27.8.10

Resenha: Being Nikki - Airhead #2




Sinopse: As coisas não estão bonitas para Emerson Watts. Em tinha certeza de que não poderia haver algo pior do que ter seu cérebro transplantado para o corpo de uma supermodelo adolescente. Mas ela estava errada. Porque aquela supermodelo poderia ter uma mãe que desapareceu misteriosamente, um irmão que apareceu em sua porta exigindo respostas, um ex-melhor amigo que pretende destruir a Stark Enterprises para vingar a morte de seu amor, e um galã britânico que escreveu uma canção sobre ela - que está no topo das paradas. Como Em pode equilibrar tudo isso com a escola, desfiles e excursões de fim de semana para St. John – especialmente quando ela tem ex-namorados rastejando para fora da toca que querem mais do que simplesmente uma fotografia memorável; uma irmã que está a caminho dos campeonatos de líderes de torcida; uma companhia a qual ela representa que parece estar indo para o lado negro... Sem falar em tentar convencer o amor da sua vida que modelos não são realmente cabeças de vento... especialmente uma modelo em particular. Mas, então, ninguém disse que ia ser fácil ser Nikki. [fonte: Fernanda Bookshelf]

[Nota: Agora a minha avaliação estará sempre no final do post, num "post-it", ok? A nota é dada de 0-10, contando com a capa, história e enredo.]
Quando comecei a ler esse livro, estava preocupada quanto a ele ser em inglês. Nunca li um, exceto O fantasma da Ópera para a escola, um livro fino e para quem mal entende inglês. Mesmo assim decidi arriscar, e ainda nem que decidi isso, pois adorei ler esse livro. Eu meio que estou sentindo aquela euforia após uma conquista, sabem? É MUITO bom!
 Mas sem mais rodeios, a história do livro se desenrola bem devagar, e é somente no final dele que ocorrem as coisas OMFG! Não que o livro seja entediante na maior parte do tempo - pelo contrário. Acontecem coisas fundamentais para todo o drama que se desenrola no final. Nikki - ou Em, se vocês preferirem - está tendo que aguentar todas as coisas fúteis que cercam sua profissão, além da onipresente ameaça que ronda o nome da Stark Entrerprises, empresa para a qual ela trabalha. Ela realmente fica atenta às possibilidades de a empresa estar espiando sua vida inteira - o que no final, todos sabemos que é verdade. Só que, para complicar tudo isso, o irmão biológico de Nikki aparece do nada, dizendo que a sua mãe está desaparecida. E mais, a garota tem que lidar com o fato de seu melhor amigo (ou ex? vai saber como classificá-lo agora...) mudou e adquiriu um novo defeito: vingança (como a personagem insiste em repetir milhões de vezes, a evil supervillain). Ah, e como lidar com o fato de que está levando bomba nas provas finais do colégio? Mas é claro que ir mal na escola é o menor dos problemas que Em tem que lidar depois que seu cérebro foi transplantado para o corpo de uma supermodelo superocupada.
 Querendo ajudar a encontrar a mãe de Steven, o irmão de Nikki, Em pede ajuda a Christopher. E é aí que as coisas começam a acontecer. Só uma coisa a dizer sobre Christopher: fofo DEMAIS! haha Estou totally in love por ele agora. E eu já sabia desde Airhead que o Brandon é mais do que um filhinho-mimado-e-rico, mas depois do que ele fez em Being Nikki? Really? Eu fiquei bem chocada - assim como Em - e estou odiando o canalha até o dedinho do pé!
 A única coisa que me deixa irritada com a série Airhead é a possível idiotice de Em, que insiste em repetir tudo o que é óbvio para o leitor. Sempre batendo naquela tecla de que ela não é a Nikki, já que seu cérebro foi transplantado para o da modelo, e que isso e aquilo... e blá, blá, blá. Sério, até irrita! haha Mas é simplesmente o jeito que a Meg escreve, pois consigo detectar essa "falha" nos livros da série O diário da Princesa - ou talvez seja somente uma das características de suas personagens. E ok, eu não acho isso muito necessário à história, mas isso não prejudica em nada o sucesso do livro.
 Outra coisa que acho bem relevante é a maluquice de toda essa história de transplante cerebral! Tudo bem, é só uma história, um romance e tal, mas é muito estranho ler uma história como essa, principalmente depois que chega o final e você descobre sobre algo que seria quase impossível da ciência realizar, muito menos uma equipe sem os devidos aparelhos necessários. Talvez essa parte ficou meio confusa para quem ainda não leu o livro, mas quem ler vai entender o que estou dizendo.
 Por último, achei a leitura do livro bem fácil. Me ajudou e muito no vocabulário. Exceto pelas gírias - o livro é recheado delas! E como eu já sabia da maioria, eu pude perceber o quanto ele é infestado delas. Fica difícil achar num dicionário. Aliás, fica impossível. Mas nada que atrapalhe o entendimento da história, pelo menos não para quem sabe o básico.
 Agora? Não vejo a hora de poder ler Runaway!
 Autora: Meg Cabot - Editora: Macmillan - ISBN: 9780230739376 - Páginas: 336

