resenha 1

resenha 1
Ensaio sobre a cegueira Saramago

resenha 2

resenha 2
Uma duas Eliane Brum

resenha 3

resenha 3
ao farol virgínia woolf

resenha 4

resenha 4
mulheres de cinzas mia couto

resenha 5

resenha 5
Extraordinário Luandino Vieira

resenha 6

resenha 6
Luuanda Luandino Vieira
25.10.10




Coluna semanal onde compartilho com os leitores o meme "Essa Semana..." criado pela Julianna do Lost In Chick-lit, e também disponibilizo as músicas que tenho ouvido recentemente ou até mesmo vídeo clipes.
 Resolvi juntar a coluna Playlist daqui do blog com a "Essa Semana...", que só postei uma vez, e estava pensando num jeito de juntá-la com outro conteúdo, para que desse mais certo na agenda do blog.

continue lendo »
23.10.10

Autor: Ian Halperin
Editora: Porto de Idéias
ISBN: 9788560434596
Páginas: 285
No fim de dezembro de 2008, Ian Halperin disse ao mundo que Michael Jackson tinha apenas seis meses de vida. Sua investigação sobre o estado de saúde declinante de Jackson tornou-se manchete ao redor do globo. Seis meses e um dia depois, o Rei do Pop estava morto. Conheça os detalhes dos últimos anos de vida da maior estrela pop do mundo vistos por quem o conheceu de perto.
Desde sempre, apesar de não compartilhar com muitas pessoas, tive um interesse em saber mais sobre a vida das celebridades. Em especial, as polêmicas, que geram notícias arrebatadoras. Comecei por JK Rolling, claro, minha diva eterna. Gênio. Adorei a biografia, devorei em muito pouco tempo. 

Assim que vi no catálogo da editora Porto de Idéias essa biografia dos últimos anos do Rei do Pop, não deu outra: era a oportunidade de saber mais sobre uma celebridade que vinha me despertando a curiosidade nos últimos meses - e de uma forma que amo, que é através da leitura.

 Tenho que confessar; Apesar do título deixar bem claro que os fatos discutidos são os dos últimos anos de vida do cantor, fiquei na expectativa de saber mais sobre a sua origem. Mas o fato mais importante do pouco que Ian comenta sobre a infância do astro é:

"O mundo pode ter esquecido que Jackson era um negro, mas ele nunca se esqueceu como tinha sido crescer na Indiana, uma cidadela da Klu Klux Klan. O racismo ainda era desenfreado durante sua infância."
 Mas apesar de me interessar muito pela infância dele, tenho que admitir, imagino uma leitura somente sobre esse período de sua vida, bem maçante. Assim, Revelados nos dispõe assuntos que logo nos vêm à cabeça quando o assunto é Michael Jackson: Ian trabalha bastante sobre as diversas acusações de abusos sexuais (pedofilia infantil), ao vício por drogas, sua sexualidade e as circunstâncias que envolveram seus últimos meses de vida (saúde). O livro é repleto de especulações, revelações e fatos intrigantes sobre esses assuntos, e o que deveria servir como base para minha decisão sobre a essência do astro, na realidade acabou por me confundir; tantos fatos, entrevistas, revelações são entregues ao leitor durante a leitura, que não consegui me decidir, principalmente na questão de pedofilia, se o astro é ou não é culpado. Será que ele é mais um desses psicopatas, só que escondido sob a máscara dos diversos artifícios ganhos com a fama? Ou será que é uma vítima desses mesmo artifícios, onde uma celebridade é atacada por muitas pessoas oportunistas?

 Fiquei realmente dividida. No final da leitura, optei por não tomar partido, e apenas debater com quem quiser, a fim de obter uma conversa mais substancial. É muito difícil você ter uma opinião formada sobre uma situação que você não presenciou, e nem ao menos conhece as pessoas envolvidas. Se pensarmos por esse lado, os tabloides sensacionalistas fazem parte desse grupo de oportunistas.

