21.7.11

Geração Harry Potter e as Relíquias da Morte - Parte II

Dia 15 de julho enfim chegou e a geração Harry Potter pode, enfim, assistir - entre muita emoção e lágrimas - ao final de uma série que, o crítico mais crítico do mundo querendo ou não, será relembrada como uma das mais fantásticas já criadas.

Quem nasceu em meados de 1990 sabe o que quero dizer: a maioria ama (ou já teve aquela época em que amou) a série, enquanto que uma minoria a odeia (ou ignora), embora eu jurar três anos atrás nunca ter visto alguém que não gostasse.


Cada um foi apresentado de uma maneira diferente à magia de Hogwarts; eu agradeço por ter sido apresentada à esse mundo por minha prima. Primeiro com o filme Harry Potter e a Pedra Filosofal, depois com o seu respectivo livro. Estava na época em busca de um livro adequado para minha transição literária, em que eu passava de livros finos, com gravuras, a outros pouco mais grossos e sem imagens. Era aquilo de que precisava tanto.


Passei a acompanhar a série, sempre praguejando com as datas de lançamento (principalmente dos livros), que sempre tinham uma longa e extenuante espera entre uma e outra. Não gostava de esperar muito tempo para adquirir o meu exemplar, nem o meu bilhete para alguma pré-estreia no cinema. Com certeza, sou da geração Harry Potter, série esta que me acompanhou desde os sete anos de idade


Agora, ela tomou seu fim. Seu tão aguardado fim. Quem lembra de ficar imaginando o final que a série tomaria enquanto estava lendo o terceiro, quarto, quinto livro? E enquanto terminava  sexto e se remoía com os longos DOIS anos para o lançamento do último livro?


E depois de tantas emoções (e lágrimas, muitas lágrimas!) tidas com o livro, chegou o momento em que, sim, tudo acabou, pois não teremos mais de esperar tanto tempo para alguma estreia - seja literária ou cinematográfica. Dia 15 de julho chegou e, junto da data, Harry Potter e as Relíquias da Morte, parte II, foi exibido para presentear os meus dezoito anos de idade. E quem diria, ehn? Quem diria que eu me daria esse presente pra lá de especial. Aqueles que são fãs da série como eu, tenho certeza que entenderão a minha alegria.
O último filme da saga é, sem dúvidas, o melhor filme de 2011 até o momento, e duvido que perderá esse posto. É, sem espaço para frescuras, ótimo se tratando da estória e o melhor que uma adaptação pode ser, em minha humilde opinião (leiga sobre o mundo cinematográfico, já logo esclareço.)


Poucos detalhes e poucas passagens foram infiéis aos fãs. A trilha sonora é de arrepiar, e de deixar qualquer um arrepiado (e até, devo confessar, ajuda as lágrimas a caírem haha). A fotografia é talvez a melhor de toda a série, visto que há momentos obscuros também, além das magníficas paisagens que aparecem durante o longa. Há cenas que ficarão eternizadas em nossas memórias, duelos há muito esperados (yeahh, são demais!), belíssimas atuações, muitas revelações e momentos tocantes, enervantes, fofos, hilários, emocionantes, românticos, amigáveis, incríveis.......


Agora que tudo acabou, fico curiosa quanto à carreira dos atores, principalmente de Daniel Radcliffe, Emma Watson e Rupert Grint. Aguardo ansiosamente por surpresas e ótimas atuações - será estranho, assim como foi em December Boys, ver Daniel atuando e não imaginá-lo como Harry Potter. (podemos ver também Rupert Grint em Lições de Vida/Driving Lessons, Emma Watson em Dançando para a Vida/Ballet Shoes - e futuramente no aguardado The Perks of Being A Wallflower.)


Momentos para dar boas gargalhadas:
Ó, pra não conseguir segurar o choro:
Para se orgulhar:
Obrigado, JK ROWLING, pela mágica infância!

5 comentários:

  1. Ai meu deus eu quase chorei!!!
    Nossa dá um aperto no coração qundo vejo que Harry Potter chega ao fim!
    Acho que não importa quantos filmes Daniel Radcliffe, Emma Watson e Rupert Grinte façam, eu sempre vou olha-los como Harry, Hermione e Rony!!!
    Harry Potter marcou minha infância e também agrade a J.K.Rowling por ter me proporcionado algo tão mágico! Vamos sentir muita falta!

    ResponderExcluir
  2. Eu não peguei exatamente o começo de HP, uma vez que tenho 13 anos, mas me apaixonei perdidamente pela história logo aos seis anos, quando vi pela primeira vez o terceiro filme no cinema. Foi fantástico, lembro de cada momento.

    Só fui ler os livros ano passado, então não tive a cruel espera, mas acho que posso dizer que Harry me acompanhou durante a infância inteira.

    Chorei demais também, mais do que ri, para ser sincera, neste último filme.

    Ótima postagem, parabéns!

    Beijinhos, Babi
    http://a-viajante-dos-livros.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Eu também cresci com HP, mas com os livros, fiquei bem triste quando acabaram. Os filmes ainda não vi todos ^^ pretendo ver
    Beijos e adorei aqui, estou seguindo
    Bruna
    http://desbravandohistorias.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Não sei o que dizer, a não ser: lindo post. Nunca encontrei todos os meus sentimentos traduzidos num só texto quanto este.
    Lembro da primeira vez em que assisti um filme do Harry Potter, foi com 7 anos a Pedra Filosofal, e depois do meu aniversário de 11, quando jurava que minha coruja estava trazendo minha carta de Hogwarts (e até hoje espero). Pode parecer meio bobo, mas, assim como Harry, acredito que todos nós, da geração Harry Potter, sentimos como se aquele fosse nosso verdadeiro lar.
    Droga, meus olhos estão ardendo agora.

    ResponderExcluir
  5. Meeu, que post mais lindo *-* eu cresci com Harry Potter e vou levá-lo por toda minha vida :')
    Não tenho nem comentários, (e sim, eu quase chorei com as imagens do "para não conseguir segurar o choro") hahaha'

    --
    Gabriel M. Souza
    World of Carol Espilotro

    ResponderExcluir

Obrigado por visitar e comentar no Literature-se.
Assim que puder, visitarei o seu blog. Caso não tenha um, deixe twitter, Facebook ou e-mail para que eu possa respondê-lo :)
Dicas, sugestões e críticas construtivas? Comentários abertos para isso e muito mais, só contando com aquela boa dose de bom-senso necessário, né? ;)

 
Literature-se © Todos os direitos reservados :: Ilustração por Prih Mizuh (@pri_mizuh) :: voltar para o topo