8 comentários:

  1. Estou louca para ler esse livro. Sou apaixonada por Cabeça de Vento! E é a Meg, né?

    ResponderExcluir
  2. Nossa, eu vou ler meu primeiro livro em inglês daqui uns dias (Whisper) e - desculpe o palavreado - estou "cagando na zorba" de não dar conta! Apesar de falar até que bem e escrever razoavelmente em inglês, sei lá, é diferente né?? Vou ser aquela noiada com um dicionário inglês-inglês pra saber o significado de TODAS as palavras! Huahauhauha
    Eu só li um livro ds Meg... "A garota americana" e na época achei meio fraco. Quero ler outros livros dela pra ver se mudo minha opinião... mas por enquanto, só em português mesmo, minha cabeça não "funfa" direito ... hehehehe

    Obrigada pelo comentário no Liege!

    ResponderExcluir
  3. Eu detesto a enrrolação da Meg, mas eu não consigo parar! Ô vício! Esse vai ter que esperar se lançado no Brasil.

    ResponderExcluir
  4. aaaaaaah a msm coisa q senti e pensei.. até o q vc falou ai no final q esqueci de comentar qdo fiz a minha resenha.. realmente parece até q é uma simples cirurgia para tirar o baço ahahahahaha. E você ainda deu 9,5!????? hihiihihih Sobre o Brandon.. eu não achava q ele fosse ser tão FDP.. mas foi bom para dar mais sacudida ainda na história ehehe mas talvez ela tenha feito mais pelo orgulho ferido ihhihiihih

    beijinhos

    ps: como vc vai fazer para o 3º? vc vai no inglês msm !?

    ResponderExcluir
  5. Ah, só pra te avisar: como você pegou a sinopse lá do blog, veio um pedaço da resenha junto (a partir daqui: "Meg Cabot conseguiu escrever uma seqüência (..." porque enfim, deu problema no HTML e eu só fui ver quando cheguei em casa, à noite ;)
    Enfim... É, realmente tem partes repetitivas, mas e daí? Tem o Christopher! (LLL) UAHAUAHUAHA E sim, o final de fato mostra um acontecimento bem impossível, mas eu acho que como foi inserido nesse contexto todo de "transplante de cérebro", não chega a parecer uma falha nem nada.
    Ah, comprei o meu na Saraiva, mas quase nunca compro livros importados lá. O melhor lugar é a Livraria Cultura; só não sei como é o frete deles porque sempre peço pra entregar na loja :S Mas sei que eles têm o paperback do livro em pronta entrega. O hardcover já não sei.

    ResponderExcluir
  6. é continuação daquele que vc postou aqui outro dia né?!
    fiquei com mais vontade de ler!! love meg cabot!!!
    beijoo!

    ResponderExcluir
  7. Eu adoro Meg Cabot! Quase comprei livro dela em inglês essa semana na saraiva, pq sai beeem mais em conta e da pra treinar o inglês, mas acabei deixando, pois não teria tempo de ler :/ Agora vou ver se volto la. Bjss

    ResponderExcluir
  8. Nossa todo mundo fala desses livros,mas nem li o primeiro ainda p/ poder ler o segundo,mas com certeza vou ler,sera uma das minha proximas aquisições o primeiro livro

    ResponderExcluir

Obrigado por visitar e comentar no Literature-se.
Assim que puder, visitarei o seu blog. Caso não tenha um, deixe twitter, Facebook ou e-mail para que eu possa respondê-lo :)
Dicas, sugestões e críticas construtivas? Comentários abertos para isso e muito mais, só contando com aquela boa dose de bom-senso necessário, né? ;)

 
Literature-se © Todos os direitos reservados :: Ilustração por Prih Mizuh (@pri_mizuh) :: voltar para o topo