 Outros fatos relacionados ao astro que me interessou muito (e que até marquei com post-its pinks haha), foi saber sobre sua relação com a Cientologia, religião muito polêmica que agregou vários artistas de Hollywood (inclusive Tom Cruise e John Travolta), e suas diversas caridades, constantemente direcionadas à instituições ligadas a crianças.

 O autor cita muitas personalidades envolvidas com Michael Jackson, e ainda faz um breve comentário sobre seu outro livro, que relaciona-se com Kurt Cobain. Em Revelados, cita Mark Ronson (irmão da ex-namorada da Lindsay Lohan), Elizabeth TaylorMacaulay Culkin, Lisa Marie (filha de Elvis Presley), entre outras celebridades.

 Ian Halperin é, além de músico, um ótimo jornalista investigativo. Muito pragmático, parece ir diretamente ao lugar que precisa. Sua escrita é fluente, apesar de bem menos que os meus habituais romances, principalmente por apresentar palavras técnicas e mais rebuscadas. Uma característica muito bacana do autor é a maneira como ele encerra os capítulos: com um gostinho de quero mais, fazendo-me querer ler e saber muito mais a respeito do assunto. É muito instigante!

 Já a diagramação é boa, com uma fonte bem adaptada ao tipo de escrita e bem organizada. A capa é ótima, anunciante, mas particularmente, a foto de Michael Jackson que escolheram é apagada demais; Uma outra foto do autor, que apresente mais a fisionomia, cairia muito melhor à obra. Um ponto positivo para a Porto de Idéias é a ótima revisão, só deixando passar dois ou três erros mínimos.

 Enfim, a leitura foi agradável, apesar de a escola ter consumido muito do meu tempo, e a leitura ter atrasado por demais. A diagramação e a história do livro me proporcionou uma agradável leitura de escape àquelas que estou acostumada, e quem me conhece e segue o blog sabe que gosto de mudar meus hábitos de leitura às vezes (se tratando dos diversos gêneros literários disponíveis).
continue lendo »
19.10.10



 Coluna semanal onde compartilho com os leitores o meme "Essa Semana..." criado pela Julianna do Lost In Chick-lit, e também disponibilizo as músicas que tenho ouvido recentemente ou até mesmo vídeo clipes.
 Resolvi juntar a coluna Playlist daqui do blog com a "Essa Semana...", que só postei uma vez, e estava pensando num jeito de juntá-la com outro conteúdo, para que desse mais certo na agenda do blog.

continue lendo »
17.10.10

 Mais um Agora que eu tenho, tag aqui no blog onde eu mostro para vocês os livros que "adquiri" desde o último post publicado da tag. Podem ser livros comprados, alugados, cedidos, trocados e até mesmo emprestados! E às vezes poderá aparecer filmes e cds que eu venha a adquirir, também.
 Neste vídeo, mostro para vocês todos os livros que comprei na promoção do site Submarino, com exceção de um, que irei mostrar num outro.



continue lendo »
15.10.10



A vida é uma droga quando seus amigos estão chateados com você. Basta perguntar a Zoey Redbird – ela se tornou uma perita no assunto. Em uma semana ela passou de três namorados a nenhum, e de ter um grupo íntimo de amigos que confiavam nela e a apoiavam, para ser uma rejeitada. Falando de amigos, só sobraram dois. Neferet declarou guerra aos seres humanos, Zoey sente em seu coração que está errado. Mas será que alguém a escutará? As aventuras de Zoey na escola de aperfeiçoamento de vampiros da uma reviravolta selvagem e perigosa, lealdades são testadas, enquanto chocantes e verdadeiras intenções vem a luz, e um mal antigo é despertado no quarto volume fascinante da série Casa da Noite.

Pelo amor às minhas preces, Zoey parece ter caído na real nesse volume da série. Ou quase isso (Arght, Zoey, pare de fazer tanta besteira!) Mas é incrível o quão madura ela se torna desde Escolhida (volume anterior à esse). É claro que não deixa de fazer burradas, como se apaixonar de novo e não conseguir conter suas emoções diante de seus Exs (por que será que todo o problema comportamental de Zoey parece estar estritamente relacionado aos garotos?).

