma" por sempre ter tido um relacionamento difícil e excêntrico com a mãe. Em qualquer caso, sempre acham estranho essa sua irredutibilidade. A situação fica cada vez pior, e mais e mais insustentável entre os dois. Até que um desrespeita verbalmente o outro pela primeira vez e tudo acaba. De um dia para o outro.

Uma prova de amor é um livro lindíssimo, que trata de decisões difíceis e superação. Já adianto que é o melhor chick-lit que li até o momento!

Emily Giffin trata de laços familiares melhor do que qualquer outro escritor. De uma forma leve e real, nos transporta para os problemas de nossas personagens com uma facilidade admirável. E passamos a torcer por eles, por todos eles...

A escrita é bem fluída, daquelas que 50 páginas passam num piscar de olhos. Cativante e surpreendente, o enredo que ela criou aqui transfere lições de vida que com certeza ficarão na nossa cabeça por muito tempo, e o leitor se pega pensando "Uma prova de amor me ensinou que (...) Então melhor fazer desse jeito". Par deixar tudo ainda mais agradável, algumas citações são adoráveis, como o personagem Atticus, de To kill a mockingbird e a banda The Cure (inclusive, Ben e Clauda são loucos por músicas e sempre citam vários artistas - que, aliás, preciso pesquisar sobre).

As personagens são incríveis. Amo livros que têm personagens principais maduros e condizentes com a idade que têm, e Claudia e Ben são assim. Diria até que eles são uns amores. Sabe aquela típica personagem que faz besteiras em cima de besteiras para conseguir o que quer (oi, Becky Bloom, que se endivida até o pescoço para ter uma bolsa de grife!)? Pois é, Claudia não é assim, ela é admirável. Uma boa amiga (Jess é a melhor amiga com quem divide o apartamento e adivinhe? é outra personagem cativante), namorada, esposa, filha, irmã... E até quando ela recebe uma proposta imperdível de emprego (e aí achei que ela fosse ceder - mas me enganei), que implicaria numa reunião no mesmo horário de uma consulta médica de Jess à qual ela prometeu comparecer, ela se mantém fiel e responsável: ela recusa, pois naquele horário ela teria que estar ao lado de sua melhor amiga para apoiá-la.

Então eu amei esse livro. O começo, o meio e o desfecho. O enredo, a escrita e todas as passagens! Super indicado!

4 comentários:

  1. Comecei a ler enquanto esperava minha vez pra pegar um autógrafo com a Emily. O livro conquista de cara mesmo! Preciso terminar de ler. Li pouco, mas já fiquei com aquele gostinho de quero mais!
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já terminou? Eu amei, amei, amei. E que inveja branca sua de ter conhecido ela *-*

      Excluir
  2. Oiiiiiiii
    eu acho linda a capa mas ainda n li!
    Mas ainda vou lê-lo!!!

    Bjooooos

    muitospedacinhosdemim.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Obrigado por visitar e comentar no Literature-se.
Assim que puder, visitarei o seu blog. Caso não tenha um, deixe twitter, Facebook ou e-mail para que eu possa respondê-lo :)
Dicas, sugestões e críticas construtivas? Comentários abertos para isso e muito mais, só contando com aquela boa dose de bom-senso necessário, né? ;)

 
Literature-se © Todos os direitos reservados :: Ilustração por Prih Mizuh (@pri_mizuh) :: voltar para o topo