Sem dúvida alguma, esse é o livro que mais gosto da série até o momento. Nem mesmo o fato de a personagem principal passar por tantos perigos como nunca havia passado antes me afastou do livro. É incrível a horrenda história que Zoey consegue ir desmascarando com a ajuda de Aphrodite, seus amigos e Erik - SIM, minhas preces foram atendidas mais uma vez; Erik está ainda mais resistível nesse livro. Como ele consegue?! Aliás, um ponto notório é a união e fidelidade que há entre os personagens principais. Após explicado toda e história e deixado de lado toda e qualquer omissão, uma relação vai de vento e poupa - e é isso que aprendi com essa história das Cast. Realmente, elas ensinam como é a verdade amizade. 
Falando em amizade, nesse volume Aphrodite e Zoey se aproximam ainda mais. Ao contrário do que poderia imaginar quando estava lendo Marcada (o primeiro volume da série), essa amizade parece ser encantadora e realmente útil - tanto aos propósitos da Deusa Nix, como para ambas, que saem lucrando verdadeiramente com toda a situação imposta à elas. O melhor é que elas passam a conviver uma com a outra e a se suportarem. Mesmo que não fossem obrigadas, acho que daqui pra frente elas não desistiriam da união. Uma bela aliança foi formada a partir desse livro da série, e espero que assim continue, sempre me surpreendendo e me deixando admirada com o poder da amizade.

Tocando ligeiramente no assunto Erik Night (É lógico que eu iria comentar mais alguma coisa HAHAH), os momentos entre ele e Zoey foram de tirar o fôlego. Sério, se quer um motivo muito grande para continuar a ler a série (caso você também se decepcionou com o volume anterior - Escolhida), é esse. Continuo achando que é este gato o perfeito para Zoey, apesar de todas as burrices dela. Ele é tão fofo e carinhoso, ao mesmo tempo sabe ter auto-compaixão e respeito por ele e pelo próximo (Ok, sua reação foi exagerada em Escolhida, mas quem sou eu para julgá-lo? Faria igualmente na situação dele.) 
Já Heath - Sério, como pode ser possível um personagem me desagradar tanto? Não que ele tenha feito algo de errado, pois ele raramente faz por ser quase um figurante (para mim, só para deixar mais claro nesta re-se-nha), mas não consigo aceitar o fato de as escritoras insistirem em seu papel. Não desce, mesmo. Eu não consigo ver Heath como um fofo para a vida toda - ele está mais para o pé-no-saco para a vida toda. Ele só dá dor de cabeça à Zoey. Dá um tempo.

A leitura é além de fluida. Muito rápida, embora eu esteja passando por um momento "slow" em minha vida. E o mais incrível é o fato de a história se passar em poucos dias, uns três ou quatro, atrevo-me a recordar. Este é o quarto livro da série literária e desde o primeiro volume, só se passaram dois meses! Oh, boy, essa Zoey passa por tanta coisa que até eu me perco em sua história, coitada. É muita coisa para uma cabeça só.
Ah! Antes que me esqueça, já disse que esse é o melhor livro da série até o momento, não? ;)


Autoras: P.C. e Kristin Cast - Editora: Novo Século - ISBN: 8576793016 - Páginas: 368
continue lendo »
12.10.10

 Uau, como o tempo passou rápido desde o dia que resenhei o pocket @Bia_bem e lancei o sorteio dele e de mais quatro marcadores! Foram 151 formulários preenchidos e fico muito feliz por todas as participações - É tão importante para mim e adoro poder sortear entre os leitores do blog um mimo como esse.
 Então sem mais demoras, a ganhadora é a Karen Tiemi, que não é a primeira vez que participa de um sorteio daqui do CP :)
continue lendo »


Na Minha Lista é uma coluna do Croissant Parisiense onde eu mostro à vocês as listas que faço durante o ano, ou que faço exclusivamente ao blog. Como amo fazer listas (mas raramente as sigo), resolvi compartilhar com vocês!

Na de hoje, mostro à vocês três lançamentos literários que quero MUITO ler. Por coincidência (juro!), são todos da editora Moderna.
Alfas - As Melhores Entre As Melhores
É o lançamento que mais me chamou a atenção, principalmente pela história. Além disso, a capa é uma fofura!
Sinopse: A excêntrica bilionária Shira Brazille fundou a exclusiva Academia Alfa para Meninas, na exótica ilha Alfa, com a intenção de treinar a próxima geração de garotas prodígio. É um sonho que se torna realidade para cem meninas - excepcionais dançarinas, escritoras, musicistas e inventoras, entre outras -, mas aquelas que não estiverem à altura da Academia serão mandadas de volta para casa à qualquer hora, por qualquer razão. A última a restar ficará famosa mundialmente. Quem será?
Autora: Lisi Harrison

Editora: Moderna
Na Saraiva por R$32,90 (12/10/10)





continue lendo »
11.10.10


Coluna semanal onde compartilho com os leitores o meme "Essa Semana..." criado pela Julianna do Lost In Chick-lit, e também disponibilizo as músicas que tenho ouvido recentemente ou até mesmo vídeo clipes.
 Resolvi juntar a coluna Playlist daqui do blog com a "Essa Semana...", que só postei uma vez, e estava pensando num jeito de juntá-la com outro conteúdo, para que desse mais certo na agenda do blog.



continue lendo »
9.10.10



Paula Pimenta é formada em Publicidade. Apesar de formada, atualmente não exerce a profissão e se dedica à vida de escritora. Ela é autora de Confissão, Fazendo Meu Filme 1 e Fazendo Meu Filme 2. O terceiro volume da série Fazendo Meu Filme está para ser lançado este mês, o que me deixa totalmente ansiosa! Adoro a série e o talento da Paula. Além dele, ela gosta muito de filmes, Meg Cabot, Mark Ruffalo, Anne Hathaway, pop internacional, MPB, cantar e tocar violão. Uma fofa, não?




continue lendo »
6.10.10








Um amor que ultrapassa as barreiras do céu e do inferno

O primeiro livro da trilogia de Alexandra Adornetto, best-seller do New York Times, apresenta três anjos que assumem identidades humanas para salvar a humanidade de forças malignas.


Halo ― Um amor que ultrapassa as barreiras do céu e do inferno, romance de estreia no Brasil da jovem australiana Alexandra Adornetto, de apenas 18 anos, apresenta ao leitor uma mitologia original e uma trama que carrega o frescor da série Harry Potter combinado à abordagem cuidadosa dos dilemas juvenis que fizeram de Crepúsculo um fenômeno. O livro, publicado pela Editora Agir, é o primeiro de uma trilogia que já vem se tornando uma febre em todo o mundo: lançado nos EUA no último dia 31 de agosto, Halo entrou diretamente na quarta posição da lista dos livros mais vendidos do New York Times.





continue lendo »
5.10.10

É verdade, eu matei o cozinheiro. Em momento algum deste livro negarei que matei o sórdido cozinheiro com minhas próprias mãos de escrever versos. Havia motivo claro em saciar-se com a sua morte, morte de quem por carne e gozo objetou-se ao incomensurável amor que me tornava tão puro. Eu estripei-o com suas facas imundas de trabalho banal, e escalpelei por mimo infantil, de criança brincalhona, ao ver os índios e escalpes na TV. Matei o demônio com noventa facadas, cultivando um novo demônio sanguinário em mim, portanto não negarei ter feito a coisa mais maravilhosa que eu poderia fazer por minha inconsequência gloriosa naquele momento: Eu matei o cozinheiro. A morte do cozinheiro já deve ser considerada uma das obras literárias mais intensas e atuais sobre a dor de cotovelo e o ciúme. De forma singular o autor nos guia sem medo até o amor doente de Luiz Aurélio e as psicoses novas da recente solidão induzida. A derrota do ”eu” exaltado, o abandono, e a morte que pede lugar ao descontentamento puramente egoísta caminham livres. Vemos um jogo de querer e não poder, que desenrola o frágil espírito do ser humano desiludido de amor. Usando a mescla de linguagens necessária em sua abordagem diferenciada, Allan Pitz atormenta os corações abalados neste livro memorável e instigante, fazendo enxergar com outros olhos a parte considerada cruel de uma trágica história romântica.

A Morte do Cozinheiro é um romance muito diferente de qualquer livro que já li. Ele é focado no relacionamento do narrador protagonista que, em sua concepção, foi traído por sua amada. 

O personagem, Luiz, confessa desde o início dois assassinatos. E conta a história de como conheceu Carmem, sua amada, como foi seu relacionamento, o rompimento e a traíção. Também se apega muito às descrições; Descreve o amante, seus amigos, Carmem, sua ex-sogra e o ambiente em que vive. 

A leitura é carregada de emoções devido ao ciúme que cega Luiz e é claro que não passam de ódios, escárnios, culpas, entre outras. O melhor de tudo é que a escrita está acima de toda a emoção desenvolvida e trágica: além de o personagem principal ser um aclamado escritor, Allan Pitz usou uma linguagem bem rebuscada em diversas ocasiões - e eu adorei isso! 

Com apenas poucas páginas, o autor conseguiu me prender do início ao fim, e só consegui largar o livro ao terminá-lo de ler (o que foi em pouco menos de uma hora). Uma coisa engraçada é o cheiro do livro - isso mesmo, o cheiro. Me fez lembrar de consultório odontológico, sabem? Uma delícia! HAHAHA Ok, devem me achar louca depois disso, mas realmente adorei o cheiro. A fonte é bem tradicional, maior do que o habitual, devo confessar. E ele é de um formato pequeno, e a capa é genial!

Fico tão feliz em poder publicar essa parceria aqui no blog, é realmente um honra poder "trabalhar" com livros nacionais. E já vou logo avisando para você, leitor: A Morte do Cozinheiro é genial, uma ótima válvula de escape daqueles livros de romance clichês. Não que eu não goste, pelo contrário. Mas o fato de eu ler muitos do gênero e de a maioria não sair do mesmo conceito, me faz aclamar ainda mais essa obra. É algo totalmente novo ao meu mundo, e me fez refletir bastante - e sim, adoro refletir ;)

Autor: Allan Pitz - Editora: Above Publicações - ISBN: 856308005-9  - Páginas: 79
continue lendo »
4.10.10




Sinopse: "Você sabia que um dos lados de seu quadril e mais alto do que o outro? -perguntou a costureira, num tom inteiramente casual. A dama de honra à minha esquerda me olhou pelo espelho, depois desceu o olhar até meu quadril. -Não sabia -respondi. -Eu nunca soube disso. Que bom você me dizer: A costureira teve a decência de parecer constrangida. Ela abaixou a cabeça e continuou marcando com os alfinetes. Talvez tenha sido essa a razão pela qual os caras do encontro 1, 2 e 3 não ficaram interessados. Não era só o cigarro, no fim das contas. Era a questão do meu quadril. Mas que sorte a minha, já que o encontro número 4 era com um médico, cuja função e justamente perceber esse tipo de deformidade."


continue lendo »
3.10.10



Coluna semanal onde compartilho com os leitores o meme "Essa Semana..." criado pela Julianna do Lost In Chick-lit, e também disponibilizo as músicas que tenho ouvido recentemente ou até mesmo vídeo clipes.
 Resolvi juntar a coluna Playlist daqui do blog com a "Essa Semana...", que só postei uma vez, e estava pensando num jeito de juntá-la com outro conteúdo, para que desse mais certo na agenda do blog.
continue lendo »